Lago de Garda: um final de semana em Riva del Garda

Sabe aquela vontade de escapar e fugir para um lugar de beleza idílica e desligar do resto do mundo? Um final de semana no Lago de Garda (ou Lago di Garda, em italiano) provavelmente é tudo o que você precisa.

Riva del Garda

Bem, pelo menos era tudo o que eu precisava.

Lago de Garda: diferenças entre norte e sul

Com águas incrivelmente cristalinas, o Lago de Garda está localizado no norte da Itália e é rodeado por encantadoras cidadezinhas – muitas delas com castelos!

É o maior lago da Itália e tem clima mediterrânico: palmeiras, oliveiras, laranjeiras e limoeiros crescem por ali. O visual é de tirar o fôlego – e muda bastante se você está na parte norte do lago ou na região sul.

Impressione-se com a altura das montanhas – como eu me impressionei!

Eu, pessoalmente, acho a região norte do lago muito mais bonita: as montanhas altíssimas encostam no lago, como um fiorde. Na região sul, o lago perde esse charme das montanhas.

O que fazer no Lago de Garda

Há uma infinidade de coisas no Lago de Garda. A principal atração turística definitivamente são os esportes aquáticos: os veleiros dominam a paisagem no verão. Windsurf e kite surf também são comuns.

Por outro lado, as paisagens maravilhosas do Lago oferecem trilhas e escaladas únicas. Os mais aventureiros (e sem medo de água fria) podem se aventurar no canyoning. Há também áreas onde é possível praticar mountain bike, golf e escaladas em vias ferratas.

De buenas na lagoa.

As pequenas cidades com casinhas de tons pastel e seus charmosos castelos também valem as visitas, claro.

Lago de Garda: pausa no passeio de bicicleta para olhar o mapa!

Lago de Garda no inverno

Visitar o Lago de Garda no inverno e no verão são experiências completamente diferentes. No verão, as cidades na beira do lago ficam lotadas de turistas e os esportes aquáticos estão por toda a parte. No inverno, grande parte dos restaurantes e hotéis estão fechados. Mas, nem tudo está perdido!

Lago de Garda no inverno
Lago de Garda no inverno: é paz que chama

Como Riva del Garda fica no meio do caminho entre onde eu moro (Rimini) e onde meu namorado mora (Munique), a cidade foi a escolhida para nosso romantic getaway. E, sinceramente, a escolha não poderia ter sido mais perfeita! Nos hospedamos em um hotel com spa e passamos o sábado inteirinho relaxando na jacuzzi e nas saunas. Domingo de manhã, partimos para explorar cada cantinho da cidade.

Homem em Lago de Garda, Riva del Garda.
O pensador.
Pequenos sinais de primavera.

E é por isso que o Lago de Garda pode ser um ótimo refúgio para descanso no inverno! As belezas do lugar continuam lá, intactas, enquanto as cidades estão vazias de turistas. No final de contas, todo atendimento – do restaurante ao hotel – é muito mais personalizado. Zero stress.

Os encantos de Riva del Garda

A arquitetura de Riva del Garda

Por conta da proximidade, Riva del Garda é um destino muito famoso entre os alemães (e isso pode render alguns momentos engraçados até). Também descobri que o lugar faz sucesso entre os dinamarqueses. Por isso, não faltam restaurantes com comida bávara e cervejas alemãs. Gardesana

Gardesana: a (coloque o seu superlativo de beleza preferido aqui) estrada italiana

Em Riva, decidimos passear de bicicleta até Limone pela antiga estrada, conhecida hoje como Sentiero del Ponale. Inaugurada em 1851, a estrada que liga Riva del Garda ao Valle di Ledro foi reaberta em 2004 apenas para pedestres e ciclistas. A estrada tambem oferece um panorama da Gardesana, construida nos anos 30, onde so circulam carros, e que ficou famosa por aparecer em James Bond, em Quantum of Solace.

A estrada antiga cravada nas pedras e considerada uma das mais belas do mundo, infelizmente, estava fechada (a previsao de reabertura é para 12 de abril de 2019).

As cachoeiras de Varone

Então, seguimos de bicicleta para a cachoeira de Varone – sem grandes expectativas, confesso. Pagamos os seis euros de entrada cada, um pouco descrentes. Mas, então, a surpresa!

As quedas d’água são fascinantes! A água cai sobre o cânion e impressiona. Para completar: uma dança de luzes coloridas faz o lugar ainda mais encantador.

Carnaval de Arco

Depois, seguimos até Arco, uma cidadezinha bem perto de Riva del Garda, onde acontecia um carnaval de rua para crianças. A cidadezinha cresceu ao redor de uma pedra com um castelo medieval no topo. Já é um bom motivo para conhecê-la, certo?

Onde comer

Escutamos a recomendação de um amigo que disse que a comida do Antiche Mura, em Riva del Garda, era maravilhosa. Fomos até lá e… O restaurante estava fechado! Eis uma das desvantagens de visitar Riva no inverno.

Seguimos então para a Osteria La Contrada e tivemos sim um jantar italiano como deve ser. O lugar era aconchegante, o serviço era simpático e o gnocchi de trufas estava delicioso!

Mas, se a Osteria é o lugar perfeito para um jantar curtido com calma, o Panem é o restaurante ideal para um bom almoço: o cardápio de lanches inspirados em diversas regiões da Itália é tentador. Escolhi o Friulano (com asìno – um dos queijos mais tradicionais de Friuli – mais fiocco di sauris, creme de cebola, pimentão em óleo) e o namorado foi de Ionio (uma versão peixe do panino). O problema ali foi o serviço, um pouco demorado.

Onde se hospedar em Riva del Garda

Como disse anteriormente, o melhor de visitar o Lago de Garda no inverno é aproveitar a beleza do lugar em meio à tranquilidade. Para completar a experiência, nos hospedamos em um spa hotel, o Hotel Parc Flora.

Área comum do Hotel Parc Flora, em Riva del Garda

O spa do lugar também foi uma boa surpresa. Pequeno, mas bem variado (o melhor spa de hotel que eu já vi até agora!): além dos clássicos jacuzzi, banho turco e sauna finlandesa, ele também contava com percurso Kneipp, cascata de gelo e duchas aromatizadas. Amei a ducha tropical de maracujá. hahaha

Infelizmente, não pude tirar fotos do pequeno spa porque haviam muitos alemães e, bem… alemães costumam ir à sauna pelados. Isso vale outro post, aliás!

Vou sentir falta do café da manhã do Hotel Parc Flora

O café da manhã do Hotel Parc Flora também foi uma delícia. Com um buffet farto de salgados e doces, cafés, espumante (!) e suco de laranja-vermelha fresquinho, feito ali na hora.

Aliás, desconfio que a explicação do café da manhã ser tão bom assim é porque eles também são donos de uma das melhores gelaterias da cidade, o Bar Gelateria Flora – que está localizado bem na frente do hotel. A gelateria é tão boa que estava lo-ta-da até mesmo com o clima frio. Se visitar o lugar, experimente o affogato e me conta o que achou!

O Lago di Garda, meu mundo e a fotografia

Lago di Garda, na Itália. Foto: Mariana Gabellini.

Eu ia escrever um post sobre como o Lago di Garda (o maior lago da Itália!) é belo e o que tem de incrível para fazer por lá – até porque estou na Itália há três meses e nunca escrevi nada sobre o país. Mas, ah, enquanto editava as fotos lembrei do que o professor de Fotojornalismo da faculdade me disse certo dia – e me bateu uma tristeza.

Ele deu um trabalho muito simples para a sala: todos nós deveríamos retratar, através da fotografia analógica, a cidade de São Paulo. Basicamente, captar a alma da cidade! Fácil, fácil. Não sou muito fã do Parque Ibirapuera, mas gosto do contraste entre a área verde e os arranha-céus ao redor. Não existe nada mais paulistano que isso, certo? Errado.

castle malcesine lago di garda
uma foto sem pessoas no Lago di Garda

Filme: ok. Enquadramento: ok. Ampliação: ok. Minha nota: não ok. Eu tirei 2. DOIS.

E, claro, fui reclamar o absurdo. COMO ASSIM? O professor respondeu: “a técnica está correta, mas faltam pessoas nas fotos. Eu só vejo patos, árvores e prédios. Onde estão os seres humanos? Isso é Jornalismo!”. Oh, fiquei sem reação. Ele tinha razão.

largo di garda
outra foto sem pessoas

Escolhi Jornalismo porque amo escrever. Mas eu amo escrever porque é como eu melhor me relaciono com o mundo. Sou introvertida e isso tem guiado minha vida desde que eu nasci. Todas as minhas escolhas são fundamentadas na minha introversão. Não faço amigos facilmente, não falo de mim para qualquer um. Escolhi Jornalismo, criei um blog, mudei de país por isso. Para aprender a lidar com o que eu sinto e tentar me abrir um pouco mais para as pessoas, para o mundo. Parece um pouco egoísta visto dessa perspectiva, mas é como sou. Preciso controlar o meu lado sensível de algum jeito.

E fotografia, afinal,  é captar a alma das pessoas – às vezes, sem pedir licença. Eu tenho essa liberdade?

lago di garda italia
mais uma

Enquanto editava essas fotos, no entanto, decidi mudar. Vou arriscar a deixar minha bolha e invadir outros planetas pessoais também por meio da fotografia. E começarei na próxima viagem!

lago di garda vela
opa, essa tem pessoas! mas eu prefiro o barco

Nos próximos quinze dias, estarei em uma road trip pela África do Sul, por isso não atualizarei o blog nesse tempo. Mas para quem quiser acompanhar tudo em tempo real, segue meu Insta: @marianagabellini. E a viagem continua!