Verão em Munique: 19 ideias para aproveitar a cidade ao ar livre

Verão em Munique - Biergarten

O verão em Munique é único! E, apesar de a cidade estar bem longe do mar, o verão por aqui não perde nada para outras cidades costeiras. E isso é tão verdade que no verão a gente tenta ficar na Alemanha para aproveitar ao máximo tudo o que Munique oferece nessa estação do ano – mesmo que isso signifique abrir mão de outros destinos badalados nessa época.

Sim, há muito o que fazer em Munique no verão! Abaixo, listei os meus 19 passeios ao ar livre preferidos. Alguns passeios ainda não fui, mas estão na minha lista há um tempo e pretendo assim que o calor chegar (e a pandemia acabar, claro).

1. Opera für Alle

A magia da Opera für Alle em Munique

A Bayerische Staatsoper (Ópera do Estado da Baviera) promove concertos abertos ao público e gratuitos no verão. Os concertos da Münchner Opernfestspiele (Festival de Ópera de Munique) geralmente acontecem em determinados sábados do mês de julho, bem frente ao Nationaltheater, no centro da cidade, e você pode conferir a agenda aqui.

Leve uma toalha para se acomodar no chão, alguns snacks e aproveite o clima descontraído com boa música!

2. Tollwood

O Tollwood é um festival cultural e ambiental com proposta de defesa dos direitos humanos, bem-estar animal e do meio ambiente. Ele acontece duas vezes por ano: no verão e a no inverno (quando ele mais se parece um mercadinho de Natal).

No verão, geralmente o Tollwood tem uma vibe de circo e acontece no Olympiapark. Por lá, você encontrará barraquinhas com comidas de vários países, tendas de música e uma área para concertos (em alguns casos, pagos). A entrada é gratuita e o evento acontece nos meses de junho e julho.

3. Nadar e tomar sol no Eisbach

Verão em Munique - Eisbach
Verão em Munique: que tal um banho gelado no Schwabinger Bach?

É um dos meus programas de verão em Munique preferidos. Nos dias quentes, o parque lota com grupos fazendo pique-niques à beira do Eisbach, o riacho artificial de 2 km que corre dentro do Englischer Garten. Se tiver coragem, dê um mergulho na água gelada (“Eisbach” literalmente significa “riacho de gelo”)!

4. Passar o dia em um dos lagos perto de Munique

Lago Starnberger em um dia de verão

Se você estiver cansado da cidade (difícil!), pode ser uma boa ideia explorar os lagos dos arredores de Munique. Alguns bem famosos são o Lago Starnberger (25km, 30 minutos de trem) e o Lago Tegernsee (55km, 1h10 de trem). Nesses lugares existem áreas com gramados e píer na beira da água, além de restaurantes e ciclovias.

5. Piscinas públicas

Passar o verão nas piscinas públicas, conhecidas como Freibäder, é um costume dos alemães. A Dantebad é uma das maiores piscinas de Munique (a única piscina aquecida ao ar livre que funciona também no inverno). A Naturbad Maria Einsiedel é uma piscina abastecida com água do Rio Isar, que corta Munique – não estranhe se encontrar nudistas por ali. Já a Ungererbad é rodeada por gramados, possui toboágua para as crianças, além de quadras de vôlei de praia e campo de futebol.

Para horários e endereços, visite o site da SWM.

6. Open Air Kino

No verão, pipocam cinemas ao ar livre em Munique – há até estilo drive-in. O mais famoso deles é o Kino am Olympiasee, localizado no Olympiapark. O cinema funciona todos os dias no verão, a partir das 19h. Os bilhetes são vendidos apenas online e alguns filmes são exibidos em inglês.

7. Biergarten

Existe coisa mais alemã do que aproveitar o dia de verão em um Biergarten? Eu acho que não! Os Biergärten ficam lotados nessa época do ano e é essa mesmo a graça.

Os meus preferidos: o Seehaus, nas margens do Lago Kleinhesseloher, no Englischer Garten. O Biergarten da Torre Chinesa, também no Englischer Garten, é famosíssimo entre os turistas. Para um bom café da manhã bávaro (versão mais arrumadinha), o Kaisergarten é uma ótima opção – apesar do serviço nem sempre simpático. Bom, o que não faltam são Biergärten em Munique!

8. Munique de bicicleta: bike na beira do Isar

Ok, aqui é o Eisbach no Englischer Garten – mas vale também!

Munique é uma cidade com ótimas ciclovias, porque andar de bike aqui não é apenas um programa de lazer, mas um tipo de transporte que as pessoas usam no dia a dia. E, por isso mesmo, as regras devem ser respeitadas.

Um dos percursos mais legais para aproveitar Munique de bicicleta é o caminho que sobe o Rio Isar, e passa por Icking.

9. Que tal um sorvete de sabor nada óbvio?

Uma sorveteria específica ganhou fama por causa dos seus sorvetes de sabores inusitados: a Der Verrückte Eismacher. Com decoração que parece ter saído de “Alice no País das Maravilhas”, a sorveteria vende sorvete de sabores como bolognesa, cheeseburger e bacon.

Mas se você é do time que prefere os sabores mais tradicionais, experimente a Bartu (eles tem um quiosque no Englischer Garten). Os sorvetes de lá têm a fórmula bio. Meus sabores preferidos? Figo e New York Cheesecake. Muito, muito bons!

10. Churrasco na beira do Rio Isar

É um costume entre os alemães se reunir na beira do Rio Isar para churrascos. Uma grelha, um pouco de fogo, batatas embrulhadas no alumínio, pimentões no palito e o churrasco alemão está preparado!

Mas, atenção: em algumas áreas essa prática é proibida. Veja as regras para fazer o seu churrasco na beira do Isar ou em um dos parques da cidade aqui.

11.Passear no Jardim Botânico de Nymphenburg

Se você gosta é adora plantas, uma boa ideia pode ser visitar o Jardim Botânico de Nymphenburg. Lá, são cultivadas cerca de 19.600 espécies e subespécies de plantas. Aproveite para conhecer os interiores do Palácio de Nymphenburg, um palácio barroco de 1675 que serviu como morada de verão dos governantes da Baviera.

12. Fim de tarde no café da Faculdade de Arquitetura

Um dos lugares mais disputados para assistir o pôr-do-sol no verão em Munique é o café da Faculdade de Arquitetura, o Café im Vorhoelzer Forum. De lá, é possível ter a vista do skyline da cidade e dos Alpes enquanto toma um drinque com os amigos.

13. Bons drinques no Kulturstrand

Falando em bons drinques, no verão Munique também ganha bares com espreguiçadeiras e areia para você curtir o verão como se estivesse na praia. O mais famoso deles é o Kulturstrand, na beira do Rio Isar, com música e eventos culturais.

14. Pôr do sol no Olympiapark

Olympiapark: um pôr do sol com 360 graus de vista para o skyline de Munique

Além do café da Faculdade de Arquitetura, muita gente se reúne na montanha do Olympiapark para assistir o pôr do sol com 360 graus de vista.

Isso depois de um passeio no parque, que foi construído para receber os Jogos Olímpicos de Verão de 1972, um dos cartões-postais mais famosos da cidade.

15. Suco no Virtualienmarkt

O centro histórico de Munique é uma graça e por isso não poderia deixar de estar aqui um passeio pelo Virtualienmarkt, certo? Com suas tendas de frutas, embutidos e até Biergarten, vale a pena parar ali nem que seja para tomar um suco fresquinho depois de bater perna nas vielas do centro.

16. Dança na Praça dos Museus

Dança no pátio em um dos museus na Königsplatz

Há quem ame dançar. Nesse caso, vale a pena dar uma espiada nos grupos que se reúnem bem nos vãos dos museus de Munique. Grupos de apaixonados por tango e forró (sim, forró!) se reúnem por ali.

17. Colher morangos, amoras, mirtilos e framboesas

Taí um passeio que eu estou adiando há tempos, mas quero muito fazer. Em Munique, no verão é possível ir a uma fazenda de morangos (ou amoras, framboesas e mirtilos) e colher a fruta do pé.

Funciona assim: você paga um valor fixo, geralmente em torno de 10 euros, e pode levar uma caixa da fruta para casa (e comer lá dentro à vontade enquanto colhe). Alguns lugares ainda possuem um café, com bolos, tortas e sobremesas feitas com as frutas colhidas por ali mesmo. Uma experiência deliciosa!

18. Descer o Isar de bote inflável

Para quem curte um pouco de adrenalina, descer o Isar de bote é o programa perfeito para um verão em Munique! Nessa época, os alemães se reúnem com amigos e fazem até festas no bote. A descida é tranquila, mas em alguns trechos é preciso muito cuidado – principalmente em época de chuvas, quando troncos e galhos ficam presos entre as pedras.

A rota de descida do Isar geralmente começa em Icking (dentro de Munique, o uso de botes é proibido) e passa por hidrelétricas. Minha dica? Esteja com alguém que já conheça o percurso, porque alguns trechos são, de fato, perigosos. Você irá passar por algumas ilhas e praias de pedra onde os grupos se reúnem… É muito, muito legal!

19. Bahnwärter Thiel

Verão em Munique - Bahnwärter Thiel
Bahnwärter Thiel: onde há arte por toda a parte

O Bahnwärter Thiel é um lugar que nem todo mundo conhece e totalmente fora dos roteiros tradicionais sobre o que fazer em Munique. É um espaço criativo que mais lembra Berlim, é verdade.

Trata-se de um conglomerado de bondes e vagões de metrô, contêineres pintados e um guindaste, equipado com gôndolas flutuantes e carruagens, onde acontecem concertos, mercados de pulgas, noites de cinema, leitura… Enfim, é uma área cultural bem interessante e vale a pena visitá-la para descobrir o que está acontecendo por lá.

Nos meses de maio em junho, em Landshut, uma cidade a 70km de Munique, acontece o Landshuter Hochzeit 1475. No festival, que acontece a cada 4 anos, cerca de 2400 pessoas se reúnem para celebrar um casamento medieval entre um duque e uma princesa que aconteceu em 1475. Vale a pena visitar!

Outros posts sobre a Alemanha

7 costumes alemães que foram um baita choque cultural

Costumes-Alemães-Pexels-por-Niki-Nagy.

Quando a gente pensa na Alemanha, logo imagina trens que chegam pontualmente (se eu conhecesse a Deutsche Bahn antes, não pensaria isso), pessoas sérias e bem focadas, muita tecnologia e vários tipos de salsicha. Nós também lembramos do 7×1 – afinal, como esquecer? Alguns estereótipos e costumes alemães são bem conhecidos mundo afora – outros, por outro lado, estão bem escondidinhos e é preciso mais do que uma viagem para descobri-los.

Costumes alemães: saindo da bolha em que eu cresci

Eu confesso que viver na Alemanha me fez perceber alguns costumes que eu nunca havia ouvido falar, mas que são intrínsecos à cultura alemã.

Há mais de seis anos namorando um alemão, dois anos vivendo em Munique e três meses explorando Berlim, posso dizer que sou, ao menos, iniciada nessa cultura. E vou te contar: alguns hábitos alemães eu aderi sim, mas outros eu prefiro deixar para lá!

É claro que essa lista de hábitos não é e nem pretende ser uma verdade universal, claro. Nem todos os alemães ficam pelados na sauna ou contam batatas. Mas isso acontece com certa regularidade. É apenas um relato de quem enxerga essa cultura com outra bagagem e referências culturais. Só.

1. Ficar pelado é ok!

Ops! Uma ilha na Croácia deixando claro para os alemães que ali o nudismo não é permitido, não

Esse foi definitivamente meu choque cultural preferido. Os alemães tem o hábito de frequentar saunas completamente nus e, em alguns lugares, esse hábito se estende a outros espaços públicos. Em Munique, por exemplo, existem 6 áreas dentro da cidade onde ficar sem roupas é permitido – uma delas fica no Englischer Garten. Gostei tanto desse costume alemão, que ir à sauna se tornou um dos meus passeios de inverno preferidos!

Eu já era fã de topless, porque a sensação de liberdade é muito grande. Mas poder ficar pelada sem se sentir ameaçada é outro nível de liberdade – principalmente para uma mulher que nasceu e foi criada em uma cultura machista como eu. Sinto que aqui os corpos são vistos apenas como corpos – e não há tanta objetificação ou sexualização do corpo como acontece no Brasil.

Na Alemanha o movimento Freikörperkultur, ou “cultura do corpo livre”, é muito forte. O FKK, abreviação do nome do movimento, era muito comum na República Democrática Alemã (Alemanha Oriental) após a Segunda Guerra. Lá, a cultura do corpo livre era uma maneira de liberar a tensão em um ambiente tão restritivo – se permitir ficar sem roupa faz parte da cultura do bem-estar por aqui. E faz todo o sentido: se a gente busca uma sociedade livre, também devemos liberar nossos corpos, certo?

2. Já ouviu falar em wanderlust?

Essa palavrinha que ganhou os estúdios de tatuagem e é até considerada altmodisch (fora da moda) por aqui, na minha opinião, é um pouco controversa. Quer dizer, wanderlust seria algo como wandern + lust (vontade de vagar, literamente). Mas wandern é um hábito MUITO alemão e, na prática, significa basicamente “andar a pé por poucas horas ao ar livre”.

Desde pequenos, os alemães são ensinados que faz bem para o corpo um pouco de ar fresco todos os dias. Por isso, eles saem algumas horas a pé para dar uma volta e tomar ar puro. Se esse lugar for em meio a natureza, perfeito! Mas wandern em si não é um trekking: consiste em uma volta de algumas horas em um espaço aberto, só isso. Poderia ser dar uma volta no quarteirão ou em uma fazenda de soja.

Também não importa a temperatura lá fora ou se chove muito: eles acreditam que não existe clima bom ou ruim, existem apenas roupas erradas. E, por isso, eles dão a voltinha no quarteirão mesmo que esteja caindo o mundo.

3. Batatas contadas, um hábito muuuito alemão

“Quantas batatas você come?” é uma pergunta muito alemã. É claro que nem todos os alemães são assim, mas é um costume alemão perguntar a exata quantia que você irá comer para não sobrar comida. Isso vale para batatas, croissants, pães… Não estranhe se você for convidado para um jantar e esse tipo de pergunta aparecer na conversa. É um costume alemão perguntar quantidades para evitar desperdício.

4. Burocracia em modo analógico

Depois de morar na Itália, achava que a “terra da bota” era muito burocrática e analógica… Bem, até viver na Alemanha, onde absolutamente tudo deve ser resolvido por cartas. Quer cancelar um plano de celular? Envie uma carta. Quer se registrar na cidade? Uma carta vai te ajudar, com certeza. Boas e más notícias vem por cartas.

E nessa brincadeira de enviar cartas, semanas são perdidas para resolver problemas que seriam facilmente resolvidos por e-mail. Nervig.

5. Um seguro para tudo

Ah, se existe um costume alemão bastante difundido é a ideia de que os alemães são exímios poupadores. E quem poupa quer se proteger de imprevistos, certo? Por isso, a ideia de ter um seguro para absolutamente tudo faz muito sentido entre eles. Seguros para celular, para óculos escuros, para relógio, para bicicleta… Há seguro para todas as coisas na Alemanha!

6. Pães e frios no jantar, vegetais grelhados no churrasco

Tradicional jantar alemão: pães e frios

O jantar, na minha opinião, é a refeição menos valorizada por aqui. Quer dizer, ele quase sempre consiste em alimentos frios. Os alemães montam uma mesa com pães, diferentes tipos de queijos, alguns embutidos, legumes e… Prontinho, o jantar está na mesa! Os alemães sentem bastante orgulho dos pães produzidos por aqui: há uma infinidade de tipos, com destaque para os pães integrais, com diferentes tipos de sementes.

Quando o assunto é churrasco, esqueça a versão brasileira com diferentes tipos de carnes. No churrasco alemão há carne vermelha sim, mas eu tenho a impressão de que os vegetais (batatas embaladas no alumínio e espetinhos de pimentão estão sempre presentes) dividem os holofotes e ganham a mesma atenção na grelha. Apesar do alto consumo de embutidos, a Alemanha é um paraíso para os vegetarianos.

7. O que é cartão de crédito mesmo?

Essa é uma realidade que mudou um pouco por causa da pandemia (muitos comerciantes passaram a priorizar cartão sem contato). Mas, infelizmente, ainda é comum alguns lugares não aceitarem pagamento com cartão de crédito. Louco, né? É paradoxal perceber que os alemães, famosos pela tecnologia, evitam algumas novidades que facilitam demais a vida.