4 pensamentos sobre um fim de semana no Líbano

Rosa dos ventos, no Líbano

A:— Mariana, existe algum país que você não visitaria?
M: — Não! :)

E foi assim que começou a programação feita pelo namorado para meu aniversário, em junho. Ele decidiu que faríamos uma viagem surpresa – e que eu só descobriria o destino no aeroporto! No portão de embarque, descobri que iríamos para o Líbano. Mas, bem, o que eu sabia sobre esse país?

1. Que o Líbano é o lar de muitos refugiados sírios.
2. O país convive com a guerra ali do lado e, muitas vezes, dentro de casa.
3. Que a comida é uma das melhores que existe.

Em outras palavras, tudo o que eu sabia sobre o Líbano eu havia visto na televisão, lido em jornais ou provado em restaurantes árabes.

Comida libanesa
O típico e saboroso banquete libanês

Sem a (minha) leitura prévia de guias de viagem, chegamos (ele, três amigos e eu) às 3 horas da manhã em Beirute. No aeroporto, esperavam por nós dois rapazes do Rotaract (clube em que jovens se reúnem para fazer atividades sociais). Descobri que íamos, enfim, para um encontro do Rotaract dos países do Oriente Médio. Por lá, gente da Turquia, Líbano, Síria, Jordânia, Egito… Esse contato rápido proporcionou algumas situações interessantes que marcaram a viagem.

Grand Hills Hotel
Tentativa de foto conceitual: a piscina, o namorado, os montes e, lá atrás, a Síria

1. Viajar no Líbano é seguro?

Durante o trajeto até o hotel, perguntei para o rapaz libanês se Beirute era uma cidade perigosa – afinal, eu sou paulistana e toda vez que o carro pára no semáforo de madrugada lá vem o medo de uma arma apontada na cabeça. Ele respondeu:
— Não! O país vive uma relativa paz desde 2012.
— Ah, não foi isso que quis dizer, respondi. Na verdade, minha pergunta era sobre assaltos à noite!
— Não, não. É muito seguro andar à noite pelas ruas. É claro que acontecem casos de roubo e outros tipos de violência, mas são casos isolados.

E aí eu me coloquei em meu lugar. Essa violência que matou um amigo com um tiro na cabeça e deixou meu primo tetraplégico não faz parte do dia a dia de quem vive ali, a 50 quilômetros da guerra. Foi o primeiro tapa na cara que o Líbano me deu.

Alguns dias após nossa partida, houve um atentado no centro de Beirute. Mas o mesmo tem acontecido em alguns lugares da Europa. Semana passada foi em Nice, hoje foi aqui na Alemanha. Não devemos abaixar a cabeça para a violência, deixar de viajar ou de sair de casa por causa do medo. E, sinceramente: se você é brasileiro a violência não é um motivo para você deixar de visitar o Líbano (em tempos de paz, claro). Se você não vive em uma bolha, infelizmente está acostumado com coisas muito piores.

Pigeon Rock, em Beirute, no Líbano
Pigeon Rock, um dos pontos turísticos de Beirute

2. A liberdade é uma criança

As pessoas que moram no Líbano são extremamente gentis e orgulhosas do próprio país. O Líbano… Tão pequeno e tão cheio de vida! E com tantas histórias. Em um passeio, conheci um antigo colega do meu namorado que levava a sua filha de poucos meses no colo. Perguntei o nome da criança e ele respondeu “Azadî“. “É um nome árabe?”, questionei. “Não. Significa liberdade em curdo“, disse ele. Uma criança chamada liberdade. Não pode existir nada mais bonito que isso. Pode?

As histórias interessantes não paravam aí. Muitas pessoas do grupo trabalhavam na fronteira, outras viajavam diariamente para a Síria. Alguns eram refugiados sírios. Se aproximar de pessoas que vivenciam a situação é a melhor maneira de entender o tamanho do problema e perceber que uma guerra não é sobre estatísticas, mas sim sobre vidas como a minha e a sua. Sobre amigos que você faz no caminho.

3. Vida noturna de dar inveja

Quando descobri que viajaríamos para o Líbano, a primeira referência que me veio foi o Egito. Afinal, os países tem muito em comum, certo? Errado. O Líbano é um país extremamente ocidentalizado. Muitas pessoas falam três línguas: árabe, inglês e francês – o sistema de ensino deles, aliás, é americano ou francês. As mulheres são muito ligadas às tendências de moda e maquiagem e as festas são animadíssimas. Em Beirute, além das baladas, há muitos beach clubs, com pool parties que duram o verão todo. Uma delícia!

Rai Beach, no L;ibano
Rai Beach, um dos beach clubs libaneses, onde passei meu aniversário!

4. Custo-benefício de viajar no Líbano

Se você pretende viajar no Líbano, prepare o seu bolso. O país não é barato, mas os problemas não páram por aí. O Líbano é conhecido pelas suas montanhas e morros e isso interfere muito no tempo que você passa em trânsito de um lugar para outro. Não é raro você demorar três horas para chegar em um ponto turístico que fica há alguns poucos quilômetros de onde você está. Isso porque praticamente todas as ruas de Beirute, por exemplo, estão em morros com estradas cheias de curvas.

Grand Hills Broumana, no Líbano
O Grand Hills possui a maior suíte de hotel do mundo. Olha. Isso.

É bom saber: o transporte público é praticamente inexistente. Os motoristas de táxi preferem deixar para depois a amizade com os turistas e podem cobrar até três vezes o valor da mesma corrida que cobrariam normalmente. Assim como no Egito, a regra número 1 é dizer “moço, você poderia ligar o meter, por favor?” assim que entrar em um táxi. Se o motorista não quiser, bem, tem quem queira! Uma boa solução para a falta de transporte público no Líbano é alugar a diária de um taxista – dependendo do seu roteiro e do número de pessoas que fará o passeio, pode sair mais barato.

Ah, os serviços são tão caros quanto os serviços oferecidos em cidades européias. Quer ver? As comidas em uma feirinha de rua que fomos no centro da cidade custavam cerca de dez euros (ou quarenta reais), por exemplo. Resumindo: viajar com orçamento limitado no Líbano pode ser bem complicado.

É bom estar preparada!

11 comments

  1. Ai, gente. Eu tô com medo até de viajar pra Londres, com toda essa intolerância e loucura que a gente tem visto. Seu post é muito encorajador e faz a gente se sentir em paz, pensar que não dá pra parar de viver ou não se aventurar por conta dessas coisas. Amei saber mais sobre o Líbano!


    Beijos
    Brilho de Aluguel

  2. Como eu não conhecia seu blog antes? Cheguei aqui por indicação no blog da Karine Britto e amei muito, principalmente asism já chegando e lendo um post sobre o Líbano. Tem um canal no Youtube de uma brasileira que mora na Árabia Saudita e ela se aventurou pelo Libano também e gravou uns vlogs maravilhosos de lá, vendo tudo aquilo eu mudei completamente minha visão sobre o país, porque assim como você antes, meu conhecimento sobre lá era limitado ao que eu tinha visto na Tv. E como é bom a gente abrir os olhos e quebrar essa barreira, né? Eu quero muito visitar o Líbano um dia <3

    E como não se identificar logo com esse diálogo inicial? Também sou assim, não tem país que eu não visitaria. Tem tanto lugar incrível nesse mundo! ♥

    1. Taís, ainda não conheço a Arábia Saudita, mas morro de vontade de conhecer. Adoro a cultura árabe! Acho que viajar é isso, né? Quebrar preconceitos que, muitas vezes, você nem tem consciência que tem. O Líbano é demais e as pessoas, então, são maravilhosas. Gente muuuito hospitaleira! <3

  3. Uau que surpresa boa! Eu sou muito ruim em geografia, mesmo gostando de viajar. Às vezes as pessoas perguntam pra onde eu fui e eu não lembro! haha Mas estou tentando melhorar isso!

    Nossa Mari que triste história do seu amigo e primo. Infelizmente a gente vive num país em que não há segurança alguma e acho que de tanto que a gente tem medo isso interfere em como vemos outros países.

    Gostei do seu blog, vou entrar mais vezes aqui! rs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.