Mosaicos de Ravena: a cidade italiana que respira arte bizantina

Mosaicos de Ravenna, na Itália

Localizada na Emilia-Romanha, ali pertinho do Mar Adriático, Ravena é um dos destinos turísticos mais famosos da região. Não por acaso: a cidade foi a última capital do Império Romano do Ocidente, após a queda de Roma no século 5.

Ao sair do trem na estação de Ravena, você provavelmente terá a impressão de que se trata de só uma cidade italiana sem grandes atrativos. Mas, felizmente, as aparências enganam – e a beleza de Ravena mora justamente aí!

As maravilhas de Ravena estão escondidas dentro de construções de tijolinhos. Vistas do lado de fora, os monumentos não prometem muito – é preciso entrar em cada edifício para se surpreender com a riqueza de detalhes e cores. Ali estão tesouros da humanidade que receberam o título Patrimônio Histórico da Unesco.

Tão bonitos quanto bem preservados, os mosaicos de Ravena são uma ótima parada para incluir no roteiro de viagem se você está visitando a Emília-Romanha.

Breve história de Ravena

Renascentismo por aqui? Hoje não!

Ravena foi a capital do Império Romano no século 5 e depois da Itália Bizantina até o século 8. Por isso, é lar de uma coleção única de mosaicos e monumentos cristãos primitivos.

Ao total, são oito edifícios construídos nos séculos 5 e 6. São eles: o Mausoléu de Galla Placidia, o Batistério Neoniano, a Basílica de Sant’Apollinare Nuovo, o Batistério Ariano, a Capela Arquiepiscopal, o Mausoléu de Teodorico, a Igreja de San Vitale e a Basílica de Sant’Apollinare in Classe.

Mosaicos bizantinos de Ravena

Detalhes da Capela Arquiepiscopal

O conjunto de oito monumentos religiosos, decorados com mármores preciosos, estuques e mosaicos, refletem os principais eventos históricos, políticos e religiosos que ocorreram em Ravena, que se tornou a capital do Império Romano Ocidental em 402 DC, e permaneceu proeminente primeiro entre os ostrogóticos (povo germânico que surgiu na região meridional da Escandinávia) e depois como a capital bizantina na Itália durante os séculos 5 e 6.

Gustav Klimt e os mosaicos de Ravena

Dizem que o pintor simbolista Gustav Klimt ficou tão impressionado com os mosaicos de Ravena em sua dupla visita à cidade em 1903 que a cor dourada dos mosaicos influenciou seu período áureo – a chamada “fase dourada”. O resultado disso? Uma das suas mais célebres obras: “O Beijo” [pintura 2]. Outra obra conhecida por representar muito bem a fase dourada de Klimt é “O Retrato de Adele Bloch-Bauer I” [pintura 1].

Convenhamos: não é difícil perceber as similaridades entre as obras do pintor austríaco e os mosaicos bizantinos de Ravena, certo? A abundância de formas geométricas e muito, muito dourado não negam as referências artísticas de Klimt.

Basílica de San Vitale e Mausoléu de Galla Placidia

A exuberante cúpula da Basílica San Vitale

A Basílica de San Vitale é o monumento mais visitado de Ravena. Ela foi encomendada pelo bispo Ecclesio em seu retorno de uma viagem a Constantinopla em 525 e financiada por Giuliano Argentario. A basílica foi construída sobre uma capela do século 5 dedicada a San Vitale, e foi consagrada em 547 pelo bispo Maximiano, que encomendou a decoração interior.

A pequena construção em forma de cruz ao lado da Basílica de San Vitale, na minha opinião, está entre as mais bonitas que visitamos em Ravena. A responsável pela construção do mausoléu foi a própria Galla Placidia (386 – 450 DC), irmã do imperador romano Honório que transferiu a Capital do Império Ocidental de Milão para Ravena em 402 DC.

De acordo com estudiosos, ela mandou construir este pequeno mausoléu com planta em cruz latina por volta de 425-450 como seu próprio local de descanso. O mausoléu, no entanto, nunca foi usado para esse fim: após a morte, a imperatriz foi sepultada em Roma em 450.

Um céu estrelado no Mausoléu de Galla Placidia

Repare na beleza do céu estrelado feito de mosaicos. Os temas simbolizados em mosaico mostram traços da influência da tradição helênico-romana e cristã. Ali, está representada a vitória da vida eterna sobre a morte de diferentes perspectivas.

Batistério Neoniano

De forma octogonal, o Batistério Neoniano é considerado o edifício batismal mais bem conservado do mundo, tanto pela estrutura arquitetônica como pelo seu interior, decorado com mármore e mosaicos. Dos batistérios mais antigos, construídos entre os séculos 4 e 5 em Antioquia, Constantinopla, Éfeso, Trier, Milão, Aquiléia e Roma, apenas sobrevivem as paredes do perímetro ou apenas a planta.

O Batistério Neoniano foi construído em meados do século 5, quando o bispo Neone (450-475) decidiu refazer a cobertura do batistério da catedral, que o bispo Orso havia erguido algumas décadas antes.

Basílica de Sant’Apollinare Nuovo

Localizada bem no coração do centro histórico de Ravena, a Basílica de Sant’Apollinare Nuovo é a definição de riqueza de maneira visual.

Foi construída por Teodorico, rei dos Godos, entre 493 e 526, como uma basílica palatina. Apesar da origem ariana, a decoração em mosaico interno mostra duas fases diferentes na construção: por volta de 561, após a expulsão dos godos da cidade, a igreja foi convertida à ortodoxia católica.

Capela Arquiepiscopal

Entre papagaios e pavões na Capela Arquiepiscopal, em Ravena

Ao sair do jardim do Batistério Ortodoxo, está uma escadaria que leva quem visita a uma experiência única: uma pequena capela escondida dentro do Museu do Arcebispo. Trata-se do único exemplo de uma capela arquiepiscopal cristã primitiva que sobreviveu intacta e a única igreja ortodoxa construída durante o arianismo teodórico.

Os mosaicos da capela, povoados por aves como pavões, papagaios e perdizes, datam da época do Bispo Pedro II (494-519), período em que coexistia em Ravena duas confissões religiosas: a Ariana e a Ortodoxa Católica. Os mosaicos são de uma beleza ímpar.

Batistério dos Arianos

Em formato octagonal, o Batistério dos Arianos possui mosaicos que mostram o batismo de Cristo e ao redor, representações dos apóstolos. O batistério é do fim do século V (governo do Teodorico). Infelizmente, os mosaicos encrustrados na parede se desprenderam com o tempo, e

Mosaicos de Ravena: ingresso único

Para conhecer cinco dos monumentos históricos (Basilica di San Vitale,
Basilica di Sant’Apollinare Nuovo, Museo Arcivescovile, Battistero Neoniano, Mausoleo di Galla Placidia), é possível comprar um bilhete no valor de 10,50 € com validade de uma semana.

Por meio do site de reservas online, ainda é possível reservar o horário da visita sem precisar entrar na fila. Recomendo um dia completo, com manhã e tarde, pelo menos, para conhecer os cinco monumentos. Chegamos em Ravena no começo da tarde e a visita teve que ser apressada, infelizmente. Pecado!

Para o acesso ao Mausoléu de Galla Placidia e ao Batistério Neoniano, é preciso pagar uma integração do bilhete único: suplemento para a gestão do fluxo turístico 2 € (a pré-reserva obrigatória).

Vale visitar também: Túmulo de Dante Alighieri

Arte de rua em Ravena: Dante e Beatrice

O autor de A Divina Comédia, está sepultado em Ravena, onde morreu em 1321. Foi ali que o célebre escritor viveu em exílio seus últimos anos. O túmulo está localizado próximo à Basílica de San Francesco, no centro da cidade.

Como chegar em Ravena

Ravena esta localizada na Emília-Romanha e é o bate-volta perfeito a partir de Rimini ou Bologna para explorar a região – que ainda possui outros destinos interessantes, como San Marino. Pela praticidade, a melhor maneira de chegar em Ravena é por meio de trem.

As passagens de trem podem ser compradas no site do Trenitalia ou diretamente na estação. De Bologna a Ravena, a viagem dura pelo menos uma hora (7,35 €, a mais barata). De Rimini a Ravena, a viagem de trem costuma durar também cerca de uma hora (mas custa só 4,75 €; com valores de abril de 2021) .

Onde se hospedar em Ravena

Geralmente, quem visita a cidade costuma passar apenas um dia em Ravena, por isso ela é um perfeito bate-volta de outras cidades que funcionam como base para explorar a região, como Rimini e Bologna. Mas se você pretende passar uma ou mais noites em Ravena, a dica é se hospedar bem no centro, pertinho de tudo e de onde é possível visitar todos os pontos turísticos a pé.

Booking.com

Bem recomendado, o Palazzo Galletti Abbiosi está em um antigo e nobre edifício do século 18. Tem ambiente histórico, mas a decoração é minimalista e as instalações são modernas com academia, capela e tetos com pinturas do século XIX.

Já o Palazzo Bezzi Hotel é um hotel 4 estrelas com um belo terraço com vista para a cidade. O spa do hotel tem banho turco, sauna e chuveiro sensorial.

Uma opção mais em conta é o B&B Villa Noctis, localizado a apenas 400 metros de San Vitale. O B&B oferece o tradicional café da manhã italiano com doces, bebidas quentes, bolos caseiros e produtos orgânicos – quitutes sem glúten também disponíveis.

A 5 minutos a pé do Museu Galla Placidia, da Basílica de San Vitale e da Piazza del Popolo está a Villa Santa Maria Foris, com decoração retrô e elegante, além de um pátio com um belo jardim.

Bate-voltas a partir de Ravena

Rimini: Famoso balneário da Riviera Romagnola nos anos 70 e 80, Rimini é muito mais do que praia. A cidade também guarda tesouros do período romano, como o Arco D’Augusto e ponte Tibério.

San Marino: O pequeno país localizado bem no coração na Itália está a poucas horas de Ravena e ao lado de Rimini. Vale a pena conhecer o belo castelo sobre o Monte Titano.

Outros posts sobre a Itália


Roteiro na Sicília: uma viagem de carro de Palermo a Siracusa

Scala dei Turchi - Parada na viagem de carro pela Sicília, na Itália

Talvez uma vida inteira não seja suficiente para conhecer a Sicília, essa ilha na Itália cheia de lendas. Há tanta história para desvendar, pratos para experimentar e lugares para explorar! Mas posso dizer que esse roteiro na Sicília em uma viagem de carro de 11 dias foi um bom começo e dá para ter uma ideia das inúmeras possibilidades de o que fazer na Sicília. Quer dizer, deu sim para ter um gostinho do que é a ilha nesses mais de 1.000km percorridos!

Viagem de carro na Sicília: montando o roteiro de 11 dias

Aterrissamos em Palermo diretamente de um vôo da Ryanair saindo do aeroporto de Memmingen, na Alemanha. Achamos que era uma boa ideia deixar Palermo para o final da viagem, porque queríamos ter tempo para conhecer o street food da cidade e fechar a viagem com chave de ouro. Por isso, partimos direto para a próxima cidade: Cefalù. Mas, antes, falemos sobre o roteiro de viagem na Sicília.

Roteiro de viagem na Sicília: plano inicial e as cidades escolhidas

Tínhamos uma vaga ideia de como seria nosso roteiro na Sicília, mas não tínhamos as datas confirmadas (muito menos hotéis). O plano era não ter muito plano: íamos decidindo quantos dias ficar em cada lugar à medida que chegávamos. Nossa ideia inicial era dar uma volta na ilha completa, mas isso não foi possível em apenas 11 dias de viagem. As cidades do sul da ilha, como Ragusa, infelizmente ficaram de fora.

Outro detalhe importante foi o período em que viajamos: no verão provavelmente seria impossível fazer esse tipo de viagem porque os hotéis e atrações estariam lotados… Mas como nossa viagem aconteceu em outubro, foi tranquilo viajar com um roteiro na Sicília aberto e flexível.

Dirigir na Sicília: o quê saber antes de viajar na ilha?

Alugamos o carro pela Leasys através do site de reservas da Ryanair e fizemos a retirada no aeroporto de Palermo, nosso ponto inicial e final do roteiro na Sicília.

Trânsito na Sicília

O trânsito na Sicília é caótico e, por isso, é comum que os carros alugados venham com riscas e batidas. Importante: confira muito bem todos os riscos e batidas do carro antes de assinar a entrega – pode acontecer de que os danos causados pelo locatário anterior sejam cobrados na sua fatura. Na Sicília, também é imprescindível fazer um seguro para o carro. Você verá que os sicilianos estacionam nos lugares mais improváveis e o risco de um arranhão (ou uma batida!) acontecer são altos. Melhor previnir.

Leis italianas

Os italianos são extremamente rígidos com as leis de trânsito. Evite circular com o carro em centros históricos, porque nem sempre as placas são claras e as chances de multa nesses locais é altíssima. Vai estacionar em locais públicos? Antes verifique a existência de máquinas de ticket e pague de acordo com o período que irá deixar o carro estacionado.

Permissão Internacional para Dirigir

Brasileiros podem dirigir na Itália portando a PID (Permissão Internacional para Dirigir) e, junto a ela, passaporte e CNH. De preferência, leve a PID e a CNH com tradução juramentada para o italiano. A PID é emitida ainda no Brasil pelo Detran – verifique no seu estado.

Dia 1: de Palermo a Cefalù

O que fazer em Cefalù - vista do porto antigo
Cefalù: a vista do porto antigo

Seguimos então de Palermo para Cefalù, a apenas 70km da capital siciliana. Ali, naquela pequena cidade permanecemos apenas uma noite – o suficiente para conhecer alguns dos pontos mais interessantes dentro da cidade mesmo, já que o acesso à Rocca estava fechado para manutenção. Ocupada por Normandos (os vikings!), gregos, romanos e árabes, Cefalù preserva um centro histórico datado da Idade Média com pontos turísticos interessantes – como o Lavatoio Medievale e a Catedral com belos mosaicos, considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco. A vista do porto antigo é um cartão-postal conhecido da ilha.

Dias 2 e 3: Stromboli, um vulcão em erupção na Sicília

Stromboli, na Sicília
Stromboli, na Sicília: onde é possível presenciar explosões a cada 20 minutos!

Logo de manhã partimos para Milazzo, de onde saíam barcos com destino a Stromboli, uma pequena ilha no norte da costa Sicília e parte do arquipélago das ilhas Eólias, no mar Tirreno. Este é um passeio imperdível para quem ama aventura e um dos meus lugares preferidos na Sicília!

Stromboli é um dos três vulcões ativos na Itália (juntamente com o Vesúvio e o Etna). Não se preocupe se não estiver fit: a trilha até o ponto panorâmico é muito tranquila de ser feita.

Em Stromboli, dormimos duas noites na Pousada La Lampara, jantamos duas vezes no L’Osservatorio, restaurante com vista para as explosões, exploramos as praias vulcânicas e as pequenas ruelas vazias. Se você está com o roteiro na Sicília apertado, uma noite por lá provavelmente é o suficiente.

Dia 4 – Taormina

Isola Bella, em Taormina. Uma lindeza, né?

Taormina é uma das cidades mais famosas da Sicília. É extremamente turística e, por isso, se prepare para ruas cheias de lojinhas e com menos alma do que outras cidades sicilianas (sabe aquela atmosfera um pouco artificial de Veneza? Então…). Por outro lado, Taormina é absurdamente bonita. E por isso vale incluí-la em seu roteiro de viagem na Sicília!

A cidade está localizada em um precipício na costa. De lá do alto, é possível ver o mar de águas claras e a Isola Bela. Taormina ainda é casa do Teatro Greco, construído pelos gregos no século 3 a.C. O Antigo Teatro não é mesmo um teatro qualquer: ele possui vista para o majestoso vulcão Etna.

Passeamos sem rumo pelas ruas de Taormina até encontrarmos uma antiga hípica romana de dois mil anos. Foi interessante perceber como o lugar em ruínas foi usado como base para outras construções mais recentes e como a natureza se apossou dos tijolinhos, deixando as ruínas ainda mais especial.

A Villa Comunale, com seus jardins criados por uma nobre inglesa, é outro lugar interessante e perfeito para fugir do calor em dias de verão.

Uma vez que não era possível entrar de carro no centro histórico, passamos uma noite em uma pousada próxima a área da estação de trem, o B&B Sottocoperta, onde estacionamos o carro no melhor jeito siciliano: encostadinho em um muro de pedra, bem no acostamento de uma rodovia bem movimentada. O café da manhã do B&B era uma delícia, os donos eram super queridos e apesar da pousada ficar mais afastada do centro, não foi um problema subir de bondinho até a cidade (e descer no final do dia pela escadaria com uma bela vista para a Isola Bella).

Dia 5 – Vulcão Etna e Siracusa

Vulcão Etna: até onde é possível chegar de carro

Espalhado por 1190 km², o vulcão Etna é uma obra de arte da natureza. É um dos vulcões mais altos da Europa com seus 3.350 metros de altitude e é um deslumbre observá-lo de longe. Mas depois de conhecer Stromboli, decidimos que queríamos também conhecer o vulcão Etna de pertinho.

Por isso, subimos de carro até onde foi possível (1.900-2.000 metros de altitude). Dali, decidiríamos se pegaríamos o bondinho até o próximo estágio com mais altitude. A ideia foi abortada logo que saímos do carro. Era outubro e ali, naquela altitude, já fazia muito frio, havia neblina e muitas nuvens. Sem o agasalho corta-vento era muito difícil explorar as crateras. Então, decidimos seguir viagem para Siracusa.

Ruínas do anfiteatro de Siracusa, na Sicília

Assim que chegamos a Siracusa no início da tarde, deixamos as malas no carro e seguimos para o Parque Arqueológico Central de Neapolis, que inclui o Anfiteatro Romano, o Teatro Greco e o Orecchio di Dionisio. Passamos a tarde explorando cada detalhe desse sítio arqueológico ao ar livre. Uma delícia! No final da tarde, seguimos para conhecer o centro de Siracusa e, uau, que cidade bonitinha! Desejei ter mais tempo para conhecer a Siracusa de verdade. Um dia inteiro não foi suficiente em Siracusa… Infelizmente, fica para a próxima!

Dia 6 – Vale dos Templos, em Agrigento

O Vale dos Templos, em Agrigento, era um dos momentos mais esperados do nosso roteiro de viagem na Sicília. E não por acaso: ali está um conjunto de templos gregos considerados os mais bem preservados do mundo.

Primeiro, paramos na cidade de Agrigento e a cidade estava absolutamente morta. Perdemos tempo precioso ali. Mas para não dizer que a viagem à cidade de Agrigento foi completamente perdida: a vista do mar e dos templos da cidade é muito bonita.

Entramos no Vale dos Templos no meio da tarde e, claro, faltou tempo para conhecer melhor as construções. O Vale dos Templos pede, no mínimo, um dia completo de visita. O parque é enorme e são muitos templos do período helenístico e construções para conhecer. A área onde estão os templos gregos são povoadas por centenas de oliveiras e amendoeiras. Estar ali é como viajar no tempo. Uma experiência única e muito especial, de verdade.

O parque arqueológico Vale dos Templos consiste em oito templos construídos entre cerca de 510 AC e 430 AC: o Templo de Hera, o Templo de Concordia, o Templo de Hércules, o Templo de Zeus Olímpico, o Templo de Castor e Pólux , o Templo de Hefesto, o Templo de Deméter e o Templo de Asclépio (o Deus da Medicina). Com exceção deste último, que se encontra nas margens do rio Akragas, todos estão situados ao longo de uma crista rochosa abaixo do Agrigento dos dias modernos.

Fica a dica: o calor também é um fator a ser considerado na visita, por isso não se esqueça de levar água, chapéu e protetor solar. Há um café bem simples dentro do parque, caso seja necessário uma pausa para um breve cannolo (toda hora é hora, vamos combinar!).

Dia 7 – Scala dei Turchi

Scala dei Turchi: um dos atrativos da região de Agrigento

Sinceramente? Não gostamos da cidade de Agrigento e, por isso, decidimos dormir em outro lugar. Pernoitamos então em Porto Empedocle, conhecido por ser sítio de desembarque de muitos navios de refugiados provenientes da África.

Porto Empedocle está a poucos quilômetros da famosa Scala dei Turchi (Escada dos Turcos), um penhasco rochoso formado por marga, uma rocha sedimentar de cor branca. A Scala dei Turchi fica a apenas 15km de Agrigento e é um ótimo passeio para quem está na região.

O penhasco está localizado entre duas praias de areia, e para chegar até ele é preciso descer uma escadaria. Infelizmente o acesso à Scala dei Turchi estava fechado por risco de desabamento (outubro 2020), mas deu para apreciar a beleza de longe.

Dia 8 – Trapani

Como já estávamos um pouco cansados de dormir apenas um dia em cada cidade siciliana, decidimos passar por ali duas noites no centro histórico. Por isso, alugamos um studio com cozinha, onde foi possível comprar atum no mercado de peixe local e cozinhá-lo, além de aproveitar um pouco do clima da cidade com mais tranquilidade. Era um apartamento localizado literalmente dentro do muro da cidade, com vista para o mar.

Trapani, assim como Marsala, é famosa por suas salinas com moinhos. Para belas fotos panorâmicas, vá ao Museu do Sal. Se você tiver mais tempo, saem de Trapani barcos para as Ilhas Égadas (Marettimo, Levanzo e Favignana). Nas redondezas, também vale conhecer San Vito Lo Capo, com seu farol e praia de águas cristalinas, e a Reserva Natural do Zingaro, onde é possível praticar snorkeling.

Dia 9 – Erice

Erice é parada obrigatória para quem inclui Trapani em um roteiro pela Sicília. É que essa bela vila medieval de pedra no topo da montanha (que lembra muito San Marino, aliás!) tem vistas incríveis para toda a região. Dá até para ver as salinas de Trapani de lá do alto!

A vila de Erice era conhecida pelo nome de Eryx, em homenagem ao filho do “deus Poseidon ou de Afrodite e do herói Brutes” na mitologia grega. Ela foi ocupada por fenícios, espartanos, romanos e normandos. As fortificações e paredes defensivas construídas ao longo de 3.000 anos ainda estão de pé na parte noroeste da cidade.

Erice foi também o lar de um importante templo romano de Vênus – a deusa do amor, sexo e fertilidade – mas a construção praticamente desapareceu ao longo dos anos. Hoje, o Castelo de Vênus fica no local do templo e continua a levar seu nome.

Para chegar a Erice, há uma pequena estradinha que leva à vila (14km, cerca de 30 minutos de Trapani). Também é possível chegar até lá de teleférico ou ônibus.

Dias 10 e 11 – Palermo

Finalmente, Palermo! A capital da Sicília, e última parada do nosso roteiro na ilha, é vibrante, cheia de vida e coisas acontecendo por toda a parte o tempo todo. Passamos duas noites ali, bem no centro do histórico Mercado Ballarò, porque nosso foco era experimentar o famoso street food da cidade.

Achei o lugar absolutamente incrível: Palermo mais lembra uma mistura de cidades espanholas com o Cairo – e uma pitadinha da Itália. É muito diferente de todas as outras cidades italianas que já conheci.

Acordávamos logo na agitação e, a pé, foi possível conhecer pontos turísticos como o Palácio dos Normandos, a Catedral de Palermo, a Igreja La Martorana, o Palácio Real de Palermo e as Catacumbas dos Capuchinhos (provavelmente, o passeio mais macabro que já fiz na vida). Também fomos até Monreale conhecer os edifícios que, juntamente com a Catedral de Cefalù, são listados como Patrimônio Mundial da Unesco. Ufa!

A bela Cefalù, na Sicília: o lugar perfeito para explorar vielas medievais e se esbaldar em cannoli

O que fazer em Cefalù - vista do porto antigo

Um amontoado de casinhas de tons pastel em frente a um porto antigo são o cartão postal da pequena Cefalù, no norte da Sicília, a apenas 70km de Palermo, capital da ilha. Para apreciar a beleza de Cefalù, você deve se afastar um pouco: ir até o calçadão beira-mar da cidade nova. De lá, será possível admirar o contraste do mar de águas verde esmeralda com as casinhas em 100 tons de alaranjados e amarelados.

Uma enorme rocha que cresce a 270 metros logo atrás da vila completa o cenário. Cefalù é considerada uma das vilas mais bonitas da Itália e, por essa descrição, você já pode imaginar o porquê!

Mas, ainda bem, Cefalù não se resume a uma bela foto! Há muito o que explorar nas vielas cheias de história dessa pequena charmosa cidade siciliana de apenas 15 mil habitantes. E, por isso mesmo, Cefalù foi nossa primeira parada em nossa viagem de carro pela Sicília. Passamos uma noite nessa bela cidade e, por isso, esse post é ideal para quem procura um roteiro de um dia em Cefalú.

Outro detalhe importante: viajamos em outubro (ou seja, fora de temporada) e, por causa da pandemia, as cidades sicilianas então lotadas de turistas estavam vazias.

Antes, um desabafo: estacionar em Cefalù pode ser um drama!

Saímos do aeroporto de Palermo em nosso carro alugado com destino a Cefalù e logo enfrentamos a primeira dificuldade: estacionamento. Apesar de possuir estacionamento público nas ruas, as maquininhas não funcionavam – mas ainda assim, os policiais passavam controlando os carros sem ticket. Irônico, né? Foi uma odisseia até encontrar uma vaga de estacionamento E uma máquina que funcionasse nas proximidades. Por isso, preferimos um hotel mais longe do centro, mas com estacionamento e exploramos a cidade a pé.

Uma das passagens para o mar em Cefalù

Por que Cefalù?

Cefalù era conhecida como Kephaloidion e Coephaledium para gregos e romanos, que significa “cabeça” ou “topo, extremidade”. Para os árabes, era Gafludi, cidade fortificada de águas abundantes. Pelos pontos turísticos, você irá perceber que muito da história de Cefalù está ligada à água. A rocha que deu nome à cidade era conhecida também pelos fenícios como “Promontório de Hércules”. Não faltam lendas em Cefalù!

Ao longo dos séculos, a cidade foi dominada por gregos, siracusianos, romanos, bizantinos, árabes e normandos. Não é errado dizer que a riqueza de Cefalù mora na variedade cultural.

O que fazer em Cefalù?

Pôr-do-sol e a tempestade que se aproximava

É uma delícia explorar as vielas da cidade antiga de Cefalù tranquilamente. Ela tem todo o charme que você espera de uma cidade siciliana: um centro histórico que data da idade média, um mar de águas cristalinas, boa comida e um ambiente aconchegante. Não é difícil se encantar por Cefalù!

Encantar-se com os mosaicos da Catedral de Cefalù

Mosaicos na Catedral de Cefalu, Patrimônio da Unesco

A Catedral de Cefalù, erguida a partir de 1131, é o mais importante ponto turístico de Cefalù. Segundo uma lenda, a catedral foi construída nesta cidade e não em Palermo, capital do reino, seguindo uma promessa feita ao pelo rei Roger, que escapou de uma tempestade e pousou nas praias da aldeia. Mais prováveis são as motivações de cunho político-militar, dadas as conotações do território e as características inegáveis de fortaleza natural e as proporções fora da escala da Basílica, tudo ampliado pelas antigas muralhas megalíticas da cidade cujas evidências permanecem ao longo das falésias da Giudecca (Postierla) e na antiga Porta Terra (hoje Piazza Garibaldi).

A Catedral de Cefalù faz parte de um grupo de 9 construções do Reino Normando da Sicília (1130-1194) que estão listadas como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Juntas, essas construções são um exemplo de sincretismo sócio-cultural entre as culturas ocidental, islâmica e bizantina na ilha, que deu origem a novos conceitos de espaço, estrutura e decoração. Eles também testemunham a convivência de pessoas de diferentes origens e religiões (muçulmanos, bizantinos, latinos, judeus, lombardos e franceses). Uma maravilha, sim!

Templo de Diana e o culto à água

O Templo de Diana é um monumento megalítico do século IV aC., localizado em uma planície no lado oeste de ‘Rocca’. O templo tinha originalmente uma função sagrada ligada ao culto local da água.

Nas proximidades do templo, existem várias ruínas de muralhas defensivas erguidas ao longo dos séculos, bem como ruínas de pequenas capelas, quartéis, fornalhas e armazéns.

Lavatoio Medievale e histórias de ninfas

Uma viagem no tempo no Lavatoio Medievale

É o meu ponto turístico de Cefalù favorito! Depois de descer uma escada feita de pedras de lava, você encontrará um espaço semicoberto que abriga uma série de antigas bacias, alimentadas pelo rio Cefalino que flui de vinte e duas bocas em forma de leão de ferro.

Do lado direito da entrada, uma inscrição te transporta para uma antiga lenda: “Aqui corre Cefalino, mais saudável que qualquer outro rio, mais puro que a prata, mais frio que a neve”. Conta a lenda que o rio Cefalino nasceu das lágrimas incessantes de uma ninfa que lamentava ter castigado com a morte o amado que a traiu. Ah, as lendas sicilianas de traição!

A beleza da Porta Marinha

Pôr-do-sol na Porta Marinha

A Porta Marinha é um arco gótico e o único portão da cidade remanescente dos quatro que antes davam acesso à cidade. Ele dá acesso do centro ao porto antigo.

Rocca di Cefalù e mais uma história de amor traído

É impossível passar pela Rocca sem notar a sua opulência. Um mito grego fala do amor e do desespero do pastor Daphnis, o Orfeu da Sicília. Ele foi cegado pela deusa Hera, cuja filha ele havia traído, e foi então transformado pelo deus Hermes no enorme penhasco que domina Cefalù e que deu o nome ao lugar. Os antigos habitantes da Grécia viam a enorme rocha como uma cabeça gigantesca, e “cabeça” é de fato o significado do nome da cidade.

Cefalù: o Duomo e a Rocca

No topo de La Rocca estão as ruínas do Castelo de Cefalù. A estrutura data dos séculos 13 a 14 e, provavelmente, tem uma das vistas mais bonitas da região. Digo provavelmente porque, infelizmente, quando visitamos Cefalù (Outubro de 2020), o acesso à Rocca estava fechado para obras.

Muros megalíticos

As paredes megalíticas são uma muralha construída com a técnica de pedra seca em enormes blocos de um metro de espessura. As muralhas, ainda hoje muito bem preservadas, principalmente no lado norte, abrangiam toda a cidade e davam a aparência de uma fortaleza invencível.

Até os anos 600, ao longo das paredes, abriam-se quatro portas: duas ao sul, “Land Door” na Piazza Garibaldi, e “Osuna Door” na Praça Colombo, a oeste “a porta da Marinha ou açude” e para a leste “porta Giudecca”.

Assistir o pôr-do-sol no porto antigo

O pôr-do-sol no porto é a maneira certa ) de finalizar um dia em Cefalù. A vista da cidade e da Rocca é absolutamente de tirar o fôlego! Se preferir um fim de tarde regado a vinho, minha dica é a Enoteca Le Petit Tonneau.

Museu Mandralisca: moedas e conchas

O museu foi fundado por Enrico Piraino, o Barão de Mandralisca, no século 19 e inclui coleções arqueológicas de conchas e moedas. Também abriga uma galeria de arte e uma biblioteca com mais de 9 mil obras históricas e científicas, incluindo incunábulos, livros do século 16 e cartas náuticas.

Um descanso nas praias de Cefalù

Se ainda sobrar um tempo, é hora de aproveitar o mar de águas calmas e limpinhas das praias de Cefalù! Ali nas aforas do centro histórico, há uma grande variedade de barracas que oferecem cadeiras e guarda-sol.

Onde comer em Cefalù?

Pasticceria siciliana: espresso e cannolo di pistacchio. Servidos?

Estamos na Sicília e o que não faltam são boas opções – que vão do street food à pasticceria siciliana. De dia, nos aventuramos nos arancini da Fritto&Divino – uma experiência OK.

Pausa para o café da tarde : ali na praça da Catedral de Cefalù há uma pasticceria com uma ótima variedade de doces e café muito bom, apesar do atendimento deixar a desejar: o Bar Duomo.

Por fim, nosso jantar (ou melhor, aperitivo!) foi regado a vinho! Fomos até a Enoteca Le Petit Tonneau para experimentar os famosos vinhos sicilianos. O lugar ainda tinha disputadas mesinhas no terraço com vista para o mar (nesse caso, só fazendo reserva para consegui-las). O ambiente e os aperitivos eram uma delícia, a dona do lugar muito atenciosa.

Onde dormir em Cefalù

B&B Bourgainville em Cefalù: eles tinham até uma capelinha. Quer coisa mais siciliana?

Com a dificuldade em encontrar vagas para estacionar o carro, nos hospedamos em um lugar fora do centro: o B&B Bourgainville. O B&B está localizado em um prédio histórico do século 19 reformado e tinha um café da manhã muito gostoso! Melhor: com estacionamento. De lá, íamos a pé para o centro da cidade.

Viagem de carro na Sicília: qual a próxima parada?

Saímos de Cefalù e seguimos para a ilha de Stromboli. Lá, tivemos uma das experiências mais incríveis da viagem – ou, talvez, da vida: dormimos em um vulcão ativo e vimos de perto as famosas explosões de um dos vulcões mais ativos do mundo. Veja também nosso roteiro de viagem na Sicília.

Mais informações úteis

Língua: Italiano
Moeda: Euro
Clima/Quando Visitar: De junho a outubro. Evite altíssima temporada (final de julho e começo de agosto), quando a cidade está lotadíssima. Nós visitamos em outubro e a temperatura era agradável (nada que um casaquinho não resolvesse!).
Visto para brasileiros: Dispensa visto por até 90 dias.

Ilha de Stromboli, na Itália: explorando um vulcão ativo na Sicília

Vulcão Stromboli, na Sicília: dicas de viagem e o que fazer na ilha

Chegar de barco em Stromboli é por si só uma experiência única. Essa pequena ilha ao norte da costa da Sicília, na Itália, é especial por diversos motivos. Stromboli é um vulcão ativo e ali, na sua base, está uma charmosa e pequena vila. Não só: Stromboli é um dos poucos vulcões no mundo em atividade permanente.

Vulcão Stromboli na Sicília
Vulcão Stromboli na Sicília

Assim que desembarcamos da lancha que nos trouxe de uma cidade siciliana, demos de cara com uma vista com praias de areias pretas contrastando com as casinhas brancas. Nada de carros. Apenas pequenos carrinhos, como os de golfe, que funcionam como táxi, levando os turistas para lá e para cá. Parece até que a gente havia aterrissado em Marte – ou em algum vilarejo afastado da Islândia. Mas a arquitetura das casas ali não mentiam: estávamos, de fato, no Mediterrâneo!

Stromboli: uma vila muito Mediterrânea
Em caso de maremoto: fique longe da zona costeira!

Vulcão Stromboli, o “Farol do Mediterrâneo”

Stromboli é uma das sete ilhas do arquipélago das ilhas Eólias, no mar Tirreno, e possui uma área de cerca de 12,6 km². É pequena mesmo – mas muito charmosa! Na mitologia grega, era em Stromboli que Éolo, personagem da Odisseia, vivia. Stromboli tem a forma de um cone e 926 metros de altitude. Do fundo do mar, a altura de Stromboli chega a 3.000 metros.

A lenda do mouro aparece por aqui também

Na ilha de Stromboli estão duas pequenas vilas: Stromboli e Ginostra. A vila de Ginostra pode ser acessada em um passeio de barco saindo de Stromboli. Dizem que, no inverno, a população de Ginostra é de apenas dez habitantes! No total, cerca de 500 pessoas habitam a ilha.

A tal da atividade estromboliana

Não por acaso Stromboli ganhou o apelido de “farol do Mediterrâneo”. É que o vulcão possui alta frequência de erupções: Stromboli é um dos vulcões mais ativos do mundo e possui explosões constantes, intervaladas por períodos de calmaria. Quando estávamos lá, as explosões aconteciam a cada 15-20 minutos, em média. Mas os intervalos podem acontecer de 5 minutos a uma hora. Stromboli se mantém ativo há pelo menos dois mil anos. Agora, o termo “atividade estromboliana” é usado para nomear essa forma de vulcanismo, com pequenas explosões em espaços constantes de tempo intercaladas com explosões mais fortes, em vulcões do mundo todo – do vulcão Etna, ali do lado, ao vulcão Raung, na Indonésia.

Duas noites em Stromboli

A nossa estada em Stromboli foi definitivamente o ponto alto da nossa viagem de carro pela Sicília – Stromboli foi nossa segunda parada na viagem, logo depois de Cefalù. É verdade que muita gente não vê graça na pequena vila, porque não há muito o que fazer. Mas a experiência é justamente essa: dormir em um vulcão ativo no meio do mar Mediterrâneo!

Subindo o vulcão até Sciara del Fuoco

O passeio mais importante de uma estada em Stromboli é a subida até a Sciara del Fuoco. A caminhada pode ser feita com ou sem guia e dura cerca de uma hora saindo do vilarejo. Saímos no final da tarde, uma hora antes do sol se pôr, para ver o espetáculo pertinho da cratera.

A medida que subimos o vulcão, a vila se afastava

A trilha não é difícil, apesar de em alguns momentos ser preciso pequenas paradas para recobrar o fôlego. É, pode ser cansativo subir na areia vulcânica. Muitas vezes, também foi preciso atenção redobrada nas pequenas passarelas beirando o precipício. A trilha, no entanto, era fácil de seguir.

Não se esqueça de levar lanterna, água, agasalho corta-vento (venta muito lá no alto!) e um tênis confortável para a trilha que sobe o vulcão.

Sciara del Fuoco: onde a lava desce até o mar

Finalmente, chegamos no área panorâmica de onde pudemos avistar a Sciara del Fuoco, a rampa onde desce a lava expelida pelo vulcão. Dali, a vista é estonteante. Imagine só sentir que a terra está viva e entra em ebulição a alguns metros de você. Entre um silêncio e outro, o show de luzes encanta: a lava que explode, treme a terra e corre soltando faíscas montanha abaixo, muitas vezes até encontrar o mar. Um deslumbre só. Provavelmente uma das coisas mais lindas que eu já vi na vida!

Stromboli em erupção

A partir do ponto de vista panorâmica é possível subir mais alguns metros, porém apenas com guia. Infelizmente, o acesso até Pizzo, na altura de 918 metros, estava fechado por conta das grandes explosões que aconteceram em julho de 2020.

Descemos a trilha em direção ao restaurante L’Osservatorio, de onde também é possível avistar as explosões – de uma distância um pouco maior, é claro. Mas a beleza e a magnitude do vulcão ainda encanta – mesmo de longe.

Restaurante L’Osservatorio: entre vinhos e lavas

Jantamos duas vezes no Restaurante L’Osservatorio, que tem um terraço com vista para o vulcão. Na primeira noite na vila, fomos direto ao restaurante para conhecer as famosas explosões, mesmo que de longe. O caminho da vila até o restaurante é basicamente uma estrada de terra sem iluminação alguma. Também não é tão perto assim: cerca de 1,5 km e pelo menos vinte minutos a pé. Ali, comemos pizza regada a um bom vinho da casa.

As maravilhosas praias de areia preta

São três diferentes praias de areia preta em Stromboli: Spiaggia Lunga, Ficogrande e Scari. Elas não possuem infra-estrutura alguma, como restaurantes e barracas. São ermas e vazias – e aí mora grande parte da beleza.

Strombolicchio: restos do primeiro vulcão

Da praia Ficogrande é possível avistar a ilha de Strombolicchio. Essa pequenina e inabitada ilha com um farol é, na verdade, o que sobrou da primeira formação do vulcão.

+ E já que o assunto são vulcões em erupção, vale a pena dar uma lida na experiência do Diego Arena, do blog Uma Viagem Diferente, nas ruínas de Pompeia. E já que estamos aos pés do vulcão Etna, vale dar um pulinho em Nápoles, com o pessoal do blog De lugar Nenhum, a apenas 25km dali!

Como chegar em Stromboli

A única maneira de chegar em Stromboli é de barco. Saímos do porto de Milazzo de ferry e a viagem demorou cerca de duas horas (cerca de 43 € ida e volta por pessoa). Os horários dos trajetos podem ser acessados no site Direct Ferries. Também é possível chegar a Stromboli via Napoli por ferry.

Stromboli: dicas de hospedagem

Nos hospedamos duas noites na pousada La Lampara, que também possui um dos restaurantes mais requisitados da cidade. Infelizmente, durante nossa viagem o restaurante estava fechado porque a cozinheira se acidentou alguns meses antes. De qualquer maneira, Carlo, o dono da pousada, era muito simpático e solícito (o dono de hotel mais simpático que encontramos nessa viagem, aliás!), os quartos eram limpos e confortáveis e o café da manhã tinha o verdadeiro café italiano feito na máquina (nada de café instantâneo).

Onde e o que comer em Stromboli?

A verdade é que as experiências gastronômicas dentro de Stromboli são muito limitadas. Tivemos algumas não muito boas, confesso. Mas eu recomendaria dois lugares:

Cannolo do Bar Ingrid: uma delícia!

Bar Ingrid: Perfeito para aquela pausa do café no meio do dia, o lugar oferece além de um bom café espresso, doces bem feitos como o cannolo. Tem uma vista bonita para o mar e fica ali, na frente da igreja. Difícil errar.

Ristorante da Zurro: O chefe com jeito excêntrico, que vai de mesa em mesa e te trata como cliente antigo, deixa a experiência no lugar mais interessante. São poucas mesas (melhor fazer reserva antes!) em um salão fechado e o menu muda diariamente com diferentes tipos de frutos do mar fresquinhos. Confie na criatividade do chefe e mergulhe na experiência! P.S.: Esse restaurante, aliás, foi uma ótima recomendação do Carlo, dono da pousada La Lampara.

Mais dicas úteis

Língua: Italiano
Moeda: Euro
Clima/Quando Visitar: De junho a outubro, quando o mar está calmo e os restaurantes e pousadas estão abertos em sua maioria. Nós visitamos em outubro e a temperatura era agradável, mas nada que um casaquinho resolvesse.
Visto para brasileiros: Dispensa visto por até 90 dias.

Stromboli foi nossa segunda parada na viagem de carro pela Sicília. A primeira parada foi Cefalù, uma pequena cidade medieval com uma bela (e cheia de lendas!) rocha gigante. Vale a pena incluir no roteiro de viagem!

Três Cumes de Lavaredo, nas Dolomitas: hiking nas montanhas escarpadas dos Alpes Italianos

Tre Cime - Trilha nos Alpes italianos, Dolomitas

Tão altas que, perto delas, nos sentimos minúsculos. As montanhas nos Alpes Italianos são um convite para trilhas exuberantes com cachoeiras, lagos de água verde esmeralda e cumes pertinho do céu. Há tempos, as Dolomitas povoavam meus sonhos… E, em um surto de final de semana, decidimos que era hora de, enfim, dar um pulinho até a Itália – afinal, as Dolomitas ficam a apenas 330km de Munique – e explorar essa beleza toda!

Para desbravar as Dolomitas, cadeia de montanhas reconhecida como Patrimônio da Humanidade pela Unesco (por conta de suas belezas naturais excepcionais!), optamos pela trilha circular com vista para os três famosos picos nos Alpes Italianos — Três Cumes de Lavaredo (ou Tre Cime di Lavaredo, em italiano; Drei Zinnen, em alemão). As Dolomitas são casa de 18 picos que crescem acima de 3 mil metros de altura.

Dá para ter ideia da magnificência desse lugar?

Não sei se dá para imaginar. Mas a gente sonha.

Hiking em Três Cumes de Lavaredo

Distância: 18,35 km
Tempo: 5h30 (com direito às paradas nos refúgios!)
Elevação: 1217m
Dificuldade: Fácil/Médio

A rota circular de hiking em Três Cumes de Lavaredo

Nossa trilha começou no vale Fischleintal (em italiano, Val Fiscalina), que pode ser alcançado de Sexten-Moos (em italiano, Sesto Moso) de ônibus ou carro. Estacionamos o carro em um parking em Fischleinboden e partimos a pé para a trilha.

As paisagens bucólicas da trilha para Tre Cime de Lavaredo
Vale Fischleintal: o começo da trilha para Tre Cime, nas Dolomitas
Vale Fischleintal: o começo da trilha para Tre Cime, nas Dolomitas

Enquanto caminhamos pelo vale Altensteintal, passamos pelo refúgio Talschluss, ainda no comecinho da trilha. Mais alguns metros e seguimos a trilha com sentido a  Drei-Zinnen-Hütte. Ali a subida começou!

Uma trilha com paisagens assim <3

Passamos por duas belas cachoeiras – onde você pode se refrescar, se tiver coragem. A segunda, “escondida” em um grande buraco, era particularmente encantadora.

Parece tão pequena, né? Mas olha só o tamanho da pessoa no canto inferior direito!

Enfim, chegamos na área com vista para os dois lagos verde cintilantes Bödensee (Laghi dei Piani, em italiano). Ali também estava o primeiro refúgio nas montanhas de verdade: o refúgio Drei-Zinnen (2.407 m), com a maravilhosa vista para os Três Cumes. Hora de um cappuccino e apreciar a beleza da paisagem!

Bödensee/Laghi dei Piani: incrivelmente verdes!

Seguimos a trilha 101, passando por Toblinger Riedl (ou Forcella di Toblin), e pelas belas encostas de Bödenknoten (ou Croda dei Piani) e Paternkofel (ou Monte Paterno). Dali era possível avistar outro pequeno lago de águas incrivelmente verde. A paisagem, por sua vez, era absurdamente cinza e até um pouco lunar.

Passamos pelo pequenino refúgio Büllelejoch (2.544 m) e a descida começou. Seguimos para o refúgio Zsigmondy-Comici, onde paramos para um pequeno almoço. A vista do lugar para o impressionante Einserkofel também valia alguns minutos extras para apreciação. Uma gigante e inóspita montanha cinza! Continuamos a descida com vista para o igualmente magnífico Zwölferkofel (em italiano, Cima Dodici) até chegar novamente no Vale Altensteintal.

Foram quase 20 quilômetros de uma das trilhas mais bonitas que já fiz e, apesar de torcer o tornozelo em uma queda na trilha cheia de pedras, valeu a pena!

+ Pretende se mudar para a Terra da Bota? Veja aqui quanto custa morar na Itália.
+ O passo a passo para o reconhecimento da cidadania italiana

O que levar para a trilha

Caminho cheio de pedras e alguns obstáculos: prefira usar botas de trilha

Água e alguns snacks
Botas de trilha
Capa waterproof
Fleece
Protetor solar
Boné
GPS
* No topo da montanha o tempo pode mudar muito, muito rápido. Por isso, mesmo que a previsão do tempo garanta um dia ensolarado, não deixe de levar agasalho e calça na mochila.

Três Cumes de Lavaredo: onde se hospedar

Nos hospedamos em Sexten, na Pension im Wiesengrund, uma pensão simples com café da manhã, estacionamento e uma bela vista das montanhas, mas afastada da cidade. De manhãzinha seguimos de carro rumo ao vale Fischleintal.

Se você prefere um pouco mais de conforto, o Hotel Monika oferece spa com saunas finlandesas, piscina indoor, academia e bio sauna. Outra experiência interessante (e mais aventureira) é se hospedar no camping Caravan Park Sexten, com seus bangalôs de madeira (e kitchenette), banho turco e academia – e exatamente no lugar de onde sai a trilha!

Dica extra: alugue um carro!

Alugar um carro para viajar pelas Dolomitas é uma das melhores coisas que você pode fazer! Isso porque o caminho pela região é um parque de diversões para adultos, com pequenas cidades charmosas pelo caminho, estradas sinuosas e vistas de tirar o fôlego.

Lago de Garda: um final de semana em Riva del Garda

Sabe aquela vontade de escapar e fugir para um lugar de beleza idílica e desligar do resto do mundo? Um final de semana no Lago de Garda (ou Lago di Garda, em italiano) provavelmente é tudo o que você precisa!

Riva del Garda

Bem, pelo menos era tudo o que eu precisava.

Lago de Garda: diferenças entre norte e sul

Com águas incrivelmente cristalinas, o Lago de Garda está localizado no norte da Itália e é rodeado por encantadoras cidadezinhas – muitas delas com castelos!

É o maior lago da Itália e tem clima mediterrânico: palmeiras, oliveiras, laranjeiras e limoeiros crescem por ali. O visual é de tirar o fôlego – e muda bastante se você está na parte norte do lago ou na região sul.

Impressione-se com a altura das montanhas – como eu me impressionei!

Eu, pessoalmente, acho a região norte do lago muito mais bonita: as montanhas altíssimas encostam no lago, como um fiorde. Na região sul, o lago perde esse charme das montanhas.

O que fazer no Lago de Garda

Há uma infinidade de coisas no Lago de Garda. A principal atração turística definitivamente são os esportes aquáticos: os veleiros dominam a paisagem no verão. Windsurf e kite surf também são comuns.

Por outro lado, as paisagens maravilhosas do Lago oferecem trilhas e escaladas únicas. Os mais aventureiros (e sem medo de água fria) podem se aventurar no canyoning. Há também áreas onde é possível praticar mountain bike, golf e escaladas em vias ferratas.

De buenas na lagoa.

As pequenas cidades com casinhas de tons pastel e seus charmosos castelos também valem as visitas, claro.

Lago de Garda: pausa no passeio de bicicleta para olhar o mapa!

Lago de Garda no inverno

Visitar o Lago de Garda no inverno e no verão são experiências completamente diferentes. No verão, as cidades na beira do lago ficam lotadas de turistas e os esportes aquáticos estão por toda a parte. No inverno, grande parte dos restaurantes e hotéis estão fechados. Mas, nem tudo está perdido!

Lago de Garda no inverno
Lago de Garda no inverno: é paz que chama

Como Riva del Garda fica no meio do caminho entre onde eu moro (Rimini) e onde meu namorado mora (Munique), a cidade foi a escolhida para nosso romantic getaway. E, sinceramente, a escolha não poderia ter sido mais perfeita! Nos hospedamos em um hotel com spa e passamos o sábado inteirinho relaxando na jacuzzi e nas saunas. Domingo de manhã, partimos para explorar cada cantinho da cidade.

Homem em Lago de Garda, Riva del Garda.
O pensador.
Pequenos sinais de primavera.

E é por isso que o Lago de Garda pode ser um ótimo refúgio para descanso no inverno! As belezas do lugar continuam lá, intactas, enquanto as cidades estão vazias de turistas. No final de contas, todo atendimento – do restaurante ao hotel – é muito mais personalizado. Zero stress.

Os encantos de Riva del Garda

A arquitetura de Riva del Garda

Por conta da proximidade, Riva del Garda é um destino muito famoso entre os alemães (e isso pode render alguns momentos engraçados até). Também descobri que o lugar faz sucesso entre os dinamarqueses. Por isso, não faltam restaurantes com comida bávara e cervejas alemãs. Gardesana

Gardesana: a (coloque o seu superlativo de beleza preferido aqui) estrada italiana

Em Riva, decidimos passear de bicicleta até Limone pela antiga estrada, conhecida hoje como Sentiero del Ponale. Inaugurada em 1851, a estrada que liga Riva del Garda ao Valle di Ledro foi reaberta em 2004 apenas para pedestres e ciclistas. A estrada tambem oferece um panorama da Gardesana, construida nos anos 30, onde so circulam carros, e que ficou famosa por aparecer em James Bond, em Quantum of Solace.

A estrada antiga cravada nas pedras e considerada uma das mais belas do mundo, infelizmente, estava fechada (a previsao de reabertura é para 12 de abril de 2019).

As cachoeiras de Varone

Então, seguimos de bicicleta para a cachoeira de Varone – sem grandes expectativas, confesso. Pagamos os seis euros de entrada cada, um pouco descrentes. Mas, então, a surpresa!

As quedas d’água são fascinantes! A água cai sobre o cânion e impressiona. Para completar: uma dança de luzes coloridas faz o lugar ainda mais encantador.

Carnaval de Arco

Depois, seguimos até Arco, uma cidadezinha bem perto de Riva del Garda, onde acontecia um carnaval de rua para crianças. A cidadezinha cresceu ao redor de uma pedra com um castelo medieval no topo. Já é um bom motivo para conhecê-la, certo?

Onde comer

Escutamos a recomendação de um amigo que disse que a comida do Antiche Mura, em Riva del Garda, era maravilhosa. Fomos até lá e… O restaurante estava fechado! Eis uma das desvantagens de visitar Riva no inverno.

Seguimos então para a Osteria La Contrada e tivemos sim um jantar italiano como deve ser. O lugar era aconchegante, o serviço era simpático e o gnocchi de trufas estava delicioso!

Mas, se a Osteria é o lugar perfeito para um jantar curtido com calma, o Panem é o restaurante ideal para um bom almoço: o cardápio de lanches inspirados em diversas regiões da Itália é tentador. Escolhi o Friulano (com asìno – um dos queijos mais tradicionais de Friuli – mais fiocco di sauris, creme de cebola, pimentão em óleo) e o namorado foi de Ionio (uma versão peixe do panino). O problema ali foi o serviço, um pouco demorado.

Onde se hospedar em Riva del Garda

Como disse anteriormente, o melhor de visitar o Lago de Garda no inverno é aproveitar a beleza do lugar em meio à tranquilidade. Para completar a experiência, nos hospedamos em um spa hotel, o Hotel Parc Flora.

Área comum do Hotel Parc Flora, em Riva del Garda

O spa do lugar também foi uma boa surpresa. Pequeno, mas bem variado (o melhor spa de hotel que eu já vi até agora!): além dos clássicos jacuzzi, banho turco e sauna finlandesa, ele também contava com percurso Kneipp, cascata de gelo e duchas aromatizadas. Amei a ducha tropical de maracujá. hahaha

Infelizmente, não pude tirar fotos do pequeno spa porque haviam muitos alemães e, bem… alemães costumam ir à sauna pelados. Isso vale outro post, aliás!

Vou sentir falta do café da manhã do Hotel Parc Flora

O café da manhã do Hotel Parc Flora também foi uma delícia. Com um buffet farto de salgados e doces, cafés, espumante (!) e suco de laranja-vermelha fresquinho, feito ali na hora.

Aliás, desconfio que a explicação do café da manhã ser tão bom assim é porque eles também são donos de uma das melhores gelaterias da cidade, o Bar Gelateria Flora – que está localizado bem na frente do hotel. A gelateria é tão boa que estava lo-ta-da até mesmo com o clima frio. Se visitar o lugar, experimente o affogato e me conta o que achou!

Rimini, um novo lar para chamar de meu!

Fachada de edifício antigo em Rimini, Itália

As notícias da Terra da Bota dão conta de que, sim, eu voltei! Em letras garrafais e com muita emoção! Não, não para` Trento – onde reconheci a cidadania italiana. Minha nova casa é menos montanha e mais mar. Os Alpes viraram passado e agora eu chamo de lar Rimini, esse balneário super charmoso na riviera romagnola. Aliás, se você quer saber quanto custa viver na Itália, dá uma olhada nesse post.

Marina de Rimini, itália
A marina de Rimini é o lugar perfeito para aquele passeio de fim de tarde

Pelos próximos dois anos morarei em Rimini, cidade muito especial para mim por uma única razão: é a terra que meu bisavô abandonou em 1899 para se aventurar no Brasil. Há cerca de trinta anos meu avô visitou a cidade para entrar em contato com os primos que ficaram. Não conseguiu. E agora eu estou aqui com essa maravilhosa missão!

Universidade de Bologna em Rimini

O outro motivo é que há uma semana comecei um master em Fashion Culture and Management na Università di Bologna. Isso significa que vem aí pela frente uma leva de posts sobre estudar fora, declaração de valor e como enfrentar os monstros da burocracia italiana.

Se você pretende fazer uma graduação ou mestrado na Itália, esses artigos poderão ser muito úteis.

Também quero fazer alguns posts sobre o master, que tem matérias interessantes no currículo, como e-commerce e made in Italy – que inclui visitas a escritórios de grandes marcas italianas, tipo Moschino. E, se eu perder a vergonha na cara, quem sabe não rolem também alguns vlogs contando toda essa experiência? Coragem, tem que ter coragem!

O que fazer em Rimini?

Rimini é uma comuna com quase 140 mil habitantes e está localizada na Emilia Romagna – que, por sua vez, possui como capital Bologna, também considerada capital gastronômica da Itália. Já Rimini ficou famosa nos anos 70 por ser um balneário internacional – a cidade fica lo-ta-da de russos no verão.

Praia de Rimini, Itália
O forte de Rimini não são as praias – mas o clima praiano é uma delícia!

O balneário é uma mistura de Ibiza com Santos. Em outras palavras: muitas festas, praias feias e lotadas no verão. Essa cidade arrumadinha e badalada, no entanto, possui outros atrativos além de praias e festas mucho locas, acredite.

Rimini é recheada de pontos interessantes para quem gosta de história. Também possui parques temáticos curiosos, como o Italia in Miniatura, bom para levar as crianças (de idade e coração). Melhor: Rimini está localizada pertinho de San Marino, um dos menores países do mundo, e definitivamente uma experiência para riscar da bucket list.

Vem comigo que eu vou te mostrar o centro storico, cantinho mais especial da cidade e onde estão espalhados os vários campi da Università di Bologna. Assim como outras cidades italianas, provavelmente você ficará encantado com a ideia de passear por um lugar e, de repente, encontrar um muro, prédio ou monumento com mais de dois mil anos de idade.

Principais pontos turísticos de Rimini: Arco de Augusto

É, juntamente com a Ponte de Tibério, meu monumento preferido na cidade. O arco marca a entrada na antiga cidade pela via Flaminia, que ligava Roma a Rimini, já em 27 a.C. Gosto de sentar na sorveteria que tem em frente, tomar um milk shake de cioccolato e ver o tempo passar.

Arco D'Augusto em Rimini, Itália
Arco D’Augusto: não é uma belezinha?

Quanta gente interessante já não passou por ali? E quantas boas histórias devem ter se perdido no tempo! Há mais de dois mil anos o arco resiste a guerras e imperadores.  Tempo é definitivamente um conceito muito estranho e esse arco é a prova disso.

Domus del Chirurgo

Passei diversas vezes por ali até que um dia percebi que a construção de tijolinhos com paredes de vidro guardava uma joia arqueológica. Bem no meio de uma praça está protegida o que um dia foi a casa de um cirurgião no século 2 d.C. Uma vez que o lugar estava bem conservado, foi possível reconstruir o ambiente e transformá-lo em uma espécie de museu.

E por que seria esta a casa de um cirurgião? Bem, no local foram encontrados cerca de 150 instrumentos cirúrgicos. Você ficará encantado com o mosaico do chão da casa do cirurgião e encontrará até uma ossada. A entrada custa 6 euros.

Ponte de Tibério

É impressionante o grau de preservação da Ponte de Tibério encomendada pelo imperador Augusto, em 14 d.C., mas só concluída sete anos depois, em 21 d.C. pelo imperador Tibério.

É também é impressionante que a ponte tenha sobrevivido a terremotos, a guerra entre godos e bizantinos e até uma tentativa de destruição do exército nazi na Segunda Guerra Mundial. Da Ponte de Tibério saíam as estradas romanas para o norte da Itália, via Emilia e via Popilia.

Ponte de Tibério em Rimini, Itália
A Ponte de Tibério é assim… Indestrutível

Anfiteatro romano

Fiquei em êxtase quando descobri que havia um anfiteatro romano na cidade, e logo lembrei do super bem conservado que existe em Verona. No entanto, a versão de Rimini – datada do século 2 d.C. – está em ruínas. Ali aconteciam espetáculos com gladiadores com até 12 mil espectadores.

Infelizmente, hoje o que existe é uma grade que evita que as pessoas entrem no lugar e mais nada. No centro da cidade, também existem as ruínas do teatro romano e o Castel Sismondo. O interessante é ver como a cidade se reinventa e se adequa às ruínas do próprio passado. Sim, eu tenho uma fixação por ruínas!

E não deixe de provar: a piadina romagnola!

Cassone romagnolo em Rimini, Itália
Cassone romagnolo: uma das maravilhas da culinária italiana

E como cada região da Itália possui sua própria gastronomia, em Rimini não poderia ser diferente. Talvez esse valha um post a parte, mas já adianto: se estiver em Rimini, não deixe de provar o cassone e a piadina. Ambos são uma espécie de wrap recheados com mozzarela, prosciutto, speck, omelete ou salada. É uma delícia e serve como um lanche bem levinho.

Piadina del Porto, em Rimini, Itália
Piadina del Porto: um dos melhores lugares para provar piadina e cassone

Minha dica é provar esse prato no La Piadina del Porto. É uma portinha bem simples em frente à marina e com aquela combinação que a gente gosta: bom sabor, preço justo e atendimento simpático.

Como chegar de Bologna a Rimini: shuttle do aeroporto e trem

duas maneiras bem fáceis de chegar a Rimini saindo do aeroporto de Bologna. A primeira e mais prática é por meio do shuttle que sai do aeroporto de Bologna e vai até a estação ferroviária de Rimini (e também pára na Via Fada), bem pertinho do centro. Durante a alta temporada (verão), o shuttle também oferece paradas em diversas praias, como Bellariva, Riccione e Miramare. A dica é comprar a passagem com antecedência online pelo preço de €20 (é possível comprar a passagem com o motorista por €25).

Há ainda a promoção de €1 para horários diferenciados, da saída do primeiro e do último ônibus do trajeto. No entanto, é preciso comprar a passagem com pelo menos quinze dias de antecedência. O trajeto Aeroporto de Bologna- Estação Ferroviária de Rimini dura cerca de uma hora e meia.

Outra maneira de chegar em Rimini é pegando um ônibus do aeroporto de Bologna até a estação de trem (a passagem custa cerca de €6) e, em seguida, pegando um trem em direção a Rimini (a passagem custa a partir de € 9,85). O tempo do trajeto pode variar, mas o mínimo previsto é de duas horas no total.

Onde se hospedar em Rimini

Rimini é uma cidade turística e conhecido balneário de verão. Nessa época do ano, a cidade recebe muitos turistas ingleses e russos, além dos italianos – e, por isso, pode ser difícil encontrar bons preços nos meses de julho e agosto. Final da primavera e o começo do outono são ótimos meses para explorar a cidade – e encontrar hospedagem barata!

Booking.com

Bate-voltas a partir de Rimini

Pertinho do mar e com uma boa malha ferroviária, Rimini também pode ser um ótimo ponto de partida para explorar cidades da região. Dois bate-voltas para colocar no roteiro:

San Marino

A cerca de 10km de Rimini, o pequeno país tem uma história interessante: San Marino é uma das repúblicas mais antigas do mundo. Com um castelo medieval acima do Monte Titano, o país também guarda tesouros que valem a visitação. Como a cidade é pequena, é possível explorar os principais pontos turísticos em apenas um dia. Não deixe de ler o post no blog sobre San Marino.

Ravena

Quando você pensa na Itália, é comum associar arte ao renascentismo. Mas Ravena, cidade que está a apenas 52km de Rimini, prova que esta é uma ideia ligeiramente equivocada: Ravena é lar de alguns dos mais antigos e bem preservados mozaicos bizantinos do mundo. Se você ama arte, vale definitivamente a visita! Aqui nesse post eu conto tudo sobre os mosaicos de Ravena.

Cinque Terre: dicas para conhecer esse pedacinho de céu na Itália

Corniglia, em Cinque Terre, na Itália. Foto: Mariana Gabellini.

Uma pitadinha de tons pastel, muitas flores (ah, a primavera!) e casinhas construídas em encostas rochosas onde batem as ondas do mar Mediterrâneo. Eis uma das descrições possíveis para as cinco vilas que formam a famosa Cinque Terre, no norte da Itália,  próxima a Pisa (cerca de 90km) e Milão (220km). O nome delas? Monterosso, Vernazza, Corniglia, Manarola e Riomaggiore.

O charme das pequenas vilas, no entanto, vai muito além: elas são o tipo de lugar onde você pode respirar um pouco da perfumada dolce vita italiana.

Bons restaurantes, um mar de tirar o fôlego e roupas no varal secando ao sol despretensiosamente. Tanta beleza só poderia ser tutelada pela Unesco como Patrimônio Mundial da Humanidade! Na dúvida sobre o que fazer em Cinque Terre? Vem comigo!

Essa foi minha segunda vez nas terre e a passagem pelas cinco vilas fez parte de uma road trip com minha família durante o final de abril e começo de maio – o que significa temperaturas amenas e, ah que beleza, menos turistas. Cinque Terre é, na minha opinião, um desses passeios imperdíveis para quem visita pela primeira vez a Itália.

Como preparar o roteiro em Cinque Terre

Pois bem, em uma manhã de sábado fomos de carro até La Spezia e deixamos o veículo em um estacionamento público (0,80 centavos/hora). De lá, saímos de trem rumo a última terre, Monterosso al Mare.

Erro: optamos por comprar um bilhete para cada trajeto, que custo cerca de dois euros. E, a cada viagem nova entre as terre, menos dois euros na carteira. O ideal é comprar o bilhete que dura o dia todo e não há limite de trechos. O Cinque Terre Card custa 12 euros.

Monterosso é a única terre em que é possível jogar a canga sob a areia e tomar sol na praia. De lá, seguimos para Vernazza.

Além do trem, há a possibilidade de circular entre as pequenas vilas por trilhas – mas eu, infelizmente, nas duas vezes que fui não pude fazer o passeio. É que, devido às chuvas, é comum acontecerem desabamentos na região e, então, as trilhas ficam interditadas. Também é importante lembrar que, para entrar nas trilhas, é preciso ter em mãos o Cinque Terre Card. No total, são 12 km de caminhos.  Há ainda a possibilidade de fazer o passeio de barco.

 

Monterosso al Mare, em Cinque Terre. Foto: Mariana Gabellini.
Monterosso al Mare, em Cinque Terre: prepare sua canga!

Cinque Terre: onde se hospedar?

Localizada no norte do país, ela está próxima de Pisa. Separe pelo menos um dia inteiro se quiser conhecer as cidades com relativa calma. Não vale a pena fazer um bate e volta – é cansativo demais. Melhor se hospedar em uma das terre ou, se achar as diárias caríssimas, opte por uma cidade próxima.

Minha família e eu decidimos ficar em um camping em Marina di Massa – o que depois descobrimos ser uma região não tão famosa entre os turistas estrangeiros, mas com lugares interessantes para visitar, como as montanhas de mármore de Carrara. E que valem outro post!

cinque terre_03

Riomaggiore, em Cinque Terre, na Itália
Um pedacinho de Riomaggiore, em Cinque Terre

Cinque Terre gourmet: não deixe de experimentar…

Basicamente, o passeio pelas terre consiste em circular entre as casas coloridas, tomar um gelato e degustar um ou outro petisco tradicional da região. Os frutos do mar fazem especialmente sucesso e, quando estiver em Monterosso ou Riomaggiore não deixe de provar o cone de frutos do mar, com calamares, camarão e peixes fritos bem temperadinhos com limão. Ah!

Mar de Cinque Terre
Esse Mediterrâneo não está para brincadeira, não!
Vaso de flor na janela
Sobre a beleza e a simplicidade

Há também cemitérios, castelos e estátuas que explicam um pouquinho sobre a história desse lugar tão especial. Mas, ah, o gostoso mesmo é passar por ali e aproveitar um dia bonito. Simples assim.

Monterosso al Mare, Cinque Terre, na Itália
Tons pastel por todos os lados!

 

cinque terre_monterosso_pier_Itália
Mais um pouquinho de Monterosso al Mare

Fim do passeio: o pôr-do-sol incrível em Riomaggiore

Quando já tiver passado por todas as vilas, provavelmente a noite estará caindo – e o cansaço, acredite, pesando. Por isso, um pouco antes do pôr-do-sol pegue um trem rumo Riomaggiore, a terre mais próxima de La Spezia. Quando chegar lá, dispute por um lugarzinho para sentar nas rochas à beira-mar e assista o sol caindo. Em silêncio.

cinque terre_por do sol_riomaggiore_Itália
O pôr do sol em Riomaggiore é de tirar o fôlego. Mesmo.

Se você pretende viajar de carro pelos campos da Toscana, vale tentar incluir Cinque Terre no roteiro de viagem – já que as vilas estão bem próximas de destinos como Florença e Pisa.

Veja outros posts sobre a Itália