Lago de Garda: um final de semana em Riva del Garda

Sabe aquela vontade de escapar e fugir para um lugar de beleza idílica e desligar do resto do mundo? Um final de semana no Lago de Garda (ou Lago di Garda, em italiano) provavelmente é tudo o que você precisa!

Riva del Garda

Bem, pelo menos era tudo o que eu precisava.

Lago de Garda: diferenças entre norte e sul

Com águas incrivelmente cristalinas, o Lago de Garda está localizado no norte da Itália e é rodeado por encantadoras cidadezinhas – muitas delas com castelos!

É o maior lago da Itália e tem clima mediterrânico: palmeiras, oliveiras, laranjeiras e limoeiros crescem por ali. O visual é de tirar o fôlego – e muda bastante se você está na parte norte do lago ou na região sul.

Impressione-se com a altura das montanhas – como eu me impressionei!

Eu, pessoalmente, acho a região norte do lago muito mais bonita: as montanhas altíssimas encostam no lago, como um fiorde. Na região sul, o lago perde esse charme das montanhas.

O que fazer no Lago de Garda

Há uma infinidade de coisas no Lago de Garda. A principal atração turística definitivamente são os esportes aquáticos: os veleiros dominam a paisagem no verão. Windsurf e kite surf também são comuns.

Por outro lado, as paisagens maravilhosas do Lago oferecem trilhas e escaladas únicas. Os mais aventureiros (e sem medo de água fria) podem se aventurar no canyoning. Há também áreas onde é possível praticar mountain bike, golf e escaladas em vias ferratas.

De buenas na lagoa.

As pequenas cidades com casinhas de tons pastel e seus charmosos castelos também valem as visitas, claro.

Lago de Garda: pausa no passeio de bicicleta para olhar o mapa!

Lago de Garda no inverno

Visitar o Lago de Garda no inverno e no verão são experiências completamente diferentes. No verão, as cidades na beira do lago ficam lotadas de turistas e os esportes aquáticos estão por toda a parte. No inverno, grande parte dos restaurantes e hotéis estão fechados. Mas, nem tudo está perdido!

Lago de Garda no inverno
Lago de Garda no inverno: é paz que chama

Como Riva del Garda fica no meio do caminho entre onde eu moro (Rimini) e onde meu namorado mora (Munique), a cidade foi a escolhida para nosso romantic getaway. E, sinceramente, a escolha não poderia ter sido mais perfeita! Nos hospedamos em um hotel com spa e passamos o sábado inteirinho relaxando na jacuzzi e nas saunas. Domingo de manhã, partimos para explorar cada cantinho da cidade.

Homem em Lago de Garda, Riva del Garda.
O pensador.
Pequenos sinais de primavera.

E é por isso que o Lago de Garda pode ser um ótimo refúgio para descanso no inverno! As belezas do lugar continuam lá, intactas, enquanto as cidades estão vazias de turistas. No final de contas, todo atendimento – do restaurante ao hotel – é muito mais personalizado. Zero stress.

Os encantos de Riva del Garda

A arquitetura de Riva del Garda

Por conta da proximidade, Riva del Garda é um destino muito famoso entre os alemães (e isso pode render alguns momentos engraçados até). Também descobri que o lugar faz sucesso entre os dinamarqueses. Por isso, não faltam restaurantes com comida bávara e cervejas alemãs. Gardesana

Gardesana: a (coloque o seu superlativo de beleza preferido aqui) estrada italiana

Em Riva, decidimos passear de bicicleta até Limone pela antiga estrada, conhecida hoje como Sentiero del Ponale. Inaugurada em 1851, a estrada que liga Riva del Garda ao Valle di Ledro foi reaberta em 2004 apenas para pedestres e ciclistas. A estrada tambem oferece um panorama da Gardesana, construida nos anos 30, onde so circulam carros, e que ficou famosa por aparecer em James Bond, em Quantum of Solace.

A estrada antiga cravada nas pedras e considerada uma das mais belas do mundo, infelizmente, estava fechada (a previsao de reabertura é para 12 de abril de 2019).

As cachoeiras de Varone

Então, seguimos de bicicleta para a cachoeira de Varone – sem grandes expectativas, confesso. Pagamos os seis euros de entrada cada, um pouco descrentes. Mas, então, a surpresa!

As quedas d’água são fascinantes! A água cai sobre o cânion e impressiona. Para completar: uma dança de luzes coloridas faz o lugar ainda mais encantador.

Carnaval de Arco

Depois, seguimos até Arco, uma cidadezinha bem perto de Riva del Garda, onde acontecia um carnaval de rua para crianças. A cidadezinha cresceu ao redor de uma pedra com um castelo medieval no topo. Já é um bom motivo para conhecê-la, certo?

Onde comer

Escutamos a recomendação de um amigo que disse que a comida do Antiche Mura, em Riva del Garda, era maravilhosa. Fomos até lá e… O restaurante estava fechado! Eis uma das desvantagens de visitar Riva no inverno.

Seguimos então para a Osteria La Contrada e tivemos sim um jantar italiano como deve ser. O lugar era aconchegante, o serviço era simpático e o gnocchi de trufas estava delicioso!

Mas, se a Osteria é o lugar perfeito para um jantar curtido com calma, o Panem é o restaurante ideal para um bom almoço: o cardápio de lanches inspirados em diversas regiões da Itália é tentador. Escolhi o Friulano (com asìno – um dos queijos mais tradicionais de Friuli – mais fiocco di sauris, creme de cebola, pimentão em óleo) e o namorado foi de Ionio (uma versão peixe do panino). O problema ali foi o serviço, um pouco demorado.

Onde se hospedar em Riva del Garda

Como disse anteriormente, o melhor de visitar o Lago de Garda no inverno é aproveitar a beleza do lugar em meio à tranquilidade. Para completar a experiência, nos hospedamos em um spa hotel, o Hotel Parc Flora.

Área comum do Hotel Parc Flora, em Riva del Garda

O spa do lugar também foi uma boa surpresa. Pequeno, mas bem variado (o melhor spa de hotel que eu já vi até agora!): além dos clássicos jacuzzi, banho turco e sauna finlandesa, ele também contava com percurso Kneipp, cascata de gelo e duchas aromatizadas. Amei a ducha tropical de maracujá. hahaha

Infelizmente, não pude tirar fotos do pequeno spa porque haviam muitos alemães e, bem… alemães costumam ir à sauna pelados. Isso vale outro post, aliás!

Vou sentir falta do café da manhã do Hotel Parc Flora

O café da manhã do Hotel Parc Flora também foi uma delícia. Com um buffet farto de salgados e doces, cafés, espumante (!) e suco de laranja-vermelha fresquinho, feito ali na hora.

Aliás, desconfio que a explicação do café da manhã ser tão bom assim é porque eles também são donos de uma das melhores gelaterias da cidade, o Bar Gelateria Flora – que está localizado bem na frente do hotel. A gelateria é tão boa que estava lo-ta-da até mesmo com o clima frio. Se visitar o lugar, experimente o affogato e me conta o que achou!

24 horas em Xangai: o que ver, fazer e provar na futurista cidade chinesa

O que fazer em Xangai - cidade aquática Zhujiajiao 8

Uma das belezas de viajar é se aventurar fora da nossa zona de conforto. Acredite, aterrissar em Xangai é como sair da bolha e ser transferido diretamente para o futuro!  Não sabe o que fazer em Xangai? Esse post vai te ajudar nessa tarefa.

Mais moderna do que qualquer cidade europeia, Xangai ainda guarda cantinhos intocados e que respiram a tradição milenar chinesa. Essa combinação de tradicional e futuro é, definitivamente, uma das maravilhas de Xangai.  Um dia na cidade não é suficiente, mas se tudo der certo você sairá de lá apaixonada e já querendo voltar!

O que fazer em Xangai em um dia

Xangai foi nosso stopover na viagem com destino à Tailândia e Laos. Passaríamos o dia na cidade, mas é bom ressaltar que a imigração pode ser (e foi!) um pouco demorada.

Chegamos de manhã em Xangai e o nosso voo para Bangkok (ei, mais sobre os melhores lugares para comer em Bangkok aqui) só sairia de madrugada. Ou seja: tínhamos a um dia inteiro para explorar o melhor que a cidade poderia oferecer. Nosso roteiro foi apertado e cansativo, mas valeu a pena!

Maglev, o trem-bala magnético: 430km/hora

Na lista de o que fazer em Xangai, a experiência começa no trem saindo do aeroporto rumo ao centro. O Maglev é um trem que liga Longyang Road em Pudong até o Aeroporto Internacional de Pudong.

O que fazer em Xangai - trem bala Maglev
Trem Maglev: o trem-bala magnético de Xangai

A diferença entre o Maglev e os trens comuns é bem simples: o Maglev é o único trem de levitação magnética que faz rota comercial no mundo. Ele atinge até 430km/hora e faz um percurso de 30km em apenas sete minutos.

Senti um pouco de náusea ao tentar observar as paisagens pela janela, mas a experiência definitivamente vale a pena.

Preço trem Maglev:
Passagem simples: 50 yuanes.
Ida e volta: 80 yuanes.

Cidades aquáticas: a beleza milenar de Zhujiajiao

Decidimos deixar o centro da badalada Xangai para conhecermos depois (as luzes da cidade à noite são de tirar o fôlego!) e partimos em direção a Zhujiajiao, uma cidade aquática com 1700 anos de história.

O que fazer em Xangai - cidade aquática Zhujiajiao 8
Zhujiajiao: um pedacinho intocado pela modernidade

O lugar é famoso por suas pontes: são 36 diferentes construções feitas de madeira, pedra ou mármore.

O que fazer em Xangai - cidade aquática Zhujiajiao 3 Aquela foto clássica. <3

O que fazer em Xangai - cidade aquática Zhujiajiao
A beleza que é Zhujiajiao

Ali passamos a tarde explorando as ruelinhas da cidade e experimentando os curiosos pratos dos restaurantes locais.

Visite um templo budista

Voltamos de metrô e seguimos antes do entardecer para o centro. Escolhemos visitar o templo Jing’an, um dos mais famosos de Xangai e onde está uma das maiores estátuas do Buda de jade na China, o Buddha Sakyamuni.

O que fazer em Xangai - templo Jing'an Templo Jing’an: impressionantement

Em português, o nome significa “Templo da Paz e Tranquilidade” e, na realidade, o templo é isso mesmo: localizado na West Nanjing Road e rodeado de prédios espelhados, o templo budista é um oásis no meio da agitação.

O que fazer em Xangai - templo Jing'an Templo Jing’an e a fumaça de incensos

O que fazer em Xangai - templo Jing'An
Um resumo da China.

O templo tem uma história de mais de 780 anos, e já foi realocado, transformado uma fábrica de plásticos durante a Revolução Cultural e destruído por um incêndio em 1972. História não falta por aqui!

Explore a Nanjing Road

Najing Road é o espelho da modernidade da cidade. É a rua dos grandes shoppings e lojas da Xangai. Mas não só,  Najing Road ainda é casa do templo Jing’an, do Museu de Xangai (The Shanghai Museum), Shanghai Art Gallery, People’s Square e Shanghai Urban Planning Exhibition Hall.

O que fazer na China - comer muitos dumplings
Comer dumplings em Xangai? Checked!
O que fazer em Xangai - gastronomia 2
Dumplings, amor em forma de comida.

Ali, aproveitamos para ter um momento de pausa em um restaurante de dumplings (a hora certa de comer é pela manhã, mas…).

Conheça o Yu Garden

Em qualquer lista de o que fazer em Xangai sempre aparecerá o Yu Garden. Um dos mais tradicionais jardins da cidade, o Jardim Yu foi construído durante a Dinastia Ming (1368-1644).

Yu Garden - O que fazer em Xangai Yu Garden: à noite as luzes são lindas!

Yu Garden - O que fazer em Xangai As luzes de Xangai. Como não amar?

O jardim é uma beleza que só e, durante a noite, as luzes deixam o lugar ainda mais bonito. No Yu Garden você encontrará lojinhas de souvenir, stands de comida e construções típicas, como o Sansui Hall, usado para entreter os convidados do imperador.

A vista do rio Huangpu

O que fazer em Xangai - Huangpu
De tirar o fôlego.

Do Yu Garden seguimos para as margens do rio Huangpu, onde a vista mais famosa de Xangai (o maravilhoso skyline!) é fotografada. A beleza das cores dos arranha-céus fechou com chave de ouro o dia na cidade e deixou um gostinho de quero mais.

Melhor: o trem Maglev nos levou de volta para o aeroporto em apenas sete minutos.

Dica:
Tem viagem marcada para Xangai, na China? Encontre aqui uma lista dos melhores hotéis de Xangai. Há opções para todos os gostos e bolsos!

Quer salvar esse post para ler depois? Pine a imagem abaixo no Pinterest!

Quanto custa viver na Itália?

Quanto custa morar na Itália - Malcesine no Lago di Garda

Um dos primeiros passos quando a gente decide mudar de país é calcular o custo de vida do lugar. Quando eu me mudei para a Itália, sinceramente não fazia ideia do que me esperava. Mergulhei de cabeça e, mesmo que essa tenha sido uma atitude extremamente ingênua, eu aprendi que as coisas sempre dão certo – e se não der a gente trabalha duro e faz dar. Se você pretende se mudar para o país e quer saber quanto custa viver na Itália, esse post é para você!

Quando deixei um emprego estável e uma carreira de repórter de uma grande editora para ver o mundo de lado de fora do escritório, não sabia muito bem o que viria depois. A verdade é que a maturidade veio em forma de boletos e na hora de lidar com burocracias em uma língua que não é a minha – é preciso fôlego e muita convicção para argumentar com italianos.

Também veio com a dificuldade que é entender como funciona o sistema de impostos quando você trabalha remotamente para empresas do Brasil e do Reino Unido, mas tem residência na Itália. Eu definitivamente me tornei uma pessoa muito mais forte e pé no chão com essa experiência.

But first things first, my dear!

Custo de vida na Itália x outros países europeus

A Itália é um país com custo de vida médio se comparado a outros países europeus. O custo de vida também varia, claro, de cidade para cidade. Milão é uma cidade cara, onde um quarto em casa compartilhada com outras pessoas, custa, em média, entre 600 e 700 euros por mês. Em Bologna, esse valor gira em torno de 400 a 500 euros.

Você perceberá que, não por acaso, a Itália é uma Blue Zone – áreas onde a população ultrapassa os 100 anos de idade. É possível comer bem e ter uma vida equilibrada com pouco.

Por aqui, reinam as pequenas empresas e comerciantes de bairro. As cooperativas também são o ponto forte da Emilia-Romagna. Buy Local é um movimento que existe desde sempre na Itália: eles valorizam de verdade pequenos produtores e negócios de bairro.

Quanto custa viver na Itália: tabela de gastos

É claro que o custo de vida é relativo. Ele vai depender da região onde você mora, do tipo de alimento (e do vinho! <3) que costuma consumir, dos seus hobbies e até se você é uma pessoa friorenta. haha

 

Viela de San Marino
Vielinhas para todos os lados

 

Abaixo, você terá uma ideia dos meus gastos básicos em uma cidade de médio porte na Itália: Rimini tem cerca de 300 mil habitantes, muita variedade de supermercados e está a 150 km de Bologna (cidade com um bom aeroporto com conexões para toda a Europa). Mas, é bom saber: os preços para aluguel crescem em escala exponencial no verão – e esses valores não entrarão na conta, porque no verão eu viajo – ufa! 

Eu não administro meu dinheiro por meio de budget, mas tenho uma planilha e sei para onde cada centavo vai. Isso de certa maneira me ajuda a ter consciência do que é necessidade, do que é válvula de escape (escolhas emocionais necessárias, de vez em quando) e de onde eu preciso prestar atenção para cortar custos. Meus money dials são comida, produtos de beleza (estou tentando reduzir, admito) e viagens – no geral, meu dinheiro é bem gasto com experiências, e não bens de consumo.

Aqui, segue uma lista dos meus gastos fixos e básicos – ou seja, meu custo de vida na Itália. E isso, claro, é pessoal e varia, mas talvez dê uma luz para quem pretende se mudar para cá em breve.

Aluguel

Pago 300€ em casa compartilhada com mais uma pessoa. Apesar de afastado do centro (3km), o apartamento está bem localizado, a duas quadras da praia. O contrato é de setembro a maio, uma vez que o apartamento é alugado por temporada.

Paguei um caução de 200€ na entrada, mas esse valor em outros lugares pode ser de até três vezes o aluguel. Também paguei  50€  pelo contrato + uma taxa de limpeza. Um monolocale (studio) em Rimini custa entre 500 a 600€ por mês.

Alimentação: o paraíso dos hortifrutis

Eu gasto cerca de 50€ por semana em supermercado – em média 200€ por mês. Mas, sinceramente, eu enfio o pé na jaca. Também é importante considerar que a carne é um alimento caro (a carne de frango custa entre 9 e 13€/kg) e um bom bife… Bem, nem sei quanto custa porque não como mais.

Se você é vegetariano, aqui é o seu lugar!

A pasta é muito barata (em média, a pasta Barilla custa 50-70 cents de euro). Uma passata rústica de tomate custa entre 60 cents e 1€ pasta fresca custa, no mínimo, 18€/kg para massas simples como gnocchi, 38€/kg para pastas recheadas, como tortellini.

O vinho também pode ser muito barato: no dia a dia,  sempre vou de Falanghina (para frutos do mar) e Sangiovese (pastas e carnes), que custam SÓ dois euros. Coisa boa!

E o que falar dos hortifruti? Espalhados pela cidade, eles são quase como um parque de diversões para gente grande: a maior parte dos alimentos tem preço tabelado de 1 euro/kg. Ou seja, é um estímulo e tanto para você ser uma pessoa saudável! Se você viver de salada, pode diminuir os gastos de supermercado para 10 euros por semana. E é exatamente o que eu pretendo fazer.

Os preços nos hortifrutis são muitas vezes 1/3 dos preços cobrados nos supermercados. Por causa do inverno, quando a oferta de frutas, legumes e verduras cai bastante, os italianos costumam criar um estoque de vegetais congelados. Compram os alimentos frescos na temporada e congelam para consumir no inverno. É uma ótima maneira de ter o controle sobre o consumo.

Banco

Aqui na Europa, tenho acesso a duas contas bancárias. A conta italiana que foi aberta na Posta Italiana e custa 10 euros por ano, e o Revolut, no qual posso fazer transações e saques gratuitos em toda a Europa (com limite de 6 mil euros por mês), além de poder receber em libras esterlinas e comprar euros quando a cotação me favorecer. Também uso o Transferwise para enviar dinheiro para a minha conta do Brasil sempre que necessário.

Os juros são extremamente baixos e, por isso, não faz muito sentido ter poupança ou investimentos em títulos do tesouro, por exemplo. O dinheiro fica parado e não rende. Mas ainda estou estudando boas formas de investimento na Europa – quem sabe o assunto não vira tema para um futuro post?

Transporte

Aqui, o bilhete unitário custa 1,70€ e a opção mensal custa 28€. Transporte é muito barato na Itália. Em Munique (Alemanha), por exemplo, o bilhete custa o dobro do preço.

View this post on Instagram

the ~dolce far niente~ way of life.

A post shared by Mariana Gabellini (@marianagabellini) on

Andar de trem também é uma pechincha por aqui. O trecho Rimini – Bologna pode ser encontrado por até 10 euros. Rimini – Florença sai por 13€. E ainda existe o Flixbus (linha de ônibus econômica com trechos por toda a Europa) como opção. Infelizmente, os horários dos ônibus dentro da cidade são ruins (o transporte aqui muitas vezes pára cedo), porém os preços são bons.

Despesas fixas: gás, luz, água e telefone

Não temos telefone em casa (aliás, quem ainda tem?). Por isso, pago 10 euros por mês para ativar meu plano de celular com 4G ilimitado na Tim (internet mobile na Itália é algo realmente impressionante – é rápida, barata e ilimitada).

Já o boleto de luz é pago a cada três meses e sai em média por 35€ por pessoa. O boleto de água é bimestral e sai em média por 46€.

O gás, sim, pode ser a grande surpresa! É muito difícil sobreviver no inverno se a sua casa não tem boa vedação – como é o caso da minha, construída para ser um oásis de frescor durante o verão.

Gás talvez seja o item mais caro entre as despesas de casa. Geralmente, ligamos o aquecimento em novembro e desligamos em meados de abril. Ou seja, cerca de seis meses pagamos a conta de gás mais cara.

Quando o aquecedor está desligado, o gasto de gás gira em torno de 35 euros a cada três meses. Aí mora a maior dica de todas: em apartamentos com aquecimento autônomo, é possível controlar o horário em que a caldaia ficará ligada. Nós, por exemplo, deixamos das 20h às 22h e das 8h às 9h. Assim, a casa sempre fica quentinha e não temos surpresas na conta.

Mas, como nada é perfeito, minha última conta de gás durante o inverno (com gastos de novembro a janeiro) foi de estratosféricos 232,5€. Ouch.

Entretenimento

Isso varia de acordo com seu estilo de vida, claro. Meu hobby é viajar, então sempre que posso dou um pulinho em outra cidade (San Marino é aqui do lado!), faço um bate e volta… Enfim, aqui é onde eu mais gasto. Então 100 euros por mês é um valor OK para entretenimento se eu não viajo (conto aqui pequenos luxos, como roupas, aquele cafezinho no centro da cidade com uma amiga e aperitivi com os amigos).

View this post on Instagram

where Italy meets Austria 😊 #trento #italy #alps

A post shared by Mariana Gabellini (@marianagabellini) on

A Netflix na Europa é mais cara do que no Brasil: aqui, tem preço mínimo de 16,99 € enquanto no Brasil é R$ 19,90. E, por isso, pago a Netflix do Brasil com meu cartão de crédito brasileiro (ou seja, cerca de 3€!). Baita diferença, né?

Mas e a saúde, Mariana?

Sistema Sanitario Nazionale (SNN), sistema de saúde italiano, não é 100% gratuito, mas é acessível e de altíssima qualidade. Não é um sistema que te obriga a ter um seguro de saúde, como na Alemanha.

Na Itália, cada pessoa possui um médico de família e cada vez que você faz consulta com um especialista que não seja o seu médico de família deve pagar o ticket sanitário, que custa a partir de 25€.  Alguns exames e cirurgias também podem ser cobrados por meio do ticket sanitário. Enfim, esses custos só entram na planilha quando são usados de fato, né?

Ainda não tive nenhuma experiência no SNN (pretendo marcar em breve para fazer um check-up), mas acompanhei meu tio em Trento e o serviço é realmente muito bom. Mas é aquela coisa: no norte do país, os serviços públicos tem fama de serem mais eficientes do que no sul da Itália, então a região que você pretende morar também afetará nesses gastos.

Quanto custa viver na Italia: tabela de gastos

Resumindo a conta, na ponta do lápis meus gastos fixos mensais e por pessoa ficam assim:

Aluguel: 300 €
Transporte: 28 €
Alimentação: 200 €
Telefone: 10 €
Gás (inverno): 38,75 €
Água: 11,5 €
Eletricidade: 11,60 €
Taxa bancária: 0,83 €
Entretenimento: 100 €
Netflix: 3€

Total: 703,68€
Ou seja, meu custo de vida em Rimini é cerca de 3 mil reais.

Pretende mudar de país? Eu recomendo ter um colchão de segurança: tenha em uma conta doze vezes o seu custo de vida no novo país. O tempo de adaptação pode demorar e os custos de mudança também são altos – melhor estar sempre preparado. Também não deixe de levar em consideração as flutuações da moeda.

Se você pretende reconhecer a cidadania italiana, também contei aqui o passo a passo do meu processo de reconhecimento sem a ajuda de assessoria.

Onde comer (muito!) bem em Bangkok: 5 experiências gastronômicas incríveis

Comida Tailandesa - Onde comer em Bangkok

Bangkok é vibrante, colorida e… Inebriante! A capital da Tailândia é famosa mundo afora por dois motivos especiais: é a cidade número 1 dos mochileiros, e também é casa de uma das melhores gastronomias do mundo. Por isso, depois de explorar cada cantinho da cidade em busca da Tom Yam Kung perfeita, decidi fazer uma lista de onde comer em Bangkok. E se você não é muito familiar com a culinária tailandesa, no final do post encontrará uma lista de o que comer em Bangkok.

Mas, antecipo: uma vida inteira pode não ser suficiente para provar todos os pratos típicos da Tailândia. A boa notícia é que Bangkok é definitivamente um dos melhores lugares do mundo para comer bem! E barato – de verdade. Na badalada Khao San Road (rua dos mochileiros em Bangkok), por exemplo, você encontrará um bom pad thai com camarões gigantes por só 60 Baht (cerca de R$ 7). Bom, né?

Onde comer em Bangkok?

Dar dicas de onde comer em Bangkok pode parecer pretensioso – e é mesmo! Cada cantinho da capital tailandesa esconde um caldeirão com uma alquimia única de especiarias. Também não é preciso comer em restaurantes estrelados para ter uma refeição inesquecível.

E já que a comida é algo tão especial para o povo tailandês, ela merece um post todinho dedicado!

Chatuchak Weekend Market: compras, turistas e… muita comida, claro!

O mercado de final de semana Chatuchak foi nossa primeira parada em Bangkok. Eu estava muito ansiosa por experimentar os pratos tailandeses in loco. Chatuchak  acabou sendo um ótimo começo.

Camarões em Chatuchak Market - Onde comer em Bangkok
Camarões gigantes, no Chatuchak Weekend Market

 

Camarões empanados - Onde comer em Bangkok
Bangkok é o paraíso para os amantes de camarão!

Chatuchak é o maior mercado a céu aberto da Tailândia, com suas 15 mil barraquinhas. Além de souvenirs, como camisetas, pulseirinhas e as famosas bolsas de palha, Chatuchak também conta com stands de comida. Por ali, os vendedores fritam os famosos camarões gigantes de rio, lulas e peixes na hora. Não faltam opções de barraquinhas com mesas para sentar e, por isso, Chatuchak também é um bom lugar também para almoçar.

Manga com pimenta - Onde comer em bangkok
Manga com açúcar e pimenta – e sim, é muito gostoso!

Anote: existe uma barraquinha famosa pelo mango shake e ele acaba muito rápido. Deixamos para experimentar depois e… Ficamos sem, claro.

Food Court Siam Paragon: um parque de diversões para adultos

Pode ser que o calor te incomode um pouco (era inverno e fazia mais de 30 graus!) e uma praça de alimentação com ar condicionado recheada de opções de restaurantes thai é uma ótima ideia.

Siam Paragon - Onde comer em Bangkok
Siam Paragon: shopping virou destino gastronômico (sim!)

É o caso da praça de alimentação do Siam Paragon: lá você encontrará além de stands de comida tailandesa, outros restaurantes realmente bons de culinárias de outros países da Ásia. O lugar mais parecia um parque de diversões para adultos!

O Siam Paragon é o quarto maior shopping da Tailândia (acredite, os tailandeses amam shoppings e os shoppings por lá são imensos!) e é famoso por abrigar muitas lojas de grife. A praça de alimentação fica no subsolo.

Optamos por ramen japonês em um restaurante chamado Bankara – e não nos arrependemos. O miso ramen e o guioza estavam deliciosos.

Asiatique: os clássicos com pitada fancy do Baan Khanitha

Se você procura um restaurante mais sofisticado, o Baan Khanitha é o lugar perfeito. O restaurante está localizado no Asiatique The Riverfront, um complexo aberto de lojas na beira do rio e que vale muito a visita – de preferência à noite. Chegamos lá depois de um passeio noturno de barco pelo rio.

Baan Khanitha - Onde comer em Bangkok
Baan Khanitha: drink delícia de Butterfly pea

No Baan Khanitha provei um drink com suco de limão e Butterfly pea, uma planta azulada comum no sudeste asiático. Redundante, porém vale ressaltar: delicioso.

Baan Khanitha - Asiatique - Onde comer em Bangkok
Baan Khanitha: soft shell crab e camarão ao molho de tamarindo

Para jantar, nossas escolhas foram: lab gai (salada com frango picadinho, limão, pimenta e ervas), camarões de rio com molho de tamarindo e o poo phad kong karee, meu preferido: a estrela do prato é o caranguejo da casca mole frito, com um perfumado curry amarelo para acompanhar.

Thip Samai, o melhor (e mais concorrido) pad thai de Bangkok

O Thip Samai é um dos restaurantes que sempre aparece nas listas de onde comer em Bangkok. A explicação é simples: ele ficou conhecido por servir o melhor pad thai da cidade.

Bem, nossa intenção era mesmo comer o melhor pad thai de Bangkok, mas quando vimos a fila virando a esquina em plena quarta-feira, mudamos de ideia. A boa notícia é que eles oferecem um serviço take away – cuja espera não dura nem dez minutos. E assim como outros lugares de Bangkok, a comida é feita na rua e o restaurante é indoor.

Thip Samai - pad thai - Onde comer em Bangkok
Thip Samai: o melhor pad thai de Bangkok

O meu escolhido foi o pad thai envolto em uma camada fina de ovo – o que eu achei bem interessante, nunca tinha visto pad thai apresentado dessa maneira. Mas nada que justifique duas horas de fila, sinceramente. O preço? 80 Baht.

Buffet de frutos do mar, minha atração preferida

E se você quer uma experiência tipicamente tailandesa, vá a um dos vários buffets de frutos do mar da cidade. Um amigo tailandês nos levou em seu preferido: o Suvarnabhumi Seafood Buffet. Longe do centro e perto do aeroporto, o buffet de frutos do mar é uma experiência incrível em inúmeros sentidos.

Suvarnabhumi Seafood Buffet - Onde comer em Bangkok
Suvarnabhumi Seafood Buffet: ambiente simples e preço amigo

 

Suvarnabhumi Seafood Buffet
Suvarnabhumi Seafood Buffet: buffet livre de frutos do mar

O lugar funciona assim: tem buffet de frutos do mar livre, e no preço estão inclusas as bebidas sem álcool. Quer refil de cerveja? É só pagar a parte. Em uma estação estão vários frutos do mar frescos (lulas, ostras, polvos e diferentes tipos de moluscos), que você mesmo seleciona e grelha em um tipo de churrasqueira (cada mesa possui a sua). Também existe uma estação onde você mesmo pode pescar os camarões gigantes de rio vivos  e outra estação dedicada aos caranguejos (também vivos). Para completar, há uma estação com ingredientes para saladas, onde você mesmo pode criar sua salada de papaya com pimenta na medida do seu paladar.

Suvarnabhumi Seafood Buffet - Onde comer em Bangkok
Suvarnabhumi Seafood Buffet: caldeirão de caranguejos

O lugar é enorme e não é lá muito bonito, mas a experiência vale a pena. Demais. E definitivamente é um dos lugares que vou mais sentir falta de Bangkok.

O preço: 400 Baht. Cerca de R$ 45 reais pela melhor comida de frutos do mar da sua vida. Inacreditável!

O que comer em Bangkok?

Assim como escolher os melhores lugares de onde comer em Bangkok é missão impossível, eleger os pratos mais saborosos também não é lá uma das coisas mais fáceis de fazer. Além do pad thai, prato básico de qualquer restaurante tailandês, outros pratos não podem faltar na sua viagem à Tailândia. Na minha opinião, são esses:

Noodles no café da manhã (!)

Noodles de café da manhã - Onde comer em Bankok
Toda hora é hora de noodles!

Depois de quase dois anos na Itália, a ideia de comer pasta de café da manhã me dá arrepios. Por isso, quando um amigo tailandês nos convidou para um café da manhã típico, fiquei um pouco receosa. A verdade é que, apesar de morar na meca da gastronomia italiana, eu não a-guen-to mais pasta. Mas abri meu coração para os noodles tailandeses e não me arrependi… Bem, vale a experiência pelo menos. Em Bangkok, toda hora é hora para noodles!

Tom Yam Kung

Eis outra receita perfumada e apimentada – porque o que não faltam são perfumes e pimentas na Tailândia. O Tom Yam Kung é uma sopa de camarão que também está no ranking das melhores sopas do mundo. Juntamente com o pad thai, o Tom Yam Kung é aquela receita que todo restaurante thai tem. Mas, não importa, na Tailândia os sabores são mais intensos.

Tom Yam Kung - O que comer em Bangkok
Tom Yam Kung: a melhor sopa do mundo (tem camarão, é claro!)

O Tom Yam Kung tem o capim-limão como ingrediente-chave. Se você não é fã de camarão, vá de Tom Yam Gai (versão de frango) ou  Tom Yum Hed (sem camarão e com o dobro de cogumelos).

Khao Soi, o rei dos noodles

Quando o assunto são noodles, o Khao Soi ocupa o primeiro lugar no meu coração. O prato tailandês consegue ser ainda melhor que miso ramen e spaghetti a bolognesa (na minha opinião, claro)!

Khao Soi - Onde comer em Bangkok
Khao Soi: o melhor noodles do mundo

O Khao Soi é uma mistura surpreendente de tudo o que há de bom na cozinha: noodles de ovo mergulhados em um curry com leite de coco mais toque de especiarias, como cardamomo e açafrão. Sobre essa mistura poderosa: crocantes de milho, algum tipo de carne (na receita tradicional é frango, mas eu sempre peço camarão de rio!) e o toque adocicado do capim-limão. Já consegue sentir o perfume invadindo a sala? Eu sim!

O prato é típico do norte da Tailândia e, portanto, Chiang Mai é o lugar ideal para você experimentar essa delícia. Mas se você não vai para Chiang Mai, pode experimentar em Bangkok mesmo, né? Por aqui, sigo torcendo para que o Khao Soi seja o próximo hype gastronômico do Ocidente (rámen e poke que digam amém!).

Mango Sticky Rice

Mango Sticky Rice - O que comer em Bangkok
Mango Sticky Rice, a sobremesa rainha da Tailândia

A melhor sobremesa de todas. O que poderia dar errado colocando manga, arroz e leite de coco na mesma receita? Tudo. Mas a mistura exótica tem sabor dos sonhos – e eu já estou planejando replicar em casa. É a sobremesa número 1 da Tailândia, então não deixe de provar, tá?

O prato consiste em: meia manga docinha cortada em pedaços e acompanhada de um tipo de arroz doce grudento. Por cima do arroz, amendoins ou gergelim salpicados. Um molho de leite de coco fecha com chave de ouro.

Mangostin e durian

Mangostin - O que comer em Bangkok
Mangostin: versão asiática da jabuticaba

Mangostin é uma fruta fotogênica que lembra jabuticaba (no sabor só!). E, por isso mesmo, é deliciosa. Por outro lado, durian é a prima malvada da jaca (e olha que eu odeio jaca). Tem gosto bom, mas é difícil lidar com o cheiro impregnante (e repugnante). Há quem ame, há quem odeie. Em muitos lugares, como hotéis e aviões, é proibido entrar com a durian por causa do mal cheiro.

Durian - O que comer em Bangkok
Durian e ambiente perfumado não combinam

Mas tudo na vida é experiência, né?

Bangkok e o nosso roteiro de viagem

Bangkok foi parte do nosso roteiro de viagem de Ano Novo, que começou em Shanghai (China) e continuou na capital da Tailândia. Depois, seguimos para Luang Prabang (Laos), passamos por Chiang Mai e Chiang Rai (Tailândia), voltamos para Bangkok e, por fim, seguimos para Pequim (China). Foi um roteiro apertado, com quinze dias intensos  – mas muito bem aproveitados.

Bangkok foi definitivamente um dos meus destinos preferidos nessa viagem pelo sudeste asiático! Decidimos deixar para outra viagem as praias do sul do país, já que esse período do ano (dezembro/janeiro) é época de chuvas por lá. Bangkok, por sua vez, nos recebeu com muito calor (30 graus, em média), apesar de ser inverno.

Bike tour em Liubliana: explorando os highlights da capital da Eslovênia

Centro de Liubliana, na Eslovênia

Liubliana é pequenina e acolhedora. Também é hospitaleira e sabe receber o turista com tanta gentileza que parece colo de mãe. A viagem, que foi uma continuação da visita ao Big Berry, no sul do país, fechou com chave de ouro e só me fez ficar ainda mais apaixonada pela Eslovênia!

Liubliana - Centro Histórico
Centro de Liubliana e suas casinhas em tons pastel

O centrinho de Liubliana é super charmoso com suas casinhas em tons pastel, mas não pára por aí… Tudo fica ainda mais encantador porque ali não circulam carros – apenas pedestres, bicicletas e carrinhos de golfe, em um serviço gratuito oferecido pela prefeitura. A Eslovênia não ganhou fama de Green Slovenia por acaso, né? Por isso, uma das melhores maneiras para explorar a cidade – que é bike friendly – é em um passeio de bicicleta, claro!

Postais de Liubliana
Postais de Liubliana

Liubliana de bike, a melhor opção

Um passeio de bicicleta pelo centro de Liubliana é uma ótima opção para conhecer o que a cidade tem de melhor. E isso é tão verdade que o órgão de turismo da cidade oferece tours guiados pelos principais pontos turísticos de Liubliana. Em apenas um dia é possível conhecer os principais pontos turísticos da cidade e ainda ficar com gostinho de quero mais. Um tour de bike também é uma ótima maneira de aproveitar um belo dia enquanto conhece os principais parques e centros culturais.

Tour de bicicleta e os principais pontos turísticos

O tour de bicicleta em Liubliana tem duração de três horas, é oferecido em inglês ou esloveno e inclui guia profissional, aluguel da bicicleta, capacete e um lanchinho com doces tradicionais eslovenos.

Liubliana_ Dragon Bridge
A famosa Dragon Bridge de Liubliana

O tour de bicicleta em Eslovênia começa no centro histórico e segue para a periferia da cidade. Tudo começa com a lenda que tornou Liubliana The Dragon City.  Não é exagero… Em Liubliana, você verá dragões por todas as partes! Nas placas dos carros, na bandeira da cidade, em vários escudos espalhados pelas lojas e, claro, na Ponte do Dragão.

Dragão, a lenda-símbolo de Liubliana

Bem, diz a lenda que a história de Liubliana começou com Jason e os Argonautas. Essa turma com nome de banda de pop rock foi responsável por fundar a capital do país!

Jason era um herói grego que roubou o Velocino de Ouro do rei do Mar Negro. Após o furto, Jason fugiu em uma nau chamada Argo até a foz do rio Danúbio. Juntamente com os argonautas, Jason chegou ao rio Ljubljanica. Como era inverno, decidiram acampar perto da nascente do rio Ljubljanica. Ali perto, encontraram um grande lago e um pântano onde vivia um dragão. Jason heroicamente lutou contra o monstro até matá-lo. E é por isso que Jason é considerado o primeiro cidadão de Liubliana.

A famosa Ponte Tripla

Liubliana_ Jakov Brdar
Uma das obras de Jakov Brdar no centro de Liubliana

No centro de Liubliana conhecemos a história da cidade, a famosa Ponte Tripla e vimos de pertinho a perturbadora obra do artista plástico Jakov Brdar.

Jardim Botânico, Tivoli Park e bairro de Krakovo: verde por toda parte!

Depois, pedalamos pertinho do rio Ljubljanica (onde vimos nutrias nadando sem timidez alguma) e seguimos para o charmoso Ljubljana Botanic Garden. Lá, ganhamos nossa cestinha de guloseimas com doces tradicionais eslovenos. Comemos por ali mesmo, porque garoava lá fora (mas a intenção era um pique-nique no parque Tivoli).

Liubliana - Jardim Botanico
Jardim Botânico de Liubliana: charmoso e cheio de cactos!

Metelkova mesto: Liubliana respira arte de rua!

Conhecemos as hortas do bairro de Krakovo – onde os moradores ainda mantém aquele ar de roça enquanto ainda cultivam os próprios vegetais no quintal, em casas localizadas bem no centro da cidade (Green Ljubljana again, babe!).

O Parque Tivoli e sua exposição permanente nos encantou sim, mas foi Metelkova mesto, um centro de cultura alternativa, que me surpreendeu de verdade! O nosso tour terminou ali, cheio de arte, cores e graffitti. Inspiração para dar e vender!

Metelkova mesto: o centro cultural alternativo em Liubliana
Metelkova mesto: o centro cultural alternativo em Liubliana

A área repleta de grafitti recebe exposições de arte, exibições e festas onde se apresentam DJs do mundo todo. Tudo começou quando em 1993 um grupo de artistas ocupou o antigo complexo do exército austro-húngaro (construído no final do século 19) para evitar que ele fosse derrubado. Metelkova mesto então se encheu de vida e cor e vive até hoje como um centro de arte alternativo.

Liubliana_ Metelkova mesto

E o que faltou conhecer no tour?

Infelizmente o castelo de Liubliana ficou para depois – mas esse é só mais um motivo para voltar a Liubliana, né?  Localizado no topo de uma montanha, bem no centro da cidade, o castelo medieval é o edifício mais marcante do skyline de Liubliana.

Como fazer a reserva do tour de bicicleta?

O tour de bicicleta em Liubliana é sazonal. Ou seja, só é oferecido de abril a setembro, por causa da temperatura (ninguém quer andar de bicicleta no frio, né?).  A reserva pode ser feita online no site da secretaria de turismo de Liubliana.

Como chegar em Liubliana

Liubliana é facilmente acessada por avião, trem ou ônibus. Por exemplo, há ônibus direto para Bologna, na Itália, ou Munique, na Alemanha. O aeroporto de Liubliana recebe vôos de Bruxelas, Munique, Istambul, Londres, Vienna e por aí vai. Acredite, chegar em Liubliana não será um problema!

Liubliana no Outono
Assim é Liubliana no Outono: toda amarela!

Onde se hospedar

Fiquei hospedada no Hotel Park – Urban & Green, um hotel três estrelas super bem localizado, a 700 metros do centro histórico e com um café-da-manhã delicioso. Um ótimo custo-benefício – afinal, você irá perceber que os preços em Liubliana não são tão amigos assim, viu?

Onde comer em Liubliana

Para ter uma experiência gastronômica autêntica eslovena é preciso mergulhar nas tradições. Há muitas opções de restaurantes nas margens do rio Liublianica, porém geralmente são mais caros e menos tradicionais – enfim, super turísticos. Mas nem tudo está perdido! Há algumas pérolas escondidas no centro histórico.

Frutos do mar e vinho

Vino e Ribe - Liubliana - Onde comer
Vino e Ribe, em Liubliana: frutos do mar acompanhados de vinho esloveno

Ok, frutos do mar não são bem a especialidade eslovena. Mas os vinhos são! No Vino & Ribe pratos com lulas, sardinhas, camarões, polvo e diferentes de peixes são bem servidos com vinhos típicos eslovenos: Malvasia e Refosco. Quer mais? A taça é super barata: apenas € 1,80!

Comida tradicional eslovena

Um achado é o Druga violina, localizado no centro histórico, com comida autêntica eslovena, em um ambiente aconchegante e preços amigos. O destaque fica para o idrijski žlikrofi, um tipo de dumpling recheado com batata que é uma delícia. A proposta do Druga violina também é interessante: o restaurante emprega pessoas com necessidades especiais e, por isso mesmo, o atendimento é mega atencioso. Vale incluir o restaurante no roteiro, viu?

Para apaixonados por café

Para quem não vive sem café (que nem eu!), o Cafetino é um oásis! O pequeno e aconchegante café oferece uma carta gigantesca com tipos de café do mundo inteiro. Tem brasileiro? Claro que tem! Mas tem também café indiano, do Iemên, de Java, Galápagos e os clássicos peruanos, colombianos e guatemalteco.

Hamburguer vegano? Tem também!

Se você é vegano, o Organic Garden é o seu lugar! A pequena lanchonete oferece algumas boas opções de hambúrgueres veganos com pão colorido (esse tipo de lanchonete virou febre na Europa!). Experimentei o Yellow Burger e o Black Burger e ambos são delicioso.

Organic Garden - Liubliana - Onde comer
Organic Garden: o melhor hambúrguer vegano de Liubliana

Um jantar com vista

Para um jantar romântico ou simples café com uma vistá incrível, siga até o Skyscraper – Nebotičnik, restaurante, bar e café com uma das melhores vistas do skyline de Liubliana, com vista para o castelo.

[wc_box color=”secondary” text_align=”left” margin_top=”” margin_bottom=”” class=””]
Informações úteis sobre Liubliana:

Localização: Liubliana está localizada no centro da Eslovênia, país que faz fronteira com a Áustria, Croácia, Itália e Hungria.
Moeda: Euro (EUR)
Idioma: Esloveno
Melhores meses para viajar: De maio a setembro, quando os dias são longos, as temperaturas são amenas e é possível fazer passeios a pé na cidade, sem congelar por causa do frio! [/wc_box]

[wc_box color=”secondary” text_align=”left” margin_top=”” margin_bottom=”” class=””]

Dicas extras!

Está pensando em reservar um hotel em Liubliana? Eu uso o Booking para garimpar boas ofertas e ler resenhas de quem já viveu a experiência. Lá, você encontrará uma boa seleção de hotéis, hostéis, chalés, guest houses e pousadas para todos os tipos de bolso e um ranking feito por usuários com o melhor custo-benefício. De quebra, você ainda ajuda o blog a crescer sem pagar nada a mais por isso. É um win-win! 

[/wc_box]

Postais de San Marino: uma joia no coração da Itália

Vista do castelo de San Marino no outono

Imagine um país pequenininho encrustrado na Itália e bem próximo à costa do Mar Adriático. Esse país tem um castelo no alto de um penhasco e uma cidadezinha medieval charmosa com ruelas e becos de pedra. De lá do alto, dá para ver o mar no horizonte e as pequenas cidades que o rodeiam. Parece um sonho, né? Mas essa joia existe, tem nome e sobrenome: San Marino!

A menos de uma hora de Rimini, San Marino é o estado nacional mais antigo do mundo. San Marino é o nome do país, com apenas 61 km², e o nome da capital também – o foco desse post, aliás é a cidade. A cidade de San Marino também é aquele tipo de lugar tão charmoso que a gente coloca na bucket list só para poder se encantar um pouco. Mais: em apenas um dia você conhecerá o principais pontos turísticos da cidade!

Vista de San Marino

Breve história de San Marino

San Marino surgiu em 301, quando o cristão Marinus se refugiou no Monte Titano para escapar de perseguições. Os anos passaram, a comunidade que ali vivia cresceu e San Marino ganhou estatutos em 1600, considerados a mais antiga constituição do mundo. Hoje em dia, San Marino é dona de uma das rendas per capita mais altas da Europa. San Marino e o Monte Titano foram declarados Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 2008.

As casinhas de San Marino

Viela de San Marino

Onde fica San Marino?

San Marino está localizada a menos de 10km da Riviera Romagnola. Por isso, é o passeio perfeito para quem está passando o verão nas praias de Rimini ou Riccione. Também vale uma visita se você está em Bologna, conhecendo as delícias da gastronomia da região.

San Marino no outono

San Marino: o que fazer no pequenino país?

O passeio por San Marino consiste basicamente em explorar as ruelas da cidade medieval no alto do Monte Titano. A 700 metros de altura, dá para ver o mar lá do alto!

Ruela San Marino

Vista – Uma das coisas mais incríveis de San Marino é a vista. Há um mirante, mas a vista mais impressionante e bonita de verdade é aquela com o castelo na beira do penhasco. Por isso, não deixe de caminhar entre as torres em busca do melhor ponto para a fotografia perfeita.

As Três Torres – Guaita, Cesta e a Torre del Montale são os principais pontos turísticos da cidade de San Marino.

A Primeira Torre (Rocca Guaita) foi construída na metade do século XV e é onde  as pessoas costumavam se abrigar durante os cercos. Alguns quartos foram usados como prisão até outubro de 1970.

Castelo de San Marino no Outono
Castelo de San Marino no Outono

O trecho que leva a Primeira Torre a Segunda Torre é  o mais charmoso (como a foto aí em cima mostra)! O trecho de muralhas pertence aos restos da segunda muralha da cidade construída no século XIII. A cidade de San Marino foi fortificada por três muros da cidade construídos em três períodos diferentes e que, infelizmente, foram demolidos para permitir que a cidade se expandisse.

A Segunda Torre está localizada no segundo pico do Monte Titano, o mais alto, a 756 metros de altura. Ali também está o Castelo do Cesta, também chamado Fratta. Construída no final do século XI, a Segunda Torre era a sede da guarita e também abrigava algumas celas de prisão. Ali hoje está o Museu de Armas, com mais de 500 objetos de diferentes períodos, entre a Idade Média e o final do século XIX. Ingresso: 3 € (cada torre) ou 4,50 € (para visitar a Primeira e a Segunda Torre).

A Terceira Torre foi construída no século XIII e tem a melhor posição para os vigias que protegiam o lugar.

Basilica del Santo – Construída em 1826, a basílica com estilo neoclássico é um edifício grandioso que chama a atenção entre as ruelas apertadinhas da cidade. Ali está guardada uma urna com os restos mortais de San Marino.

E, sim, compras! San Marino é uma zona tax free. Por isso, não se assuste com a quantidade de lojinhas vendendo perfumes, maquiagens, óculos e itens de couro. É uma ótima oportunidade para economizar alguns euros naquele item que você está sonhando há tempos.

San Marino: quando ir?

A melhor época para ir a San Marino é na primavera. No verão, as ruelas são lotadas de turistas. No outono, o lugar fica incrivelmente lindo com as folhas alaranjadas, porém venta demais. No inverno, diversas passagens (como o trecho que liga uma torre a outra) são fechados por causa da neve.

Vista castelo San Marino
Vista castelo San Marino

Como ir de Rimini ou Bologna a San Marino

Bologna – San Marino:
A maneira mais fácil para ir de Bologna a San Marino é por meio do shuttle que sai do aeroporto de Bologna. O trajeto custa 20 € ou 25 € comprando o bilhete com o motorista. Outra maneira mais trabalhosa (e demorada!) é indo de Bologna a Rimini de trem e depois pegar o ônibus que liga Rimini a San Marino.

Rimini – San Marino:
A melhor maneira de ir de Rimini a San Marino é por meio do ônibus que sai na frente da estação ferroviária de Rimini. O ponto está localizado próximo ao Burger King. O bilhete custa 5 € o trecho. Para encontrar o melhor horário, acesse aqui.  Atenção: verifique os horários de acordo com a estação do ano. Há diferentes horários para o verão (“corse estive”) e inverno (“corse invernale”).

E que tal conhecer Rimini, cidade com as praias mais badaladas na Itália?
+ Rimini: 5 coisas que você deve fazer na sua próxima viagem

Big Berry: 5 motivos para se apaixonar pelo interior da Eslovênia

Eslovenia - Bela Krajina - Big Berry3

Há tempos sonhava em conhecer a Eslovênia. A um pulinho da Itália e da Alemanha, o país ainda é relativamente pouco explorado turisticamente – e isso traz grandes vantagens em relação aos vizinhos mais badalados. Então, quando a Ju França do Eu Ando Pelo Mundo me convidou para conhecer a Eslovênia (e escrever sobre no blog dela!), eu não pensei duas vezes. Foi assim que acabei conhecendo o luxury lifestyle resort  Big Berry.

Big Berry: só mais um glamping na Eslovênia?

Confesso que demorei para entender qual era o conceito do Big Berry. Um camping de luxo ou lifestyle resort? À primeira vista, a gente até pensa que o lugar é um glamping (palavra que define camping com o conforto de hotéis de luxo), mas não é só isso.

Eslovenia - Big Berry - Casas móveis
A nossa casa móvel no Big Berry

A hidromassagem e a estrutura oferecida em cada uma das casas móveis dão o tom de luxo ao lugar. Foi preciso eu ir até la para entender do que se tratava: um glamping sim, mas volta

Campeonato de vôlei - Big Berry - Eslovenia
Estava rolando um campeonato de vôlei no Big Berry!

do para experiências e contato com a população local. E é a equipe internacional do Big Berry que faz a diferença: eles mantém o relacionamento de proximidade entre o viajante e os habitantes dos vilarejos ao redor.

 

 

Eslovenia - Big Berry
Paraíso verde, será?

Lá, é possivel ter o melhor de Bela Krajina, região do sul da Eslovênia onde Big Berry está localizado, e da Green Eslovenia – apelido que o país ganhou por causa das suas áreas verdes.  Quer jeito melhor de viajar? Eu acho que não existe.

Rio Kolpa e suas águas calmas

O Big Berry está localizado nas margens do rio Kolpa, bem na fronteira com a Croácia. O lugar é um pedacinho do paraíso e o rio Kolpa uma calmaria que só.

Rio Kolpa - Eslovenia e Croacia Olá, Eslovênia! Olá, Croácia!

Mas nem todo o Kolpa é assim – e até fizemos rafting por ali, com um passeio oferecido pelo Kolpa Adventures. Uma aventura deliciosa pela território neutro, que são as águas do rio entre os dois países.

As inesquecíveis cestas de café da manhã

Eu confesso que um dos momentos mais esperados do dia era o café da manhã. As cestas oferecidas pelo Big Berry são inesquecíveis. O pão esloveno é a oitava maravilha do mundo. Depois que você provar o iogurte produzido pelos produtores locais, nunca mais gostará das versões vendidas em supermercado.  E a manteiga ghee? Ah, a manteiga ghee! <3

 Café da manhã no Big Berry: saudável e delicioso! Cesta de café da manhã no Big Berry: saudável e delicioso!

O que eu posso dizer é que essa cesta de café da manhã já valeria a viagem. Mas o Big Berry oferece muito mais…

Vinhos na Eslovênia? Tim-tim!

Outra experiência deliciosa foi a degustação de espumantes eslovenos com a Semiška Penina. A degustação de espumantes produzidos com a uva modra frankinja, popular na região, aconteceu durante o pôr do sol.

degustação de espumantes eslovenos - Semiška Penina degustação de espumantes eslovenos, da Semiška Penina

Encanto é pouco para definir essa experiência.

Vinho - Eslovênia - Big Berry
Vinhos na Eslovênia? O tempo todo!

Degustação de óleos vegetais

Eu perdi um pouco o controle na degustação de óleos vegetais produzidos pela Oljarna, confesso. Isso porque costumo usar óleos vegetais na minha rotina de skincare. E, bem, a Oljarna produz 25 tipos de óleos vegetais prensados a frio – inclusive algumas variedades super diferentonas, como óleo de semente de romã.

Degustação de óleos vegetais - Oljarna Degustação de óleos vegetais, na Oljarna

Sai de lá com cinco óleos: rosa mosqueta, semente de damasco, semente de uva, cânhamo e cuminho preto (que valem um post especial sobre o assunto!). Enfim, um tratamento de pele completo!

As vilinhas eslovenas são um charme

Imagine vilinhas que mais parecem ter saído de contos de fadas rodeadas por verde, muito verde.

Eslovenia - Bela Krajina - Big Berry3
Povoado da Bela Krajina, na Eslovênia

Bela Krajina - Eslovenia
Bela Krajina, na Eslovênia, sendo uma gracinha

A população do interior da Eslovênia não está acostumada a receber turistas e todas as vezes que diziamos que eramos de fora, era uma festa só! O povo esloveno é gentil, atencioso e hospitaleiro como ninguém.

Vila na Bela Krajina, Eslovênia Vila na Bela Krajina, Eslovênia

Quer uma dica? Se você procura um lugar que combina descanso, cultura, natureza e luxo, a  Eslovênia é o destino perfeito para você!

Berloques de viagem: 4 lembranças eternizadas em prata

Berloques de viagem em prata

Corta para o verão de 2014. Foi quando minha paixão por berloques de viagem começou.

Minha prima, minha irmã e eu decidimos que era hora de nos aventurarmos em uma viagem juntas. Sabe aquela história de trinta coisas para fazer antes dos 30? Então, ela começou a pesar. Eu queria conhecer trinta países antes de fazer trinta anos, queria voar de balão, tirar fotos com um cavalo-marinho, colocar os meus pés no Oceano Pacífico. Tanta coisa! De repente, a gente sentiu que a vida estava passando muito rápido… Era hora de mergulhar mais fundo.

E desde então eu tenho colecionado berloques de viagem em prata.  O que uma coisa tem a ver com a outra? Senta que lá vem história!

Berloques de viagem e um roteiro inesquecível pela Europa

Todo o roteiro de quase trinta dias foi combinado via Skype com cerca de três meses de antecedência. Começaríamos a viagem por  Barcelona, depois Palma de Mallorca, em seguida voaríamos para Bologna e de lá conheceríamos Florença e Roma. De Roma, viajaríamos para Tessalonica, seguida por Atenas e Míconos. Depois, o destino era a Turquia, onde voaríamos de balão na Capadócia, visitaríamos a mesquita azul em Istambul e nadaríamos nas montanhas de algodão em Pammukkale. Penúltima parada: Paris. E depois de uma dose de cultura (o plano era desvendar o Louvre!), era hora de fechar a viagem com chave de ouro nas festas de Ibiza. Roteiro perfeito, né? E, olha, ele não é nada comparado às histórias inesquecíveis que rendeu. Os berloques que eu carrego na minha pulseira contam cada uma dessas histórias!

Comemorar o aniversário de 26 anos na Catalunha

Berloque de Viagem em Prata -Bandeira da CatalunhaFoi em Barcelona que eu comemorei meu aniversário de 26 anos. E foi em Palma de Mallorca também. Em Barcelona dançamos a noite inteira com indianos e tomamos tequila em uma balada à beira-mar chamada Opium. Lá pelas quatro da manhã, seguimos pouco sóbrias rumo ao aeroporto. Dormimos na frente do gate e quase perdemos o vôo! A festa continuou em Palma de Mallorca, onde caímos sem querer em uma balada cheia de alemães. Foi quando eu prometi a mim mesma que sempre conheceria uma nova cidade no meu aniversário – esse ano foi Liubliana, na Eslovênia. Comemorei um pouco atrasada, mas comemorei!

O berloque escolhido? A bandeira da Catalunha, claro! O preço? R$ 89,90.

Na Itália, a paixão me pegou!

Berloque de viagem em prata - Coliseu na Itália Assim que o avião aterrissou em Bologna eu me encantei pela cidade. Tão  diferente de tudo o que eu já havia visto… Tão única! Ali conhecemos um rapaz italiano chamado Cosmo, estudante da Universidade de Bologna, que nos mostrou um pouco sobre a cidade e nos contou sobre a Universidade – a mais antiga do Ocidente. Fiquei tão encantada pela Universidade de Bologna (em particular, pelo prédio da biblioteca) que jurei que estudaria ali um dia. Quatro anos depois, cá estou eu fazendo o mestrado que tanto queria. :)

Já em Florença, foi o por-do-sol que me encantou. Depois de assistirmos o que talvez foi o por-do-sol mais bonito que eu já vi na vida com direito a música, vinhos e queijos, seguimos para uma festa com vista para o skyline de Florença. Lá, me encantei por um francês. Pronto, já tínhamos um convite para conhecer a Cidade Luz de um jeito que só as comédias românticas mais água com açúcar poderiam inventar.

Foi em Roma, entre vespas e uma proibição de entrar no Vaticano com short curto, que comprei a minha pulseira de prata e comecei oficialmente a acumular boas histórias em forma de berloques.

O berloque de viagem do Coliseu é feito em prata e custa R$ 69,90.

Ah, a magia da Capadócia…

Berloque de viagem em prata - Balão na CapadóciaProvavelmente atingir o nirvana é a sensação mais próxima do que é voar de balão pela Capadócia. As paisagens, a luz dourada do amanhecer, os perfumes. Ah, os perfumes! Absolutamente tudo por lá é mágico. Se um dia você tiver a chance de voar de balão na Capadócia, voe. A experiência é realmente muito especial.

 

 

O berloque de viagem de balão em prata é cravejado com zircônias e custa R$ 139,90. Lindo, lindo!

 

Paris, a cidade mais romântica do mundo?

Berloque de viagem em prata - Torre Eiffel em Paris

Ah, Paris! Eu tinha grandes expectativas sobre a Cidade Luz.

O que eu posso dizer é que definitivamente Paris não é minha cidade no mundo. Quer dizer, a nossa estada em Paris foi mágica, sim. Conhecemos rooftops escondidos com vista para Notre Dame, passeamos pela cidade à noite sob as luzes da torre Eiffel… Não conheci Paris como uma turista – não dessa vez. Mas aprendi que Paris sabe ser a cidade mais romântica do mundo – essa fama não é à toa. A paixão que começou em Florença, no entanto, acabou em Orly. Então eu e minha prima afogamos nossas mágoas (que mágoas?) em Ibiza. O que sobrou dessa história? Um berloque em forma de torre, claro!

O berloque de viagem mais romântico (ou nem tanto, vamos combinar) da minha pulseira: a Torre Eiffel! Em prata, ela custa R$ 59,90.

Berloques de viagem: um novo jeito de carregar memórias

Eu costumo dizer que os meus netos terão minha pulseira como herança. Desde essa viagem, minha vida mudou drasticamente. Não posso carregar muita coisa na mala, então eu lido com a arte do desapego todos os dias. Compro menos coisas, consumo infinitamente mais experiências. Tenho uma vida mais focada em experimentar e não acumular objetos.

É na minha pulseira que eu guardo meus melhores momentos. Cada berloque possui uma – ou várias! – histórias especiais para contar. O que eu quero da vida? Só que ela seja cheia de momentos como esses.

E como a vida e a lista de desejos não param já tenho planos de acrescentar mais berloques de viagem à coleção: passagem de avião, passaporte (em homenagem à cidadania italiana!) e globo terreste. Enfim, é o presente perfeito para quem ama viajar!

[wc_box color=”secondary” text_align=”left”]

Boas notícias! Esse post foi criado em parceria com a loja  Amo Berloque.
Isso significa que leitorxs do blog ganham um desconto de 10% com o voucher HELLO_DAMAS
Quer mais? O preço dos berloques de viagem começam em R$ 4,90 (bijuteria) e R$ 19,90 (em prata).
[/wc_box]

Algarve: explorando as praias que são um pedacinho do céu em Portugal

Praia do Camilo - Lagos - Algarve - Portugal

É verão na Europa! E o Algarve é aquele tipo de lugar que dá vontade de voltar todo ano. Essa região do sul de Portugal é casa de comidinhas deliciosas (em cada esquina há um pastelzinho de nata te convidando para uma pausa para o café!), praias de tirar o fôlego, centros históricos pra lá de charmososclima solar e preços bem mais amigáveis do que outros países europeus. Tem também aquela sensação de que você está visitando um pedacinho do Brasil e até dá para se sentir em casa. Resumindo: se você procura um bom lugar para passar o verão na Europa, não deixe de visitar o Algarve!

Portas de Portugal - Portimão - Algarve
Azulejos portugueses: muito, muito amor!

Fui pela terceira vez para o Algarve e tive diferentes experiências. A primeira vez me hospedei em Faro, a segunda em Portimão e a terceira em Fuseta (em breve em um outro post!) e Lagos. Também passei um dia em Albufeira e… Bem, o que eu posso dizer é que entre as cidades algarvias que eu conheço, Lagos é de longe a minha preferida. E o motivo é bem simples: apesar de super turística e bem mais cara do que as outras cidades da região (e cheia de ingleses), Lagos é dona de algumas das praias mais lindas do Algarve. Melhor: dá para conhecer várias delas a pé!

Pastel de nata e galão no Algarve, em Portugal
Mas antes… Pausa para um pastel de nata acompanhado de um galão, o café com leite português!

Mapa: conhecendo as praias de Lagos a pé

Comecei o passeio pela Praia da Batata, a mais feinha de todas, confesso – mas que funciona como um aquecimento, vai. Ela fica pertinho do centro da cidade e por isso mesmo é um começo mais do que justo. Seguindo, está a Praia dos Estudantes. Pequena, mas com os famosos penhascos dourados começando a ganhar majestade. Na Praia da Batata existe um túnel entre as pedras que liga uma praia a outra.

Lagos: as praias mais bonitas do Algarve

Agora sim as praias começam a ficar bonitas de verdade! Próxima parada: Praia do Pinhão.  As águas claras e os penhascos já mostram porque o Algarve é um dos destinos mais famosos quando o assunto é praia.

Praia da Dona Ana

A praia Dona Ana é o lugar perfeito para você estender sua canga na areia e curtir o vai e vem das ondas sem pressa. Isso porque a extensão de areia disponível é maior do que nas outras praias. Boa notícia: você não tem que disputar espaço com muita gente!

Vista da Praia do Camilo, em Lagos, Algarve, Portugal
Vista da Praia do Camilo em Lagos, no Algarve

Praia do Camilo

Talvez aqui tenha sido criada uma das minhas definições pessoais de paraíso. As águas da Praia do Camilo são verdes e cristalinas… De tão calminho, o mar até parece uma piscina. As falésias douradas emolduram a faixa de areia disponível – que é bastante disputada.

Praia do Camilo - Lagos - Algarve - Portugal
Prazer, Praia do Camilo! Dá para ser mais incrível?

É definitivamente minha praia preferida e talvez a praia que seja o maior símbolo de toda a beleza do Algarve. Uma escadaria de madeira abre o caminho do topo das falésias até a praia e é um dos pontos mais famosos para tirar fotos do lugar. Existe um restaurante no topo da falésia para quem deseja fazer uma parada para o almoço, mas ali embaixo nadinha… Só a natureza!

Praia do Camilo Algarve Portugal
A foto clássica não pode faltar, né?

Transporte no Algarve: como montar um roteiro

Uma das melhores maneiras de viajar no Algarve é por meio de comboio – ou, em português brasileiro, de trem. O preço das passagens é barato e o serviço é OK (prepare-se para atrasos recorrentes de poucos minutos). E quando eu digo que o valor das passagens de trem no Algarve é barato, é barato mesmo! Olha só: de Olhão a Fuseta pagamos € 1,45, de Faro a Fuseta € 2,15, e de Faro a Lagos entre € 6 e € 11 (por 1h 45 de viagem). A velocidade dos trens, no entanto, é baixa e por isso a viagem pode ser sim cansativa. Mas, acredite, vale a pena!

Outra maneira muito popular para viajar no Algarve é alugando um carro. Esta era uma das nossas opções, mas mudamos de ideia porque não teríamos tempo hábil para conhecer as praias mais remotas. Mas se você pretende conhecer a famosa Praia da Marinha, definitivamente alugar um carro é uma ótima escolha!

Aeroporto no Algarve: aterrisse em Faro

Se você está se perguntando qual a maneira mais fácil de se chegar em Lagos e nas praias mais bonitas do Algarve, a dica é aterrissar no aeroporto de Faro. Ali, pousam companhias áreas budget friendly como a Ryanair e EasyJet, e outras grandes como TAP, Lufthansa, British Airways e Eurowings. E mais boa notícia: o aeroporto só fica a dez minutos do centro da cidade.

De Sevilha ao Algarve de ônibus

Se você está viajando pela Andaluzia e é que nem eu e sempre está buscando um bom motivo para emendar uma viagem na outra, pode ser uma boa ideia pegar um ônibus em Sevilha com destino a Faro. Você encontrará passagens que custam entre € 10 e € 30 e a viagem dura, em média, 2h30.

Onde se hospedar no Algarve?

A hospedagem no Algarve é relativamente barata – pelo menos fora de julho e agosto, altíssima temporada. Vou contar minha experiência em três cidades distintas e em diferentes tipos de hospedagem (porque sou dessas, hahaha):

Hostel bem localizado em Faro

Aqui foi a primeira vez que visitei o Algarve. Escolhi Faro por conta da proximidade do aeroporto, mas sofri com a distância da cidade e das praias mais bonitas. Por exemplo: inventei de conhecer Albufeira na manhã que tinha um vôo a tarde e quase perdi o vôo, porque o sistema público de transporte não é lá muito eficiente. Me hospedei no Le Penguin Hostel, um hostel super gracinha no centro da cidade com café da manhã incluso. O atendimento poderia ter sido mais simpático, mas a estrutura do lugar era boa, o hostel era limpinho e bem localizado.

Portimão: versão contos de fadas

Na minha segunda vez no Algarve decidi que deveria ficar mais perto das praias mais bonitas. Portimão parecia uma ótima ideia… E foi, em termos. É que ainda assim a viagem de Portimão a Lagos, onde estavam as praias incríveis que eu queria conhecer, era bastante cansativa. Esses comboios cansam, viu?

Quarto do Hotel Made Inn, em Portimão, Algarve, Portugal
Quarto do Hotel Made Inn, em Portimão, Algarve

A boa notícia é que Portimão também tem praias lindas, como a Praia dos Careanos. Melhor: o custo-benefício aqui, se comparado a Lagos, foi extremamente bom. Fiquei em um dos quartos mais legais que já me hospedei na vida. Paguei € 20 no Hotel Made Inn em um quarto inspirado em contos de fadas e café da manhã incluso.

Lagos: hotel pertinho de tudo

Para quem prefere ficar pertinho de onde tudo acontece, Lagos é o lugar! A cidade é recheada de bons restaurantes, cafés, tem uma marina gracinha, vida noturna agitada (é lotada de ingleses à procura de badalação!)… E, claro, paga-se por isso.

Centro histórico de Lagos Algarve Portugal
O centrinho de Lagos, que até parece Minas Gerais

Ficamos no Lalitana, uma guest house bem no centro da cidade. Com apenas seis quartos, a Lita, dona simpática do lugar, toma conta de tudo pessoalmente. O quarto era pequeno e o banheiro compartilhado. O preço? Pagamos € 70 a diária. Um café da manhã bem simples estava incluso, mas a guest house também oferece aulas de yoga, passeios na natureza… Na parte térrea, o Lalitana ainda conta com um restaurante vegetariano que é muito famoso em Lagos. Infelizmente, chegamos na segunda-feira e ele estava fechado. O menu parecia recheado de delícias… Fica para a próxima!

A  melhor época para visitar o Algarve

Sempre visitei o Algarve em junho, que considero uma ótima temporada, porque combina bons preços, clima bom e lugares menos cheios. Nos meses de julho e agosto o Algarve é lotado, os preços sobem e até estender a canga na areia e conquistar um lugarzinho sob o sol fica difícil!

Rimini, um novo lar para chamar de meu!

Fachada de edifício antigo em Rimini, Itália

As notícias da Terra da Bota dão conta de que, sim, eu voltei! Em letras garrafais e com muita emoção! Não, não para` Trento – onde reconheci a cidadania italiana. Minha nova casa é menos montanha e mais mar. Os Alpes viraram passado e agora eu chamo de lar Rimini, esse balneário super charmoso na riviera romagnola. Aliás, se você quer saber quanto custa viver na Itália, dá uma olhada nesse post.

Marina de Rimini, itália
A marina de Rimini é o lugar perfeito para aquele passeio de fim de tarde

Pelos próximos dois anos morarei em Rimini, cidade muito especial para mim por uma única razão: é a terra que meu bisavô abandonou em 1899 para se aventurar no Brasil. Há cerca de trinta anos meu avô visitou a cidade para entrar em contato com os primos que ficaram. Não conseguiu. E agora eu estou aqui com essa maravilhosa missão!

Universidade de Bologna em Rimini

O outro motivo é que há uma semana comecei um master em Fashion Culture and Management na Università di Bologna. Isso significa que vem aí pela frente uma leva de posts sobre estudar fora, declaração de valor e como enfrentar os monstros da burocracia italiana.

Se você pretende fazer uma graduação ou mestrado na Itália, esses artigos poderão ser muito úteis.

Também quero fazer alguns posts sobre o master, que tem matérias interessantes no currículo, como e-commerce e made in Italy – que inclui visitas a escritórios de grandes marcas italianas, tipo Moschino. E, se eu perder a vergonha na cara, quem sabe não rolem também alguns vlogs contando toda essa experiência? Coragem, tem que ter coragem!

O que fazer em Rimini?

Rimini é uma comuna com quase 140 mil habitantes e está localizada na Emilia Romagna – que, por sua vez, possui como capital Bologna, também considerada capital gastronômica da Itália. Já Rimini ficou famosa nos anos 70 por ser um balneário internacional – a cidade fica lo-ta-da de russos no verão.

Praia de Rimini, Itália
O forte de Rimini não são as praias – mas o clima praiano é uma delícia!

O balneário é uma mistura de Ibiza com Santos. Em outras palavras: muitas festas, praias feias e lotadas no verão. Essa cidade arrumadinha e badalada, no entanto, possui outros atrativos além de praias e festas mucho locas, acredite.

Rimini é recheada de pontos interessantes para quem gosta de história. Também possui parques temáticos curiosos, como o Italia in Miniatura, bom para levar as crianças (de idade e coração). Melhor: Rimini está localizada pertinho de San Marino, um dos menores países do mundo, e definitivamente uma experiência para riscar da bucket list.

Vem comigo que eu vou te mostrar o centro storico, cantinho mais especial da cidade e onde estão espalhados os vários campi da Università di Bologna. Assim como outras cidades italianas, provavelmente você ficará encantado com a ideia de passear por um lugar e, de repente, encontrar um muro, prédio ou monumento com mais de dois mil anos de idade.

Principais pontos turísticos de Rimini: Arco de Augusto

É, juntamente com a Ponte de Tibério, meu monumento preferido na cidade. O arco marca a entrada na antiga cidade pela via Flaminia, que ligava Roma a Rimini, já em 27 a.C. Gosto de sentar na sorveteria que tem em frente, tomar um milk shake de cioccolato e ver o tempo passar.

Arco D'Augusto em Rimini, Itália
Arco D’Augusto: não é uma belezinha?

Quanta gente interessante já não passou por ali? E quantas boas histórias devem ter se perdido no tempo! Há mais de dois mil anos o arco resiste a guerras e imperadores.  Tempo é definitivamente um conceito muito estranho e esse arco é a prova disso.

Domus del Chirurgo

Passei diversas vezes por ali até que um dia percebi que a construção de tijolinhos com paredes de vidro guardava uma joia arqueológica. Bem no meio de uma praça está protegida o que um dia foi a casa de um cirurgião no século 2 d.C. Uma vez que o lugar estava bem conservado, foi possível reconstruir o ambiente e transformá-lo em uma espécie de museu.

E por que seria esta a casa de um cirurgião? Bem, no local foram encontrados cerca de 150 instrumentos cirúrgicos. Você ficará encantado com o mosaico do chão da casa do cirurgião e encontrará até uma ossada. A entrada custa 6 euros.

Ponte de Tibério

É impressionante o grau de preservação da Ponte de Tibério encomendada pelo imperador Augusto, em 14 d.C., mas só concluída sete anos depois, em 21 d.C. pelo imperador Tibério.

É também é impressionante que a ponte tenha sobrevivido a terremotos, a guerra entre godos e bizantinos e até uma tentativa de destruição do exército nazi na Segunda Guerra Mundial. Da Ponte de Tibério saíam as estradas romanas para o norte da Itália, via Emilia e via Popilia.

Ponte de Tibério em Rimini, Itália
A Ponte de Tibério é assim… Indestrutível

Anfiteatro romano

Fiquei em êxtase quando descobri que havia um anfiteatro romano na cidade, e logo lembrei do super bem conservado que existe em Verona. No entanto, a versão de Rimini – datada do século 2 d.C. – está em ruínas. Ali aconteciam espetáculos com gladiadores com até 12 mil espectadores.

Infelizmente, hoje o que existe é uma grade que evita que as pessoas entrem no lugar e mais nada. No centro da cidade, também existem as ruínas do teatro romano e o Castel Sismondo. O interessante é ver como a cidade se reinventa e se adequa às ruínas do próprio passado. Sim, eu tenho uma fixação por ruínas!

E não deixe de provar: a piadina romagnola!

Cassone romagnolo em Rimini, Itália
Cassone romagnolo: uma das maravilhas da culinária italiana

E como cada região da Itália possui sua própria gastronomia, em Rimini não poderia ser diferente. Talvez esse valha um post a parte, mas já adianto: se estiver em Rimini, não deixe de provar o cassone e a piadina. Ambos são uma espécie de wrap recheados com mozzarela, prosciutto, speck, omelete ou salada. É uma delícia e serve como um lanche bem levinho.

Piadina del Porto, em Rimini, Itália
Piadina del Porto: um dos melhores lugares para provar piadina e cassone

Minha dica é provar esse prato no La Piadina del Porto. É uma portinha bem simples em frente à marina e com aquela combinação que a gente gosta: bom sabor, preço justo e atendimento simpático.

Como chegar de Bologna a Rimini: shuttle do aeroporto e trem

duas maneiras bem fáceis de chegar a Rimini saindo do aeroporto de Bologna. A primeira e mais prática é por meio do shuttle que sai do aeroporto de Bologna e vai até a estação ferroviária de Rimini (e também pára na Via Fada), bem pertinho do centro. Durante a alta temporada (verão), o shuttle também oferece paradas em diversas praias, como Bellariva, Riccione e Miramare. A dica é comprar a passagem com antecedência online pelo preço de €20 (é possível comprar a passagem com o motorista por €25).

Há ainda a promoção de €1 para horários diferenciados, da saída do primeiro e do último ônibus do trajeto. No entanto, é preciso comprar a passagem com pelo menos quinze dias de antecedência. O trajeto Aeroporto de Bologna- Estação Ferroviária de Rimini dura cerca de uma hora e meia.

Outra maneira de chegar em Rimini é pegando um ônibus do aeroporto de Bologna até a estação de trem (a passagem custa cerca de €6) e, em seguida, pegando um trem em direção a Rimini (a passagem custa a partir de € 9,85). O tempo do trajeto pode variar, mas o mínimo previsto é de duas horas no total.

Conheça San Marino, o pequeno país a menos de 20km de Rimini!
+ Tudo sobre San Marino: história, como chegar e o que você não pode deixar de conhecer