Korčula, na Croácia: entre vinhedos, histórias sobre Marco Polo e o charme da cidade antiga

O que fazer em Korcula, Croácia

Em Korčula, criamos nosso próprio ritmo. Depois de viajar em um ritmo relativamente rápido por Montenegro e dentro da Croácia, em Korčula decidimos relaxar um pouco e aproveitar a ilha sossegadamente. Korčula é a sexta maior ilha da Croácia, com 46.8 km de comprimento, e também o nome da pequena cidade onde nos hospedamos durante nossa curta estada de cinco dias na ilha.

Com uma bela cidade medieval murada e pequenas praias de águas calmas e cristalinas, a cidade de Korčula foi um ótimo ponto de partida para explorar o resto da ilha. Ela é cheia de história, com um ritmo pacato e pode garantir até algumas doses de aventura.

Logo de manhãzinha, era hora de enfrentar a fila para comer börek! O börek é um tipo de comida turca encontrado também em lugares ocupados pelo Império Otomano, e consiste em uma espécie de pastel com massa delicada recheado de carne, queijo ou vegetais. O börek fazia parte do prato principal dos banquetes otomanos, mas também se popularizou entre nômades e viajantes. No caminho, uma pausa para colher alguns figos fresquinhos das inúmeras árvores espalhadas pelo lugar. Então, finalmente era hora de explorar!

Explorando a cidade murada

Toda aventura em Korčula começa pela cidade fortificada. A cidade antiga possui ruas distribuídas em formato de espinha de peixe, e além dos muros, ainda mantém intactos os fortes que garantiam a proteção dos habitantes. Ali, dentro da cidade murada, você irá encontrar inúmeras referências a Marco Polo. Aí mora uma ideia controversa! Os italianos juram que Marco Polo (1254-1324) nasceu em Veneza, mas os habitantes de Korčula afirmam ali ter sido a terra natal do famoso explorador e mercador.

A vista de um dos píeres de madeira de Korčula

Korčula, uma breve história da ilha

Há vestígios de que a ilha é povoada há, pelo menos, quatro mil anos. Korčula foi uma colônia grega e ali, em Lombarda, foi encontrado o manuscrito mais antigo do território croata, datado do século IV a. C. Nele, os gregos concordavam com a construção da cidade e de uma assembleia, além da divisão de terras entre os habitantes. Depois, a ilha foi dominada pelo Império Romano e invadida diversas vezes por piratas. Fez parte ainda da República de Veneza, foi governada por austríacos e franceses – estes, responsáveis por construir estradas e fortificações. Só em 1871, depois de eleições locais, Korčula passou para as mãos croatas, que começavam a criar a ideia de identidade nacional. Depois, ainda foi ocupada pelos italianos e fez parte da Yugoslavia.

O Estatuto da cidade e da ilha, de 1214, também é considerado um dos documentos mais antigos em língua eslávica.

Passeando entre os vinhedos – e degustando bons vinhos!

Na ilha de Korčula o que não faltam são oliveiras e vinhedos. A tradição vinícola da ilha existe desde o século 4 antes de Cristo, quando ainda era ocupada pelos gregos.

A ilha é famosa pela alta qualidade do vinho branco, como o Grk que é cultivado em Lumbarda, no lado oriental da ilha, e as uvas Pošip e Rukatac, cultivadas em Čara e Smokvica. Plavac mali, por sua vez, é o vinho tinto mais comum. Por isso, vale reservar um momento na viagem para a degustação de vinhos em uma das vinícolas espalhadas pela ilha!

De lambreta até praias escondidas

Korčula: para apreciar sem pressa

Optamos por alugar uma lambreta para nos locomovermos dentro da ilha. Com ela, foi possível conhecer alguns pontos mais afastados e pouco explorados, como a praia Orlanduša, onde não há nada além da praia e alguns barquinhos de pescadores ancorados. E, se tudo der certo, pouca gente.

Orlanduša: para chegar é preciso encarar uma estrada de terra
Apenas mais um cantinho escondido de Korčula: a caminho de Medvinjak

Ali pertinho, também existem outras praias com essa vibe mais exclusiva, como a Bačva e a Pavja. Lembre-se que as praias de pedras (e não areia!) na Croácia são muito comuns, por isso pode ser um pouco complicado caminhar descalço.

Island hopping… de caiaque!

Definitivamente, um dos passeios mais divertidos em Korčula foi nosso island hopping de caiaque. Alugamos o caiaque em uma agência de turismo no centro da Korčula e, de carro, eles nos levaram até a praia Banje, de onde era possível sair com a pequena embarcação. A partir dali, remamos até a ilha Badija, onde está o mosteiro franciscano, e também onde almoçamos.

Island hopping de caiaque: o mosteiro franciscano na ilha Badija

No meu caso, a adrenalina consistia inteiramente no percurso: ao cruzarmos o estreito entre uma ilha e outra, podíamos ir de encontro às gigantescas balsas com carros e pessoas. Confesso que meu maior medo era ser atropelada por uma delas – e não o mar revolto com a chuva que se aproximava! Enfim, meu namorado não achou nada disso muito emocionante – mas só de pensar eu ainda fico bêbada de medo.

Em seguida, remamos até Otok Vrnik – minha ilha favorita. Sem carros, com chão de areia, casinhas de pedra e apenas dois restaurantes, a vila é um charme só!

Na verdade, são dois restaurantes para perfis completamente distintos: o elegante Vrnik Arts Club, que recebia gente chegando de barco-táxi só para almoçar por ali, e o restaurante Škoj, com comida caseira e de ambiente simples – mas com ótimos reviews para a salada de polvo!

A idílica ilha Otok Vrnik

Otok Vrnik além dos dois restaurantes existem duas igrejinhas pequenas e muitas casas de pedra. Encontramos algumas pessoas sentadas em banquinhos lendo livros, outras lagarteando no sol e um grupo de amigos brindando no restaurante. Sentiu a energia? Tão pertinho da civilização e a sensação era de que estávamos isolados do resto do mundo. Uma delícia! Otok Vrnik é definitivamente o tipo de lugar que eu iria para me isolar do mundo. Quero voltar!

Acho que vale sair cedinho de Korčula para aproveitar o dia nas ilhas e curtir a preguiça e o passeio sem pressa. Como deve ser.

Moreška, a tradicional dança de espadas

A Moreška é uma dança de espadas tradicional na ilha de Korčula. A dança de espadas era comum no Mediterrâneo entre os séculos 12 e 13 e apenas no século 16 começou a fazer parte da cultura de Korčula. A dança surgiu na Espanha e é inspirada na luta entre os Moros e os Cristãos, mas na Dalmácia (região que abrange territórios da Croácia, Bósnia e Herzegovina e Montenegro) a dança é associada à luta contra os Otomanos. A dança desapareceu do resto do Mediterrâneo, mas há cerca de 400 anos é performada na ilha. E, por isso mesmo, ela é tão especial!

A performance do dia Sv.Todor (29/07) passou a ser feita regularmente no verão, no ‘Ljetno Kino’ (cinema ao ar livre), ali na cidade murada mesmo.

A verdade é que, à primeira vista, a ideia de ficar cinco dias na mesma ilha não me pareceu muito boa. Mas, à medida que fomos entrando no ritmo, e apreciando cada lugar de maneira menos apressada, Korčula foi se tornando uma segunda casa. Agora, tenho certeza que poderia passar ali um verão inteirinho!