7 costumes alemães que foram um baita choque cultural

Costumes-Alemães-Pexels-por-Niki-Nagy.

Quando a gente pensa na Alemanha, logo imagina trens que chegam pontualmente (se eu conhecesse a Deutsche Bahn antes, não pensaria isso), pessoas sérias e bem focadas, muita tecnologia e vários tipos de salsicha. Nós também lembramos do 7×1 – afinal, como esquecer? Alguns estereótipos e costumes alemães são bem conhecidos mundo afora – outros, por outro lado, estão bem escondidinhos e é preciso mais do que uma viagem para descobri-los.

Costumes alemães: saindo da bolha em que eu cresci

Eu confesso que viver na Alemanha me fez perceber alguns costumes que eu nunca havia ouvido falar, mas que são intrínsecos à cultura alemã.

Há mais de seis anos namorando um alemão, dois anos vivendo em Munique e três meses explorando Berlim, posso dizer que sou, ao menos, iniciada nessa cultura. E vou te contar: alguns hábitos alemães eu aderi sim, mas outros eu prefiro deixar para lá!

É claro que essa lista de hábitos não é e nem pretende ser uma verdade universal, claro. Nem todos os alemães ficam pelados na sauna ou contam batatas. Mas isso acontece com certa regularidade. É apenas um relato de quem enxerga essa cultura com outra bagagem e referências culturais. Só.

1. Ficar pelado é ok!

Ops! Uma ilha na Croácia deixando claro para os alemães que ali o nudismo não é permitido, não

Esse foi definitivamente meu choque cultural preferido. Os alemães tem o hábito de frequentar saunas completamente nus e, em alguns lugares, esse hábito se estende a outros espaços públicos. Em Munique, por exemplo, existem 6 áreas dentro da cidade onde ficar sem roupas é permitido – uma delas fica no Englischer Garten. Gostei tanto desse costume alemão, que ir à sauna se tornou um dos meus passeios de inverno preferidos!

Eu já era fã de topless, porque a sensação de liberdade é muito grande. Mas poder ficar pelada sem se sentir ameaçada é outro nível de liberdade – principalmente para uma mulher que nasceu e foi criada em uma cultura machista como eu. Sinto que aqui os corpos são vistos apenas como corpos – e não há tanta objetificação ou sexualização do corpo como acontece no Brasil.

Na Alemanha o movimento Freikörperkultur, ou “cultura do corpo livre”, é muito forte. O FKK, abreviação do nome do movimento, era muito comum na República Democrática Alemã (Alemanha Oriental) após a Segunda Guerra. Lá, a cultura do corpo livre era uma maneira de liberar a tensão em um ambiente tão restritivo – se permitir ficar sem roupa faz parte da cultura do bem-estar por aqui. E faz todo o sentido: se a gente busca uma sociedade livre, também devemos liberar nossos corpos, certo?

2. Já ouviu falar em wanderlust?

Essa palavrinha que ganhou os estúdios de tatuagem e é até considerada altmodisch (fora da moda) por aqui, na minha opinião, é um pouco controversa. Quer dizer, wanderlust seria algo como wandern + lust (vontade de vagar, literamente). Mas wandern é um hábito MUITO alemão e, na prática, significa basicamente “andar a pé por poucas horas ao ar livre”.

Desde pequenos, os alemães são ensinados que faz bem para o corpo um pouco de ar fresco todos os dias. Por isso, eles saem algumas horas a pé para dar uma volta e tomar ar puro. Se esse lugar for em meio a natureza, perfeito! Mas wandern em si não é um trekking: consiste em uma volta de algumas horas em um espaço aberto, só isso. Poderia ser dar uma volta no quarteirão ou em uma fazenda de soja.

Também não importa a temperatura lá fora ou se chove muito: eles acreditam que não existe clima bom ou ruim, existem apenas roupas erradas. E, por isso, eles dão a voltinha no quarteirão mesmo que esteja caindo o mundo.

3. Batatas contadas, um hábito muuuito alemão

“Quantas batatas você come?” é uma pergunta muito alemã. É claro que nem todos os alemães são assim, mas é um costume alemão perguntar a exata quantia que você irá comer para não sobrar comida. Isso vale para batatas, croissants, pães… Não estranhe se você for convidado para um jantar e esse tipo de pergunta aparecer na conversa. É um costume alemão perguntar quantidades para evitar desperdício.

4. Burocracia em modo analógico

Depois de morar na Itália, achava que a “terra da bota” era muito burocrática e analógica… Bem, até viver na Alemanha, onde absolutamente tudo deve ser resolvido por cartas. Quer cancelar um plano de celular? Envie uma carta. Quer se registrar na cidade? Uma carta vai te ajudar, com certeza. Boas e más notícias vem por cartas.

E nessa brincadeira de enviar cartas, semanas são perdidas para resolver problemas que seriam facilmente resolvidos por e-mail. Nervig.

5. Um seguro para tudo

Ah, se existe um costume alemão bastante difundido é a ideia de que os alemães são exímios poupadores. E quem poupa quer se proteger de imprevistos, certo? Por isso, a ideia de ter um seguro para absolutamente tudo faz muito sentido entre eles. Seguros para celular, para óculos escuros, para relógio, para bicicleta… Há seguro para todas as coisas na Alemanha!

6. Pães e frios no jantar, vegetais grelhados no churrasco

Tradicional jantar alemão: pães e frios

O jantar, na minha opinião, é a refeição menos valorizada por aqui. Quer dizer, ele quase sempre consiste em alimentos frios. Os alemães montam uma mesa com pães, diferentes tipos de queijos, alguns embutidos, legumes e… Prontinho, o jantar está na mesa! Os alemães sentem bastante orgulho dos pães produzidos por aqui: há uma infinidade de tipos, com destaque para os pães integrais, com diferentes tipos de sementes.

Quando o assunto é churrasco, esqueça a versão brasileira com diferentes tipos de carnes. No churrasco alemão há carne vermelha sim, mas eu tenho a impressão de que os vegetais (batatas embaladas no alumínio e espetinhos de pimentão estão sempre presentes) dividem os holofotes e ganham a mesma atenção na grelha. Apesar do alto consumo de embutidos, a Alemanha é um paraíso para os vegetarianos.

7. O que é cartão de crédito mesmo?

Essa é uma realidade que mudou um pouco por causa da pandemia (muitos comerciantes passaram a priorizar cartão sem contato). Mas, infelizmente, ainda é comum alguns lugares não aceitarem pagamento com cartão de crédito. Louco, né? É paradoxal perceber que os alemães, famosos pela tecnologia, evitam algumas novidades que facilitam demais a vida.