Montenegro: uma road trip por esse minúsculo país dos Balcãs

Baía de Kotor, em Montenegro

Vou começar esse post com uma confissão: Montenegro nunca esteve na minha bucket list. É, a ignorância pode fazer a gente perder oportunidades bonitas do caminho! Lição aprendida. A ideia de visitar o país surgiu quando as restrições por causa do corona vírus começaram a serem aliviadas neste verão de 2020. Decidimos que era hora de viajar para um lugar com praia e aproveitar alguns dias de sol. Então…

Sempre lotada na alta temporada, a Croácia é o tipo de lugar que a gente costuma passar bem longe em nossas viagens. Mas, por causa do Covid-19, as cidades antes dominadas por cruzeiros e turistas do mundo inteiro agora estariam vazias apenas com turistas europeus. Enfim, era a chance perfeita para conhecê-la de uma maneira mais tranquila!

Mas ainda faltava uma pitada de interessância nesse roteiro de verão, sabe? Um lugar que fosse capaz de nos surpreender, de um jeito ou de outro. Olhamos no mapa e lá estava ela, a bela Montenegro – desconhecida (por nós, é claro), convidativa e cheia de história. Por isso, decidimos assim: ficaríamos uma semana em Montenegro e então partiríamos para outra semana na Croácia.

Nossa viagem começa aqui!

Como chegar em Montenegro?

Chegamos em Montenegro em um vôo direto de Stuttgart, na Alemanha, para Podgorica, capital do país balcã. Ali mesmo, alugamos um carro e partimos para explorar a região.

Alugar um carro é a melhor maneira de viajar em Montenegro, já que o transporte deixa a desejar e isso pode dificultar a locomoção entre um lugar e outro. Um bom exemplo dessa dificuldade: aguardamos um bom tempo pelo ônibus que nos levaria do aeroporto de Kotor até a cidade mas, no final, tivemos que pegar carona na estrada.

Adriatic Highway e as sinuosas estradas de Montenegro

As estradas de Montenegro pedem experiência e muita atenção no volante. São sinuosas e, muitas vezes, perigosas. São estradas de montanha, com muitas curvas e geralmente tem pista simples. Às vezes é preciso buzinar nas curvas para evitar uma colisão frontal.

A boa notícia é que Montenegro é um país de dimensões pequenas: tem apenas 13,8 mil km² (ou cerca de duas vezes o tamanho da região metropolitana de São Paulo!). Com as distâncias curtas, fica muito mais fácil viajar pelo país inteiro conhecendo os principais pontos turísticos.

Day trip x viagem longa: qual vale a pena?

Muita gente coloca Montenegro (geralmente, Kotor e Budva) no roteiro de viagem como uma day trip a partir de Dubrovnik, na Croácia. Mas, olha, você vai ver que vale a pena sim uma road trip mais longa pelo país.

Uma semana em Montenegro: o que visitar?

Com montanhas escarpadas, fiordes, praias de areia branquinha e um mar de águas cristalinas, Montenegro é um país de belezas naturais estonteantes. E história também!

Breve história de Montenegro

Os nomes do país, tanto Montenegro (do italiano veneziano) quanto Crna Gora, significam “Montanha Negra”, em referência ao Monte Lovćen, coberto por florestas muito densas, e que funcionou como fortaleza nos séculos de luta com os turcos.

Durante a Idade Média, três principados eslavos estavam localizados onde hoje é Montenegro: Duklja, Travunia e Rascia. Com a luta de poder pela nobreza, os principados foram enfraquecidos e dominados pelo Império Sérvio. O nome Montenegro foi usado pela primeira vez para se referir ao país apenas no final do século 15. Entre 1496 e 1878, o território foi tomado pelo Império Otomano.

Muitas rebeliões aconteceram até que Montenegro reconquistasse sua independência, se tornando primeiro uma teocracia e depois um principado. Em 1910, o território virou um reinado, quando o Império Otomano perdeu a maior parte de suas terras nos Balcãs. Após a Primeira Guerra, Montenegro se tornou parte da Iugoslávia. Com o fim da Iugoslávia, Montenegro e a Sérvia declararam que seriam uma federação. Em 2006, após um referendo, Montenegro declarou sua independência. Os montenegrinos são muito orgulhosos de toda a sua história de luta e o que não faltam são histórias de como eles venceram batalhas contra o Império Otomano!

Focamos nossa viagem na costa do país, mas é importante ressaltar que a parte continental de Montenegro também guarda lugares que valem a pena visitar, como o Monastério de Ostrog e o parque nacional de Durmitor, Patrimônio Natural da Unesco, e onde está Bobotov Kuk, uma das montanhas mais altas do país com 2523 m de altitude.

Lago Skadar e suas montanhas

Saímos de Podgorica e seguimos para Virpazar, pequena vila nas margens do Lago Skadar. Ali, decidimos fazer um passeio de barco pelo lago (25€ o casal + 4€ por pessoa, valor da entrada do parque). O passeio durou cerca de duas horas e pudemos ver pelicanos e até nadar.

Pavlova Strana: uma das paisagens mais famosas de Montenegro
Pavlova Strana: uma das paisagens mais famosas de Montenegro

De lá, seguimos para uma estradinha cheia de curvas com vistas impressionantes para um braço do Lago Skadar, o Pavlova Strana Viewpoint, perto de Rijeka Crnojevica. Do mirador, era possível ter a vista de uma das paisagens mais lindas do país com suas montanhas escarpadas sobre o terreno alagado.

A pequena vila de Virpazar, nas margens do Lago Skadar
A pequena vila de Virpazar, nas margens do Lago Skadar

Em Virpazar, além de passear de barco, tomamos um café-da-manhã/almoço com comidas tipicamente montenegrinas.

Budva, centro histórico medieval e belas praias

No mesmo dia, seguimos para Budva, onde passamos a noite. O centro histórico de Budva é uma graça, com suas casinhas de pedra (dominadas por lojinhas e restaurantes) e as praias de águas cristalinas – mas tomadas por bares com guarda-sol. Budva é famosa por seus clubes e festas e ali, assim como em Hvar na Croácia, atracam iates do mundo todo.

Praia em Budva: um dos poucos cantinhos livres para estender a canga na areia
Praia em Budva: um dos poucos cantinhos livres para estender a canga na areia

Budva é o destino turístico mais popular de Montenegro – mas, na minha opinião, não é nem de longe o mais charmoso. É um balneário muito turístico e perfeito para quem ama festas, apesar de possuir uma história riquíssima.

Um pedacinho da Igreja de Saint Ivan, em Budva
Um pedacinho da Igreja da Santíssima Trindade, em Budva

Budva é uma das cidades mais antigas do mar Adriático: sua história remonta ao século 5 antes de Cristo. No século 2 a.C., Budva foi dominada pelos romanos. Depois, com a queda do Império Romano, Budva fez parte do Império Bizantino. Foi ainda dominada pelo Império Servo, fez parte da República de Veneza e lutou contra os turcos. Enfim, história não falta!

A cidadela de Budva e suas casinhas de pedra
A cidadela de Budva e suas casinhas de pedra

Duas ótimas opções de hospedagem em Budva são o Fontana Hotel & Gastronomy e o Hotel Majestic, localizados pertinho do centro histórico. Outra opção mais em conta e com atendimento familiar (mas um pouco mais afastada do centro) são os Apartment Mikovic – nossa escolha em Budva.

A badalada Sveti Stefan

Partimos de Budva em direção às praias de Ulcinj e no caminho paramos para apreciar a beleza de Sveti Stefan. A apenas 6km de Budva, Sveti Stefan é uma ilhota com uma vila de pescadores fortificada datada do século 15 transformada em hotel de luxo, com spa e restaurantes. Entre as propriedades do hotel também está a Villa Milocer, datada do século 19, em terra firme.

A luxuosa Sveti Stefan até parece uma pintura!
A luxuosa Sveti Stefan até parece uma pintura!

Se sua intenção é passar o dia em Sveti Stefan mas sem se hospedar por lá, vale a pena fazer uma reserva em um dos restaurantes do lugar para conhecer as estruturas históricas.

Kitesurfer? Seu lugar é em Ulcinj!

Ulcinj é uma cidade bem ao sul de Montenegro, pertinho da fronteira com a Albânia. O lugar é famoso por causa de Velika plaža, uma praia de areias branquinhas com 12 quilômetros de extensão e considerada o melhor destino para kitesurf dos Balcãs.

Ulcinj: um pouquinho dos 12km de areias branquinhas da famosa praia
Ulcinj: um pouquinho dos 12km de areias branquinhas da famosa praia

Por lá, kitersurfers do mundo inteiro aproveitam os ventos fortes para aprender e treinar o esporte – e foi exatamente isso que o meu namorado foi fazer ali! Enquanto isso, eu aproveitava a vasta estrutura de bares e restaurantes a beira-mar para trabalhar com meu laptop. Wi-fi, a deliciosa salada sopska e uma limonada, o que a gente pode querer mais da vida?

A cidade antiga de Ulcinj

Apesar de famosa por sua praia, Ulcinj não se resume a isso. Ulcinj é a cidade mais antiga de Montenegro e, claro, também abriga uma cidade antiga, que aguarda o reconhecimento como Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Vista da cidade antiga de Ulcinj
Vista da cidade antiga de Ulcinj

A cidade fortificada data da Idade Média, mas os muros de Cíclope indicam que as primeiras ocupações aconteceram entre os séculos 4 e 5 a.C. E como não poderia deixar de ser, os venezianos também passaram por ali. Entre os anos 1421 e 1571, eles dominaram a cidade e construíram rampas, portões e a torre. A cidadela ganhou palácios, igrejas e praças góticas e renascentistas. Sob o domínio turco, Ulcinj também se transformou, e essas referências orientais aparecem em construções de pedras cortas e quebradas.

Lendas e mistérios

Diz a lenda que Miguel de Cervantes foi preso e escravizado em Ulcinj. Se isso é verdade, ninguém sabe. A lenda se baseia no fato de que Dulcineia, o amor de Dom Quixote era de… Ulcinj!

Onde comer em Ulcinj?

Frutos do mar e vinho branco – o que a gente pode querer mais da vida?

A verdade é que assistir o pôr-do-sol em um dos restaurantes de Ulcinj Stari Grad (“Stari Grad” é o termo montenegrino para cidade antiga) é uma das melhores coisas que você pode fazer! E uma das mais românticas também. Jantamos no restaurante Antígona, com vista para o penhasco à beira-mar. Optamos por um menu variado com frutos do mar e vinho branco da casa. O atendimento também foi super especial. Uma delícia!

A hedonista Ada Bojana

Outro dia, jantamos em um restaurante nas proximidades da Ilha Bojana (ou Ada Bojana, em montenegrino), bem na fronteira com a Albânia, no delta de um rio.

Pôr-do-sol em Ada Bojana e seus restaurantes em palafitas
Pôr-do-sol em Ada Bojana e seus restaurantes em palafitas

Ali, há uma variedade extensa de restaurantes em casinhas palafitadas na beira-rio. Nosso escolhido foi o restaurante Misko, o primeiro e mais antigo restaurante de Ada Bojana. O lugar é um salão fechado com vista para o rio. E, apesar de o serviço ser um pouco demorado, os frutos do mar eram uma delícia. Nossa escolha: lulas grelhadas e risoto negro com frutos do mar.

O pôr-do-sol em Ada Bojana também é uma coisa de lindo! Importantíssimo: não se esqueça de levar repelentes. Para quem é mais livre, em Ada Bojana existe um resort naturista, de frente para a praia de areias branquinhas. O paraíso para quem quer relaxar e viver a vida offline.

Onde se hospedar em Ulcinj

Passamos quatro noites hospedados em Ulcinj, uma vez que meu namorado queria praticar kitesurf. Optamos por uma cabana do Holiday Park Olive Tree, uma propriedade relativamente isolada (para chegar à cidade é preciso passar por estradas de terra), com oliveiras e algumas cabanas de madeira. O dono do lugar nos contou que a propriedade está com a família dele há cerca de 400 anos! Enfim, é o ambiente perfeito para quem busca férias tranquilas e longe do burburinho.

Stari Bar: uma cidade antiga abalada por terremoto

Diferentemente de Kotor e Budva, a cidade antiga de Bar (chamada Stari Bar pelos montenegrinos) não está localizada na costa. Por uma simples razão: quando localizada na costa, a cidade era constantemente atacada por piratas. A solução foi então construí-la em uma parte alta, a cerca de 5 km da praia. Hoje, a vila medieval se encontra em ruínas, mas definitivamente vale a pena a visita. Metade de um dia é o suficiente para conhecer o lugar.

Em Stari Bar: um dos poucos aquadutos que ainda existe em Montenegro
Em Stari Bar: um dos poucos aquedutos que ainda existe em Montenegro

Antivari (como a cidade é chamada em italiano) era parte do Império Bizantino e também já foi anexada pela República de Veneza, até ser tomada pelo Império Otomano, em 1571. Entre 1876 e 1878, a cidade foi destruída na Guerra Montenegrina-Otomana. Em 1878, os montenegrinos detonaram 225kg de explosivo para destruir o aqueduto, cortando o fornecimento de água do lugar e fazendo com que os oponentes, ali encurralados, se rendessem. Por ter sido dominada por diferentes povos, é possível encontrar nas ruínas os restos de edificações de diferentes tipos arquitetônicos.

Pequenas preciosidades: os mosaicos da cidade antiga de Bar
Pequenas preciosidades: os mosaicos da cidade antiga de Bar

Cem anos depois, em 1979, o forte terremoto que atingiu Montenegro destruiu novamente o aqueduto que abastecia Stari Bar. Então, a população abandonou a cidade antiga para se instalar na costa e nas proximidades do porto. Mas com a reconstrução do aqueduto, a região passou a ser novamente ocupada.

Old Bar: o que restou de uma cidade medieval depois de terremotos e guerras
Old Bar: o que restou de uma cidade medieval depois de terremotos e guerras

Agora, na cidade baixa (conhecida como Podgrad), localizada na base da fortaleza, há uma série de pousadas, lojinhas de souvenir e restaurantes super charmosos – mesmo! É uma de-lí-cia ficar ali!

Nós almoçamos no Konoba Bedem, um restaurante casual com decoração colorida e ambiente descontraído. Além das delícias gastronômicas de Montenegro, ali também bebemos o típico suco de romã da região (mas o lugar oferece também cerveja e vinho de romã). As lojinhas da rua também vendem xaropes de romã, mel, vinho e azeite da região.

Nas proximidades de Bar também está a Stara maslina, uma das oliveiras mais antigas do mundo. Dizem que a árvore de dez metros de circunferência tem mais de 2 mil anos de idade – e é considerada uma das 3 oliveiras mais antigas do mundo! Ali, famílias que brigavam costumavam fazer acordos de paz. A Stara maslina está localizada em um parque, cuja a entrada custa 1 euro, a cerca de 5km de Bar. Enfim, essa é uma daquelas paradas típicas de road trip que valem para matar a curiosidade!

A majestosa Kotor

Kotor (ou Cattaro, em italiano) foi nossa última parada em Montenegro e também o meu lugar preferido no país. Eu amei tanto Kotor que acho que a cidade merece um post especial! A razão? Bem, Kotor é (mais?) uma cidade fortificada na costa dos Balcãs (assim como as já citadas Budva, Ulcinj e Bar, e também outras como Dubrovnik e Korcula, na Croácia).

Os fiordes da Baía de Boka, onde está Kotor

Bem, cada cidade fortificada é dona de uma beleza ímpar, e a beleza de Kotor mora na localização privilegiada: Kotor está na Baía de Boka, uma baía com fiordes. Sim, FIORDES! Os fiordes mais setentrionais da Europa, aliás.

A maneira como as montanhas escarpadas crescem sobre o mar de águas cristalinas e as construções mediterrâneas (com um toque veneziano) dão uma beleza quase que sobrenatural para o lugar. Palmeiras, flores, veleiros… Uma beleza idílica. A cidade ainda conta com uma cidade medieval muito bem preservada e que também é Patrimônio da Unesco.

Dali, seguimos para a Croácia e, no caminho, vivemos uma odisséia. Por causa do COVID, as fronteiras terrestres entre os dois países estavam fechadas. Táxis e ônibus saindo de Montenegro não podiam entrar na União Europeia. Tivemos que atravessar os quase 3km fronteira a pé, subindo o morro, com malas, em uma pista sem acostamento e no calor de 35 graus. Mas isso é assunto para a mesa de bar! haha

Informações úteis sobre Montenegro

Capital: Podgorica
Língua: Montenegrino, uma língua bem parecida com o croata e o sérvio.
Moeda: Euro (apesar de Montenegro – ainda – não fazer parte da União Europeia!).
Clima/Quando Visitar: Julho e Agosto são os meses de alta temporada, quando o clima está seco e muito quente (e os preços estão lá no alto!). Nós viajamos em Agosto e confesso que entre 12h e 15h era muito difícil fazer qualquer atividade ao ar livre por causa do calor extremo. Maio, Junho, Setembro e Outubro são meses em que as temperaturas estão mais amenas e ainda é possível nadar, mas alguns bares e restaurantes podem estar fechados. O inverno, entre Novembro e Abril, é a temporada perfeita para quem ama esquiar!
Visto para brasileiros: Dispensa de visto, por até 90 dias.

24 horas em Xangai: o que ver, fazer e provar na futurista cidade chinesa

O que fazer em Xangai - cidade aquática Zhujiajiao 8

Uma das belezas de viajar é se aventurar fora da nossa zona de conforto. Acredite, aterrissar em Xangai é como sair da bolha e ser transferido diretamente para o futuro!  Não sabe o que fazer em Xangai? Esse post vai te ajudar nessa tarefa.

Mais moderna do que qualquer cidade europeia, Xangai ainda guarda cantinhos intocados e que respiram a tradição milenar chinesa. Essa combinação de tradicional e futuro é, definitivamente, uma das maravilhas de Xangai.  Um dia na cidade não é suficiente, mas se tudo der certo você sairá de lá apaixonada e já querendo voltar!

O que fazer em Xangai em um dia

Xangai foi nosso stopover na viagem com destino à Tailândia e Laos. Passaríamos o dia na cidade, mas é bom ressaltar que a imigração pode ser (e foi!) um pouco demorada.

Chegamos de manhã em Xangai e o nosso voo para Bangkok (ei, mais sobre os melhores lugares para comer em Bangkok aqui) só sairia de madrugada. Ou seja: tínhamos a um dia inteiro para explorar o melhor que a cidade poderia oferecer. Nosso roteiro foi apertado e cansativo, mas valeu a pena!

Maglev, o trem-bala magnético: 430km/hora

Na lista de o que fazer em Xangai, a experiência começa no trem saindo do aeroporto rumo ao centro. O Maglev é um trem que liga Longyang Road em Pudong até o Aeroporto Internacional de Pudong.

O que fazer em Xangai - trem bala Maglev
Trem Maglev: o trem-bala magnético de Xangai

A diferença entre o Maglev e os trens comuns é bem simples: o Maglev é o único trem de levitação magnética que faz rota comercial no mundo. Ele atinge até 430km/hora e faz um percurso de 30km em apenas sete minutos.

Senti um pouco de náusea ao tentar observar as paisagens pela janela, mas a experiência definitivamente vale a pena.

Preço trem Maglev:
Passagem simples: 50 yuanes.
Ida e volta: 80 yuanes.

Cidades aquáticas: a beleza milenar de Zhujiajiao

Decidimos deixar o centro da badalada Xangai para conhecermos depois (as luzes da cidade à noite são de tirar o fôlego!) e partimos em direção a Zhujiajiao, uma cidade aquática com 1700 anos de história.

O que fazer em Xangai - cidade aquática Zhujiajiao 8
Zhujiajiao: um pedacinho intocado pela modernidade

O lugar é famoso por suas pontes: são 36 diferentes construções feitas de madeira, pedra ou mármore.

O que fazer em Xangai - cidade aquática Zhujiajiao 3 Aquela foto clássica. <3

O que fazer em Xangai - cidade aquática Zhujiajiao
A beleza que é Zhujiajiao

Ali passamos a tarde explorando as ruelinhas da cidade e experimentando os curiosos pratos dos restaurantes locais.

Visite um templo budista

Voltamos de metrô e seguimos antes do entardecer para o centro. Escolhemos visitar o templo Jing’an, um dos mais famosos de Xangai e onde está uma das maiores estátuas do Buda de jade na China, o Buddha Sakyamuni.

O que fazer em Xangai - templo Jing'an Templo Jing’an: impressionantement

Em português, o nome significa “Templo da Paz e Tranquilidade” e, na realidade, o templo é isso mesmo: localizado na West Nanjing Road e rodeado de prédios espelhados, o templo budista é um oásis no meio da agitação.

O que fazer em Xangai - templo Jing'an Templo Jing’an e a fumaça de incensos

O que fazer em Xangai - templo Jing'An
Um resumo da China.

O templo tem uma história de mais de 780 anos, e já foi realocado, transformado uma fábrica de plásticos durante a Revolução Cultural e destruído por um incêndio em 1972. História não falta por aqui!

Explore a Nanjing Road

Najing Road é o espelho da modernidade da cidade. É a rua dos grandes shoppings e lojas da Xangai. Mas não só,  Najing Road ainda é casa do templo Jing’an, do Museu de Xangai (The Shanghai Museum), Shanghai Art Gallery, People’s Square e Shanghai Urban Planning Exhibition Hall.

O que fazer na China - comer muitos dumplings
Comer dumplings em Xangai? Checked!
O que fazer em Xangai - gastronomia 2
Dumplings, amor em forma de comida.

Ali, aproveitamos para ter um momento de pausa em um restaurante de dumplings (a hora certa de comer é pela manhã, mas…).

Conheça o Yu Garden

Em qualquer lista de o que fazer em Xangai sempre aparecerá o Yu Garden. Um dos mais tradicionais jardins da cidade, o Jardim Yu foi construído durante a Dinastia Ming (1368-1644).

Yu Garden - O que fazer em Xangai Yu Garden: à noite as luzes são lindas!

Yu Garden - O que fazer em Xangai As luzes de Xangai. Como não amar?

O jardim é uma beleza que só e, durante a noite, as luzes deixam o lugar ainda mais bonito. No Yu Garden você encontrará lojinhas de souvenir, stands de comida e construções típicas, como o Sansui Hall, usado para entreter os convidados do imperador.

A vista do rio Huangpu

O que fazer em Xangai - Huangpu
De tirar o fôlego.

Do Yu Garden seguimos para as margens do rio Huangpu, onde a vista mais famosa de Xangai (o maravilhoso skyline!) é fotografada. A beleza das cores dos arranha-céus fechou com chave de ouro o dia na cidade e deixou um gostinho de quero mais.

Melhor: o trem Maglev nos levou de volta para o aeroporto em apenas sete minutos.

Dica:
Tem viagem marcada para Xangai, na China? Encontre aqui uma lista dos melhores hotéis de Xangai. Há opções para todos os gostos e bolsos!

Quer salvar esse post para ler depois? Pine a imagem abaixo no Pinterest!

Bike tour em Liubliana: explorando os highlights da capital da Eslovênia

Centro de Liubliana, na Eslovênia

Liubliana é pequenina e acolhedora. Também é hospitaleira e sabe receber o turista com tanta gentileza que parece colo de mãe. A viagem, que foi uma continuação da visita ao Big Berry, no sul do país, fechou com chave de ouro e só me fez ficar ainda mais apaixonada pela Eslovênia!

Liubliana - Centro Histórico
Centro de Liubliana e suas casinhas em tons pastel

O centrinho de Liubliana é super charmoso com suas casinhas em tons pastel, mas não pára por aí… Tudo fica ainda mais encantador porque ali não circulam carros – apenas pedestres, bicicletas e carrinhos de golfe, em um serviço gratuito oferecido pela prefeitura. A Eslovênia não ganhou fama de Green Slovenia por acaso, né? Por isso, uma das melhores maneiras para explorar a cidade – que é bike friendly – é em um passeio de bicicleta, claro!

Postais de Liubliana
Postais de Liubliana

Liubliana de bike, a melhor opção

Um passeio de bicicleta pelo centro de Liubliana é uma ótima opção para conhecer o que a cidade tem de melhor. E isso é tão verdade que o órgão de turismo da cidade oferece tours guiados pelos principais pontos turísticos de Liubliana. Em apenas um dia é possível conhecer os principais pontos turísticos da cidade e ainda ficar com gostinho de quero mais. Um tour de bike também é uma ótima maneira de aproveitar um belo dia enquanto conhece os principais parques e centros culturais.

Tour de bicicleta e os principais pontos turísticos

O tour de bicicleta em Liubliana tem duração de três horas, é oferecido em inglês ou esloveno e inclui guia profissional, aluguel da bicicleta, capacete e um lanchinho com doces tradicionais eslovenos.

Liubliana_ Dragon Bridge
A famosa Dragon Bridge de Liubliana

O tour de bicicleta em Eslovênia começa no centro histórico e segue para a periferia da cidade. Tudo começa com a lenda que tornou Liubliana The Dragon City.  Não é exagero… Em Liubliana, você verá dragões por todas as partes! Nas placas dos carros, na bandeira da cidade, em vários escudos espalhados pelas lojas e, claro, na Ponte do Dragão.

Dragão, a lenda-símbolo de Liubliana

Bem, diz a lenda que a história de Liubliana começou com Jason e os Argonautas. Essa turma com nome de banda de pop rock foi responsável por fundar a capital do país!

Jason era um herói grego que roubou o Velocino de Ouro do rei do Mar Negro. Após o furto, Jason fugiu em uma nau chamada Argo até a foz do rio Danúbio. Juntamente com os argonautas, Jason chegou ao rio Ljubljanica. Como era inverno, decidiram acampar perto da nascente do rio Ljubljanica. Ali perto, encontraram um grande lago e um pântano onde vivia um dragão. Jason heroicamente lutou contra o monstro até matá-lo. E é por isso que Jason é considerado o primeiro cidadão de Liubliana.

A famosa Ponte Tripla

Liubliana_ Jakov Brdar
Uma das obras de Jakov Brdar no centro de Liubliana

No centro de Liubliana conhecemos a história da cidade, a famosa Ponte Tripla e vimos de pertinho a perturbadora obra do artista plástico Jakov Brdar.

Jardim Botânico, Tivoli Park e bairro de Krakovo: verde por toda parte!

Depois, pedalamos pertinho do rio Ljubljanica (onde vimos nutrias nadando sem timidez alguma) e seguimos para o charmoso Ljubljana Botanic Garden. Lá, ganhamos nossa cestinha de guloseimas com doces tradicionais eslovenos. Comemos por ali mesmo, porque garoava lá fora (mas a intenção era um pique-nique no parque Tivoli).

Liubliana - Jardim Botanico
Jardim Botânico de Liubliana: charmoso e cheio de cactos!

Metelkova mesto: Liubliana respira arte de rua!

Conhecemos as hortas do bairro de Krakovo – onde os moradores ainda mantém aquele ar de roça enquanto ainda cultivam os próprios vegetais no quintal, em casas localizadas bem no centro da cidade (Green Ljubljana again, babe!).

O Parque Tivoli e sua exposição permanente nos encantou sim, mas foi Metelkova mesto, um centro de cultura alternativa, que me surpreendeu de verdade! O nosso tour terminou ali, cheio de arte, cores e graffitti. Inspiração para dar e vender!

Metelkova mesto: o centro cultural alternativo em Liubliana
Metelkova mesto: o centro cultural alternativo em Liubliana

A área repleta de grafitti recebe exposições de arte, exibições e festas onde se apresentam DJs do mundo todo. Tudo começou quando em 1993 um grupo de artistas ocupou o antigo complexo do exército austro-húngaro (construído no final do século 19) para evitar que ele fosse derrubado. Metelkova mesto então se encheu de vida e cor e vive até hoje como um centro de arte alternativo.

Liubliana_ Metelkova mesto

E o que faltou conhecer no tour?

Infelizmente o castelo de Liubliana ficou para depois – mas esse é só mais um motivo para voltar a Liubliana, né?  Localizado no topo de uma montanha, bem no centro da cidade, o castelo medieval é o edifício mais marcante do skyline de Liubliana.

Como fazer a reserva do tour de bicicleta?

O tour de bicicleta em Liubliana é sazonal. Ou seja, só é oferecido de abril a setembro, por causa da temperatura (ninguém quer andar de bicicleta no frio, né?).  A reserva pode ser feita online no site da secretaria de turismo de Liubliana.

Como chegar em Liubliana

Liubliana é facilmente acessada por avião, trem ou ônibus. Por exemplo, há ônibus direto para Bologna, na Itália, ou Munique, na Alemanha. O aeroporto de Liubliana recebe vôos de Bruxelas, Munique, Istambul, Londres, Vienna e por aí vai. Acredite, chegar em Liubliana não será um problema!

Liubliana no Outono
Assim é Liubliana no Outono: toda amarela!

Onde se hospedar

Fiquei hospedada no Hotel Park – Urban & Green, um hotel três estrelas super bem localizado, a 700 metros do centro histórico e com um café-da-manhã delicioso. Um ótimo custo-benefício – afinal, você irá perceber que os preços em Liubliana não são tão amigos assim, viu?

Onde comer em Liubliana

Para ter uma experiência gastronômica autêntica eslovena é preciso mergulhar nas tradições. Há muitas opções de restaurantes nas margens do rio Liublianica, porém geralmente são mais caros e menos tradicionais – enfim, super turísticos. Mas nem tudo está perdido! Há algumas pérolas escondidas no centro histórico.

Frutos do mar e vinho

Vino e Ribe - Liubliana - Onde comer
Vino e Ribe, em Liubliana: frutos do mar acompanhados de vinho esloveno

Ok, frutos do mar não são bem a especialidade eslovena. Mas os vinhos são! No Vino & Ribe pratos com lulas, sardinhas, camarões, polvo e diferentes de peixes são bem servidos com vinhos típicos eslovenos: Malvasia e Refosco. Quer mais? A taça é super barata: apenas € 1,80!

Comida tradicional eslovena

Um achado é o Druga violina, localizado no centro histórico, com comida autêntica eslovena, em um ambiente aconchegante e preços amigos. O destaque fica para o idrijski žlikrofi, um tipo de dumpling recheado com batata que é uma delícia. A proposta do Druga violina também é interessante: o restaurante emprega pessoas com necessidades especiais e, por isso mesmo, o atendimento é mega atencioso. Vale incluir o restaurante no roteiro, viu?

Para apaixonados por café

Para quem não vive sem café (que nem eu!), o Cafetino é um oásis! O pequeno e aconchegante café oferece uma carta gigantesca com tipos de café do mundo inteiro. Tem brasileiro? Claro que tem! Mas tem também café indiano, do Iemên, de Java, Galápagos e os clássicos peruanos, colombianos e guatemalteco.

Hamburguer vegano? Tem também!

Se você é vegano, o Organic Garden é o seu lugar! A pequena lanchonete oferece algumas boas opções de hambúrgueres veganos com pão colorido (esse tipo de lanchonete virou febre na Europa!). Experimentei o Yellow Burger e o Black Burger e ambos são delicioso.

Organic Garden - Liubliana - Onde comer
Organic Garden: o melhor hambúrguer vegano de Liubliana

Um jantar com vista

Para um jantar romântico ou simples café com uma vistá incrível, siga até o Skyscraper – Nebotičnik, restaurante, bar e café com uma das melhores vistas do skyline de Liubliana, com vista para o castelo.

[wc_box color=”secondary” text_align=”left” margin_top=”” margin_bottom=”” class=””]
Informações úteis sobre Liubliana:

Localização: Liubliana está localizada no centro da Eslovênia, país que faz fronteira com a Áustria, Croácia, Itália e Hungria.
Moeda: Euro (EUR)
Idioma: Esloveno
Melhores meses para viajar: De maio a setembro, quando os dias são longos, as temperaturas são amenas e é possível fazer passeios a pé na cidade, sem congelar por causa do frio! [/wc_box]

[wc_box color=”secondary” text_align=”left” margin_top=”” margin_bottom=”” class=””]

Dicas extras!

Está pensando em reservar um hotel em Liubliana? Eu uso o Booking para garimpar boas ofertas e ler resenhas de quem já viveu a experiência. Lá, você encontrará uma boa seleção de hotéis, hostéis, chalés, guest houses e pousadas para todos os tipos de bolso e um ranking feito por usuários com o melhor custo-benefício. De quebra, você ainda ajuda o blog a crescer sem pagar nada a mais por isso. É um win-win! 

[/wc_box]

Postais de San Marino: uma joia no coração da Itália

Vista do castelo de San Marino no outono

Imagine um país pequenininho encrustrado na Itália e bem próximo à costa do Mar Adriático. Esse país tem um castelo no alto de um penhasco e uma cidadezinha medieval charmosa com ruelas e becos de pedra. De lá do alto, dá para ver o mar no horizonte e as pequenas cidades que o rodeiam. Parece um sonho, né? Mas essa joia existe, tem nome e sobrenome: San Marino!

A menos de uma hora de Rimini, San Marino é o estado nacional mais antigo do mundo. San Marino é o nome do país, com apenas 61 km², e o nome da capital também – o foco desse post, aliás é a cidade. A cidade de San Marino também é aquele tipo de lugar tão charmoso que a gente coloca na bucket list só para poder se encantar um pouco. Mais: em apenas um dia você conhecerá o principais pontos turísticos da cidade!

Vista de San Marino

Breve história de San Marino

San Marino surgiu em 301, quando o cristão Marinus se refugiou no Monte Titano para escapar de perseguições. Os anos passaram, a comunidade que ali vivia cresceu e San Marino ganhou estatutos em 1600, considerados a mais antiga constituição do mundo. Hoje em dia, San Marino é dona de uma das rendas per capita mais altas da Europa. San Marino e o Monte Titano foram declarados Patrimônio da Humanidade pela Unesco em 2008.

As casinhas de San Marino

Viela de San Marino

Onde fica San Marino?

San Marino está localizada a menos de 10km da Riviera Romagnola. Por isso, é o passeio perfeito para quem está passando o verão nas praias de Rimini ou Riccione. Também vale uma visita se você está em Bologna, conhecendo as delícias da gastronomia da região.

San Marino no outono

San Marino: o que fazer no pequenino país?

O passeio por San Marino consiste basicamente em explorar as ruelas da cidade medieval no alto do Monte Titano. A 700 metros de altura, dá para ver o mar lá do alto!

Ruela San Marino

Vista – Uma das coisas mais incríveis de San Marino é a vista. Há um mirante, mas a vista mais impressionante e bonita de verdade é aquela com o castelo na beira do penhasco. Por isso, não deixe de caminhar entre as torres em busca do melhor ponto para a fotografia perfeita.

As Três Torres – Guaita, Cesta e a Torre del Montale são os principais pontos turísticos da cidade de San Marino.

A Primeira Torre (Rocca Guaita) foi construída na metade do século XV e é onde  as pessoas costumavam se abrigar durante os cercos. Alguns quartos foram usados como prisão até outubro de 1970.

Castelo de San Marino no Outono
Castelo de San Marino no Outono

O trecho que leva a Primeira Torre a Segunda Torre é  o mais charmoso (como a foto aí em cima mostra)! O trecho de muralhas pertence aos restos da segunda muralha da cidade construída no século XIII. A cidade de San Marino foi fortificada por três muros da cidade construídos em três períodos diferentes e que, infelizmente, foram demolidos para permitir que a cidade se expandisse.

A Segunda Torre está localizada no segundo pico do Monte Titano, o mais alto, a 756 metros de altura. Ali também está o Castelo do Cesta, também chamado Fratta. Construída no final do século XI, a Segunda Torre era a sede da guarita e também abrigava algumas celas de prisão. Ali hoje está o Museu de Armas, com mais de 500 objetos de diferentes períodos, entre a Idade Média e o final do século XIX. Ingresso: 3 € (cada torre) ou 4,50 € (para visitar a Primeira e a Segunda Torre).

A Terceira Torre foi construída no século XIII e tem a melhor posição para os vigias que protegiam o lugar.

Basilica del Santo – Construída em 1826, a basílica com estilo neoclássico é um edifício grandioso que chama a atenção entre as ruelas apertadinhas da cidade. Ali está guardada uma urna com os restos mortais de San Marino.

E, sim, compras! San Marino é uma zona tax free. Por isso, não se assuste com a quantidade de lojinhas vendendo perfumes, maquiagens, óculos e itens de couro. É uma ótima oportunidade para economizar alguns euros naquele item que você está sonhando há tempos.

San Marino: quando ir?

A melhor época para ir a San Marino é na primavera. No verão, as ruelas são lotadas de turistas. No outono, o lugar fica incrivelmente lindo com as folhas alaranjadas, porém venta demais. No inverno, diversas passagens (como o trecho que liga uma torre a outra) são fechados por causa da neve.

Vista castelo San Marino
Vista castelo San Marino

Como ir de Rimini ou Bologna a San Marino

Bologna – San Marino:
A maneira mais fácil para ir de Bologna a San Marino é por meio do shuttle que sai do aeroporto de Bologna. O trajeto custa 20 € ou 25 € comprando o bilhete com o motorista. Outra maneira mais trabalhosa (e demorada!) é indo de Bologna a Rimini de trem e depois pegar o ônibus que liga Rimini a San Marino.

Rimini – San Marino:
A melhor maneira de ir de Rimini a San Marino é por meio do ônibus que sai na frente da estação ferroviária de Rimini. O ponto está localizado próximo ao Burger King. O bilhete custa 5 € o trecho. Para encontrar o melhor horário, acesse aqui.  Atenção: verifique os horários de acordo com a estação do ano. Há diferentes horários para o verão (“corse estive”) e inverno (“corse invernale”).

E que tal conhecer Rimini, cidade com as praias mais badaladas na Itália?
+ Rimini: 5 coisas que você deve fazer na sua próxima viagem

Cidade do Cabo para visitar e se encantar!

O mundo girou, o tempo passou e o blog, que ficou parado nas últimas três semanas, está de volta! A road trip pela África do Sul, que começou na Cidade do Cabo, encheu meu novembro de cor e o que era para ser um ano novo incrível virou realidade só agora… Quase um ano depois!

É que no ano passado, enquanto planejava a viagem, desisti por causa dos altos preços das passagens (perto da virada, os valores ultrapassavam R$ 3 mil! ought) e porque é complicado ser mulher e viajar sozinha pelo país por dois motivos simples: falta de transporte público e altas taxas de violência – é, a África do Sul é um dos países com maior índice de estupro do mundo! É uma sociedade violenta e machista, como a nossa. Mas, calma, apesar de ter feito uma viagem de carro com o namorado, descobri que dá sim para viajar sozinha com segurança por lá! E, juro, você vai se apaixonar. Então, chega mais!


carro: o melhor jeito de viajar pela África do sul!

Goeie dag… Cidade do Cabo!

Não se engane, Cidade do Cabo é um pedacinho especial da África muito diferente de outras grandes cidades do continente! Quando o avião aterrissou, eu estava preparada para encontrar pobreza, trânsito caótico e já tinha aquela sensação de insegurança que a gente bem conhece no Brasil. Mas a coisa não funciona bem assim por lá… Pelo menos não na Cidade do Cabo.

Por causa da colonização holandesa e inglesa, a cidade tem muito da arquitetura europeia. Também é organizada, limpa, moderna e com relativa boa infra-estrutura (exclua transporte dessa lista!). Mas isso também se deve ao apartheid, regime político que tirou, entre muitos direitos, a possibilidade de os pobres morarem no centro e dividiu a sociedade em brancos e não brancos.

Quando você fizer o caminho aeroporto-centro da Cidade do Cabo, irá perceber que a parte pobre e negra da sociedade vive na periferia em construções bem parecidas com as favelas brasileiras. E onde tem pobreza e desigualdade, já sabe: tem violência.

Bo-Kaap
Bo-Kaap, um bairro para quem ama cores

A cidade turística que todo mundo vê é a cidade dos europeus e seus descendentes, mas na Cidade do Cabo também formaram-se guetos interessantes. É o caso do bairro muçulmano Bo-Kaap: mega colorido, mega fotografado em editoriais de moda e, sim, com um restaurante mega bom (+ preço justo): o Biesmiellah. Lá, não deixe de provar o bobotie, prato típico sul-africano com carne moída, temperos doces, arroz e ovo. Para acompanhar, peça o mango lassi que é uma coisa de bom. Delícia!

Transporte público: que falta faz um ônibus!

Enquanto viaja pelo país, também é comum encontrar gente pedindo carona e acenando dinheiro nas margens das rodovias. Os guias de viagem dizem que é perigoso oferecer carona e, por isso, decidimos não arriscar. Aí mora outro aspecto da desigualdade: o direito de ir e vir só existe para quem tem carro – o que não é a realidade da maior parte da população. Os ônibus são escassos e os trens perigosos. Por isso, caso vá visitar a África do Sul, o ideal é alugar um carro.

É mochileira e pretende viajar sozinha na África do Sul? O jeito mais seguro de fazer isso é reservando roteiros no Baz Bus, uma rede de ônibus criada para mochileiros, que inclui viagens entre cidades e até safáris. Aliás, todos os mochileiros que conhecemos nos hostels da vida usavam o serviço!

A famosa Montanha da Mesa

Além de Bo-Kaap, o bairro muçulmano mega colorido, a Cidade do Cabo conta ainda com uma geografia de tirar o fôlego (e que rende, inclusive, muitas comparações com o Rio de Janeiro!): a Table Mountain é o principal cartão-postal da cidade.


lá do alto da Table Mountain

Fizemos a trilha de subida da montanha que durou cerca de três horas e NOSSA quase morri, mas queimei muitas calorias. A vista lá do alto é imperdível e a dica é visitar a montanha assim que você tiver o primeiro dia de sol sem nuvens na cidade. Mas, é, a vista com nuvens também rende boas fotos. hahaha Para os preguiçosos, fora de forma ou quem prefere deixar a aventura para lá, há o bondinho que leva até o topo e traz de volta. Ufa!

mareli
#girlpower no alto da montanha

Fizemos a trilha da Table Mountain pela manhã e precisávamos de um passeio mais relax para o final da tarde. Solução: tomar uma cider de buenas no Victoria & Alfred Waterfront. É aí, nesse porto, que você terá certeza de que a África do Sul não é nada do que imaginava! O Waterfront é um lugar surrealmente norte-americano.


eu não sei vocês, mas eu fiquei bem impressionada com Victoria & Alfred Waterfront

É de Victoria & Alfred Waterfront, aliás, que saem os barcos para Robben Island, prisão onde Nelson Mandela ficou preso por 27 anos e que é um marco na história sul-africana. Para visitar a ilha é preciso reservar antecipadamente aqui. Infelizmente não conhecemos o lugar, porque deixamos para decidir de última hora e, claro, nos enrolamos. Então, dica: pelo menos essa visita, não deixe para decidir lá.


o melhor café da manhã da cidade fica na New Brighton Bakery, juro

As vinícolas de Stellenbosch e o lado gourmet da Cidade do Cabo

Ah, a rota dos vinhos! wine estates: fazendas produtoras de vinho que oferecem serviços de degustação da bebida – e que podem incluir queijos. Lendo assim, tudo parece gourmet demais. Mas não é! É sim uma experiência deliciosa.


nem vinho, nem queijo: outras perdições dos wine estates

Visitamos Fair View, um dos wine estates mais comerciais da região. Acredite: pagamos um euro para experimentar sete vinhos e por mais um euro era possível provar queijos à vontade! Então separe um ou dois dias para aproveitar as vinícolas, que também contam com restaurantes, e deguste a vida beeem devagarzinho.

Bathhouses Muzeinberg
as famosas casas de banho de Muzeinberg

Exuberante por natureza: Boulders Beach e Cape Point

Nem só de Table Mountain vive a fama da região. Por lá, também é possível se aventurar em uma infinidade de passeios em meio a natureza: você pode nadar com tubarões brancos ou avistar baleias e golfinhos de um barco!


desafio do dia: não se apaixonar pelos pinguins de Boulders Beach

Separamos um dia para fazer um passeio de carro pela Baía Falsa, parando em pontos famosos como as casas de banho coloridas (e fotogênicas!) de Muizenberg; a Boulders Beach (R60 por pessoa), praia famosa pela água azul cor de céu onde é possível nadar com pinguins (se você tiver coragem de entrar na água geladíssima!)…


tomar sol com pinguins: na África do Sul você pode!

E, finalmente, Cape Point (R125 por pessoa), o famoso Cabo da Boa Esperança dos livros de história da quinta série. Todos imperdíveis!


meu companheiro de aventuras & eu em Cape Point <3

Veja também outros posts sobre a viagem para a África do Sul:

+ Como é fazer um safári na África do Sul?
+ Garden Route, uma road trip inesquecível pela África do Sul