Rimini, um novo lar para chamar de meu!

Fachada de edifício antigo em Rimini, Itália

As notícias da Terra da Bota dão conta de que, sim, eu voltei! Em letras garrafais e com muita emoção! Não, não para` Trento – onde reconheci a cidadania italiana. Minha nova casa é menos montanha e mais mar. Os Alpes viraram passado e agora eu chamo de lar Rimini, esse balneário super charmoso na riviera romagnola.

Marina de Rimini, itália
A marina de Rimini é o lugar perfeito para aquele passeio de fim de tarde

Pelos próximos dois anos morarei em Rimini, cidade muito especial para mim por uma única razão: é a terra que meu bisavô abandonou em 1899 para se aventurar no Brasil. Há cerca de trinta anos meu avô visitou a cidade para entrar em contato com os primos que ficaram. Não conseguiu. E agora eu estou aqui com essa maravilhosa missão!

Universidade de Bologna em Rimini

O outro motivo é que há uma semana comecei um master em Fashion Culture and Management na Università di Bologna. Isso significa que vem aí pela frente uma leva de posts sobre estudar fora, declaração de valor e como enfrentar os monstros da burocracia italiana.

Se você pretende fazer uma graduação ou mestrado na Itália, esses artigos poderão ser muito úteis.

Também quero fazer alguns posts sobre o master, que tem matérias interessantes no currículo, como e-commerce e made in Italy – que inclui visitas a escritórios de grandes marcas italianas, tipo Moschino. E, se eu perder a vergonha na cara, quem sabe não rolem também alguns vlogs contando toda essa experiência? Coragem, tem que ter coragem!

O que fazer em Rimini?

Rimini é uma comuna com quase 140 mil habitantes e está localizada na Emilia Romagna – que, por sua vez, possui como capital Bologna, também considerada capital gastronômica da Itália. Já Rimini ficou famosa nos anos 70 por ser um balneário internacional – a cidade fica lo-ta-da de russos no verão.

Praia de Rimini, Itália
O forte de Rimini não são as praias – mas o clima praiano é uma delícia!

O balneário é uma mistura de Ibiza com Santos. Em outras palavras: muitas festas, praias feias e lotadas no verão. Essa cidade arrumadinha e badalada, no entanto, possui outros atrativos além de praias e festas mucho locas, acredite.

Rimini é recheada de pontos interessantes para quem gosta de história. Também possui parques temáticos curiosos, como o Italia in Miniatura, bom para levar as crianças (de idade e coração). Melhor: Rimini está localizada pertinho de São Marino, um dos menores países do mundo, e definitivamente uma experiência para riscar da bucket list.

Vem comigo que eu vou te mostrar o centro storico, cantinho mais especial da cidade e onde estão espalhados os vários campi da Università di Bologna. Assim como outras cidades italianas, provavelmente você ficará encantado com a ideia de passear por um lugar e, de repente, encontrar um muro, prédio ou monumento com mais de dois mil anos de idade.

Principais pontos turísticos de Rimini: Arco de Augusto

É, juntamente com a Ponte de Tibério, meu monumento preferido na cidade. O arco marca a entrada na antiga cidade pela via Flaminia, que ligava Roma a Rimini, já em 27 a.C. Gosto de sentar na sorveteria que tem em frente, tomar um milk shake de cioccolato e ver o tempo passar.

Arco D'Augusto em Rimini, Itália
Arco D’Augusto: não é uma belezinha?

Quanta gente interessante já não passou por ali? E quantas boas histórias devem ter se perdido no tempo! Há mais de dois mil anos o arco resiste a guerras e imperadores.  Tempo é definitivamente um conceito muito estranho e esse arco é a prova disso.

Domus del Chirurgo

Passei diversas vezes por ali até que um dia percebi que a construção de tijolinhos com paredes de vidro guardava uma joia arqueológica. Bem no meio de uma praça está protegida o que um dia foi a casa de um cirurgião no século 2 d.C. Uma vez que o lugar estava bem conservado, foi possível reconstruir o ambiente e transformá-lo em uma espécie de museu.

E por que seria esta a casa de um cirurgião? Bem, no local foram encontrados cerca de 150 instrumentos cirúrgicos. Você ficará encantado com o mosaico do chão da casa do cirurgião e encontrará até uma ossada. A entrada custa 6 euros.

Ponte de Tibério

É impressionante o grau de preservação da Ponte de Tibério encomendada pelo imperador Augusto, em 14 d.C., mas só concluída sete anos depois, em 21 d.C. pelo imperador Tibério.

É também é impressionante que a ponte tenha sobrevivido a terremotos, a guerra entre godos e bizantinos e até uma tentativa de destruição do exército nazi na Segunda Guerra Mundial. Da Ponte de Tibério saíam as estradas romanas para o norte da Itália, via Emilia e via Popilia.

Ponte de Tibério em Rimini, Itália
A Ponte de Tibério é assim… Indestrutível

Anfiteatro romano

Fiquei em êxtase quando descobri que havia um anfiteatro romano na cidade, e logo lembrei do super bem conservado que existe em Verona. No entanto, a versão de Rimini – datada do século 2 d.C. – está em ruínas. Ali aconteciam espetáculos com gladiadores com até 12 mil espectadores.

Infelizmente, hoje o que existe é uma grade que evita que as pessoas entrem no lugar e mais nada. No centro da cidade, também existem as ruínas do teatro romano e o Castel Sismondo. O interessante é ver como a cidade se reinventa e se adequa às ruínas do próprio passado. Sim, eu tenho uma fixação por ruínas!

E não deixe de provar…

Cassone romagnolo em Rimini, Itália
Cassone romagnolo: uma das maravilhas da culinária italiana

E como cada região da Itália possui sua própria gastronomia, em Rimini não poderia ser diferente. Talvez esse valha um post a parte, mas já adianto: se estiver em Rimini, não deixe de provar o cassone e a piadina. Ambos são uma espécie de wrap recheados com mozzarela, prosciutto, speck, omelete ou salada. É uma delícia e serve como um lanche bem levinho.

Piadina del Porto, em Rimini, Itália
Piadina del Porto: um dos melhores lugares para provar piadina e cassone

Minha dica é provar esse prato no La Piadina del Porto. É uma portinha bem simples em frente à marina e com aquela combinação que a gente gosta: bom sabor, preço justo e atendimento simpático.

 

Islândia: as paisagens mais incríveis da terra dos elfos

cachoeiras da Islândia

A nossa história começa no final de julho de 2017. Foi bem no meio do verão, quando Munique é tomada pela brisa fresca, festivais de arte acontecem por todo canto e novos surfistas pipocam no Eisbach… Bem, foi na melhor época para viver na Baviera que o namorado decidiu que queria passar o aniversário viajando. As nossas opções eram Grécia, Itália e Islândia. Queríamos verão e também não queríamos gastar muito.

Contrariando a lógica, a escolhida foi a Islândia. É que a terra do fogo e do gelo era o nosso único destino novo de verdade. A Islândia é uma bela combinação de vulcões, cachoeiras, encontro de placas tectônicas, gêiseres, hot springs, glaciares, lagos de gelos, além de focas e ovelhas. Belo e pacato, o país tem algumas das paisagens mais maravilhosas desse planeta. E, apesar de ser um destino de viagem caro

Bem, todo perrengue vale a pena quando a alma não é pequena. :)

Uma lenda: assim surgiu a Islândia

Diz a lenda que a Islândia começou a ser povoada por um casal de vikings noruegueses na Idade Média. Os vikings também levaram mulheres celtas como escravas. Ali, essa gente criou o termo huldufólk, que significa “povo escondido”, para explicar criaturas como elfosduendesgnomos e trolls, que vivem nas terras islandesas – e muita gente acredita na existência ainda hoje.

Casa de Elfo - Islandia
Você já viu uma casa de elfo? Na Islândia, elas estão em toda parte!

Coloque em um recipiente a cultura viking, um pouco  da cultura celta e misture com paisagens de tirar o fôlego. Pronto, você terá ideia de como é a Islândia! Para nós, foi a melhor decisão de todas.

Resultado: uma viagem de carro pelo sul da Islândia em cinco dias. Com pouco planejamento e muita emoção. Com calorzinho no coração. Eu me apaixonei pela Islândia, gente.

Então aperta play em Lakehouse de Of Monsters and Men e vai:

Hora de seguir viagem…

Saindo de Munique: como é voar de Air Berlin?

Saímos de Munique em uma quinta-feira, às 21h-e-alguma-coisa. O vôo durou quase 4 horas. Voamos de Air Berlin – essa mesmo que decretou falência na mesma semana que voltamos de viagem. Chegamos no começo da madrugada.

Eu levei minha mochila de 60 litros como mala de mão, o namorado levou uma mochila de 30 litros. Compramos uma franquia para bagagem despachada e nela levamos todo o aparato para camping + comidas  + tripé da máquina (que não foi usado #shame).

O vôo foi um sofrimento, confesso. Comida de avião é ruim? É. Mas na minha opinião é a parte mais empolgante. É o auge, quando o vôo todo se anima. Barulhos de mesinhas, pessoas acordam do sono leve. Altas expectativas. Baixas expectativas. Virá um curry de frango com tabule de saladinha (sempre misturas estranhas) mais um cupcake de chocolate de sobremesa? Quem sabe. Uma coisa é fato: carne vermelha é sempre a pior opção.

Mas por ser um voo doméstico (a Islândia faz parte de Schengen) e a Air Berlin uma low cost (oi? a passagem custou cerca de 300 euros!), nada de snacks. Nada de televisãozinha. Nada de nada.

Um chocolate em forma de coração no final da viagem e só.

Enfim, a terra dos elfos: Islândia!

Aterrissamos no Aeroporto Internacional de Kéflavik e o caos estava instalado – talvez porque era véspera de feriado, talvez porque era alta temporada. Lotado, o aeroporto mais parecia a rodoviária do Rio de Janeiro em sexta-feira de Carnaval (#saudadesterrinha). A mala demorou pouco mais de 30 minutos para aparecer na esteira. Muita gente reclamando, alguns seres humanos dando barraco.

Muitos alemães (quase 50% dos vôos que chegavam no aeroporto saíam da Alemanha! eita povo com wanderlust na veia), alguns italianos, alguns espanhóis e muitos americanos em conexão de qualquer país da Europa continental  > Islândia > Estados Unidos. Pegamos um ônibus da Reykjavik Excursions até a rodoviária da cidade e caminhamos até a nossa guest house para descansar e nos prepararmos para o dia que viria.

Islandia - o que visitar
Para que lado eu vou?

Talvez a Islândia ainda precise de alguns ajustes quanto à estrutura de turismo. Visivelmente, o país não tem capacidade para receber o grande número de turistas que cresce todo ano.

O mundo inteiro em uma só ilha

Um dado que vale a pena saber: a Islândia recebe cinco vezes mais turistas por ano que o número de habitantes. São cerca de 330 mil habitantes no país (1/3 mora em Reykjavik) e mais de 1,7 milhão de turistas. Então basicamente funciona assim: não importa para onde você vá, só terão turistas. Inclusive, os “locais” que eu conheci eram turistas (quer dizer, fotógrafos que se mudaram para a ilha e vivem a doce, intelectualmente estimulante e aventureira vida islandesa).

Também é preocupante o impacto que o turismo tem nas paisagens da Islândia. As trilhas devem ser respeitadas porque a vegetação demora décadas para se recuperar. Ali, a natureza apesar de avassaladora é extremamente sensível. E esse é um dilema que o país que tem economia voltada para o turismo sofre todos os dias.

Ovelha - Islândia
As ovelhas dominam a paisagem (mais um motivo para amar a Islândia!)

Falando nisso, essa história de a Islândia ser um parque de diversões para os turistas pode soar muitas vezes artificial, quer ver?

Islândia: pratos típicos e iguarias

Vamos analisar agora os pratos típicos islandeses. O mundialmente famoso tubarão fermentado, o steak de baleia e a cabeça de ovelha são iguarias que a maior parte da população islandesa não consome no dia a dia. Bem, eram pratos consumidos antigamente… Mas hoje são apenas coisa-para-turista-ver-e-experimentar em restaurantes lotados por, veja só, turistas. Tipo restaurantes de pasta em Veneza. É italiano, mas não tão italiano assim.

Icelandic Fish and Chips
Fish and Chips islandês

No entanto, a cultura do fish and chips, do cachorro-quente com cebolas crocantes (conhecidos como pylsur), dos cafés incríveis e dos hambúrgueres ao ponto reina nessa terra. Afinal, a Islândia é o berço da cultura hipster! É o lugar onde as pessoas passam a noite de Natal lendo livros. Então melhor deixar a gastronomia para lá e aproveitar as paisagens e a música boa que esse país lindo tem para oferecer.

Roteiro de viagem: 5 dias na Islândia

Dia 1: o belo vulcão Eyjafjallajökull

Pela manhã, voltamos à rodoviária e pegamos um ônibus rumo a Thórsmörk (o Vale de Thor, em islandês), montanha situada entre os glaciares Tindfjallajökull e Eyjafjallajökull e um dos principais destinos para trekking da Islândia. Ali, carros comuns não tem acesso – apenas alguns poucos 4×4 e ônibus customizados. Isso porque há uma série de rios que só veículos anfíbios são capazes de atravessar.

Seljalandsfoss - Islandia
A bela Seljalandsfoss vista do alto
Thorsmork - Trekking in Iceland
þórsmörk: o deus Thor sabe das coisas

Durante as quatro horas de viagem o ônibus parou em alguns pontos turísticos, como a encantadora Seljalandsfoss. Enfim, estávamos nas Volcano Huts, aos pés do vulcão Eyjafjallajökull, que em 2010 parou muitos aeroportos na Europa ao entrar em erupção. Montamos a barraca, partimos rumo à trilha e nos deleitamos com as paisagens incríveis de cada trecho.

Eyjafjallajökull - Islandia
Eyjafjallajökull: famoso por parar aeroportos
Thorsmork - Trekking
Fim ou começo do mundo?

Em islandês, o nome Eyjafjallajökull significa “ilha com geleira e vulcão”.

Na trilha, encontramos uma charmosa casa de turfa islandesa. Com grama no telhado, essas casas são construídas para oferecerem melhor proteção térmica em climas severos.

Thorsmork - Iceland
Ops, um vulcão passou por aqui

Dia 2: onde comer em Reykjavik

No dia seguinte, um amigo que vive em Reykjavik passou para nos buscar nas Volcano Huts e partimos com destino à capital islandesa. Chegamos durante à noite e saímos para provar a comida local. Primeiro, nos aventuramos no famoso cachorro quente islandês, considerado o melhor do mundo (sinceramente, para quem vem da Alemanha a salsicha não é nada demais; para quem vem de São Paulo, faltou purê <3). O centrinho da cidade estava fervilhando!

Reykjavik Fish, na Islândia
Reykjavik Fish: descoladinho e com variedade de fish and chips

Seguimos rumo à região do porto e por lá escolhemos Reykjavík Fish, um restô hipster style com todo tipo de fish and chips que você pode imaginar. Eles também vendem o hákarl, o famoso tubarão fermentado (quatro pedacinhos tipo degustação custavam cerca de 12 euros). Mas o Joseph, nosso amigo fotógrafo (para fotos inspiradoras da Islândia, siga no Insta @joe_shutter) deu a dica: no flohmarkt perto do porto, o hákarl é encontrado por cerca de 2 euros.

Reykjavik é uma gracinha. Organizada, limpa e vibrante. Seu centro ainda preserva casinhas coloridas e lembram a pátria mãe, Noruega. Tudo ali é muito intimista, pequeno e aconchegante.

Dia 3: Lagoa Jokurlsalon e a Diamond Beach

Pela manhã, pegamos o carro alugado e voltamos para o sul da ilha. No caminho, demos carona para um casal de franceses muito simpáticos até Seljalandsfoss. O plano deles era fazer a trilha de cerca de 4 dias.  Ali pertinho da Seljalandsfoss existe uma trilha que leva ao alto da cachoeira e de onde se tem uma vista muito bonita!

Seguimos para a Lagoa Jokurlsalon e para a Diamond Beach. Esse é definitivamente o passeio que você não pode perder na Islândia.

De Reykjavik à Lagoa Jokurlsalon são cerca de cinco horas de viagem na Ring Road, a principal rodovia que liga as cidades da costa do país formando, adivinhe só, um anel. Não faltam cachoeiras, vulcões, campos de lavas e geleiras para admirar no caminho. E apesar de tudo isso ser incrível, a Lagoa Jokurlsalon que repousa na base do Vatnajökull, maior glacial da Islândia (ele cobre 8% do país!), coloca todos os outros passeios em perspectiva.

Lagoa Jokurlsalon Iceland Glaciar 4
Parece glitter, mas é só um pedacinho da maravilhosa Lagoa Jokurlsalon

Sinceramente, é uma das paisagens mais maravilhosas que eu já vi na vida. Ali, focas brincam em meio ao gelo e o silêncio impera. O vulcão adormecido, o gelo que flutua sobre a lagoa, o barulho da natureza em atividade… Tudo isso lembra o quão pequenininho a gente é.

Na lagoa há empresas que oferecem passeio de barco, mas eu sinceramente acho uma tremenda invasão. Os barcos quebram o silêncio do lugar. Ali as coisas são bonitas como são, sem interferência humana.

Lagoa Jokurlsalon Iceland Glaciar
Lagoa Jokurlsalon e o glaciar como cenário. Existe lugar mais lindo?

Outro detalhe importante é que a Islândia não cobra a entrada na maioria das atrações naturais. Os vulcões, geleiras, cachoeiras e lagoas estão ali, expostos para quem quiser desbravar. A população ganha dinheiro com serviços de hotéis, restaurantes, passeios… Mas, olha, a dona do negócio ainda é a natureza.

Islândia
Hora mágica na beira da estrada <3
Islandia - Hora magica
Difícil abrir os olhos no pôr do sol, gent

O povo islandês tem uma relação muito próxima com a natureza e com a terra onde vivem. Há um respeito e a consciência de que tudo é mutável. Os diversos campos de lava estão ali para lembrar isso. A História existe para nos lembrarmos disso.

Diamond Beach - Iceland
Diamond Beach e seus diamantes de gelo: a praia mais bonita do planeta (eu acho)

Do outro lado da pista está a Diamond Beach, uma praia de areia negra vulcânica onde pequenos cristais refletem a luz do sol. Coisa linda, gente. Por ali as focas também recebem os visitantes com brincadeiras no oceano gelado. Ficamos algumas horas admirando a paisagem – e mais nada.

Adrian no Gelo Flutuante
Tente tirar fotos no gelo, escorregue e tome um banho de mar gelado

Então quando a noite começou a cair, partimos para o Parque Nacional Skaftafell, onde armaríamos nossa tenda.

Dia 4:  Skaftafell e a trilha para o glacial

Pela manhã, fizemos a trilha para visualizar o glaciar do alto. No caminho, havia mais uma bela cachoeira.

Parque Nacional Skaftafell - Islandia
Skaftafell: onde fogo e água se encontram

Pegamos estrada rumo ao Golden Circle, rota turística mais conhecida do país. No caminho, parada para tentar avistar lundis (puffin, em inglês, ou papagaio-do-mar, na língua de Camões) no farol. Sem sucesso. Mas encontramos ovelhas simpáticas beirando o precipício beira-mar e a visita valeu a pena.

Chegamos só a noite no acampamento Skjol, no Golden Circle. Montamos nossa barraca e jantamos uma deliciosa pizza no bar super agradável do lugar. Diferentemente da maioria dos lugares, o bar do Skuggi não fechava às 20h mas às 23h! Ponto para eles.

Dia 5: Golden Circle e Lagoa Secreta

Enfim, o último dia de nossa passagem relâmpago na Islândia. Visitamos a bela cachoeira Gullfoss e os gêiseres. Após tanta correria, já era hora de relaxar um pouquinho. Pulamos outros pontos turísticos do Golden Circle, como o Parque Nacional Thingvellir, onde está o encontro das placas tectônicas da Eurásia e América do Norte.

Geyser - Golden Circle Iceland 2
Um dos gêiseres do Golden Circle

Seguimos para a Lagoa Secreta, localizada em Flúdir, uma alternativa mais interessante que a badalada Blue Lagoon. Bem, mais interessante por dois motivos:

Blue Lagoon x Secret Lagoon: qual é a melhor?

  1.  Criada em 1891, a Secret Lagoon é a primeira piscina da Islândia. É também uma experiência mais autêntica do que sua irmã rica, na minha opinião. Ali, a água que sai de vários pontos geotermais esquenta os visitantes com temperaturas que variam de 38 a 40 graus. O chão da piscina e ao seu redor foram construídos com pedras da região. Ali ao lado, um pequeno gêiser entra em ebulição a cada cinco minutos.  A Blue Lagoon, por sua vez, é uma experiência para quem procura luxo, com bom restaurante e tratamentos de spa.
  2. A Lagoa Secreta é mais barata do que a Blue Lagoon, tem menos turistas e é mais intimista.
Secret Lagoon x Blue Lagoon - Iceland - Hot Springs
Hot springs ao redor da Secret Lagoon

 

Secret Lagoon x Blue Lagoon - Iceland
Secret Lagoon: intimista e menos badalada que sua irmã Blue Lagoon

E o que perdemos na Islândia…

Todo o resto – que não é pouca coisa. A Islândia é um país onde a expressão “pegar a estrada” significa que provavelmente você verá as paisagens mais bonitas da sua vida. Dificilmente um viajante com poucos dias no país verá todos os destinos que o lugar oferece, porque eles são muitos.

Ovelha Islandia 5
Mais ovelhas – é impossível cansar delas!

Aliás, muita gente passa cerca de uma semana em apenas uma trilha. Outras pessoas se arriscam em percorrer o país inteiro pela Ring Road em cerca de 10 dias (são cerca de 500km dirigidos por dia). Esse é o mínimo viável, eu diria. Pode ser uma boa ideia para quem quer ter uma noção de como as paisagens variam na ilha.

No final de contas, eu acho que a Islândia é o tipo de lugar que vale várias viagens. Ainda quero ver a aurora boreal no inverno, conhecer os fiordes do oeste e o norte do país. Afinal, viajar a conta-gotas também pode ser uma ótima ideia!

7 dias, 1 road trip até a Argentina e 48 horas em Buenos Aires

Rio Sujo em Buenos Aires

Minha vida, 48 horas em Buenos Aires e as road trips na Argentina tem um caso sério.

E tudo começou lá atrás, quando eu ainda usava franja.

Ponte - Road Trip América do Sul

No auge dos meus 6 anos, meu primeiro documento de identificação foi um passaporte. Foi em Uruguaiana, divisa com Argentina, que minha irmã e eu tivemos nosso passaporte verde escuro emitido – sem saber escrever, assinamos com o dedinho polegar. O passaporte era parte de uma viagem liderada pelos meus pais e que meus avós paternos participavam como nossos convidados especiais.

A primeira road trip na Argentina da minha vida…

Nosso plano era cruzar os Andes, chegar a Santiago no Chile e então retornar a São Paulo. Não pudemos e a culpada foi a falta de tempo. Talvez por conta da falta de planejamento – que nunca foi o nosso forte em road trips. Era sempre assim: “vamos?”, “vamos!”.

Nessa de “pegar o carro e ir”, minha avó deixou para trás a carteira de registro de imigrante dela. Barrada sem documentação, tivemos que esperar na fronteira até que a carteira chegasse via Correios. Por isso, a viagem foi resumida a Buenos Aires, Uruguai e as belas vinhas e macieiras do sul do Brasil.

Segunda road trip: América do Sul me esta llamando, babe!

Anos depois, meu pai, minha irmã e eu tentamos reproduzir uma viagem parecida, porém mais audaciosa. Dessa vez, subimos até o Acre, cruzamos o Peru com direito a Machu Picchu, demos um pulinho em La Paz, na Bolívia, passamos pelo maravilhoso deserto do Atacama no Chile e conhecemos de pertinho o inesquecível Salar do Uyuni.

Passei mal horrores subindo os Andes. Nos perdemos no deserto. Fizemos o caminho do trilho do trem em Águas Calientes. Queimei dois chuveiros. Conhecemos o norte da Argentina, tão esquecidinho nos guias de viagem. Foi uma viagem transformadora… Mas, adivinhe? Novamente Santiago ficou para depois. Tivemos apenas 23 dias para um percurso de quase 12 mil quilômetros.

Terceira road trip: Buenos Aires é a atração principal

No final de 2016, meu pai me convidou para mais uma road trip. Dessa vez, o destino seria Gramado. Logo ali, 1120 quilômetros de distância de São Paulo – pertinho demais. Sugeri: por que não esticamos até Buenos Aires, hein? Apenas 1130 quilômetros a mais na conta, ué.

Parece ideia de gente louca, eu sei. Mas ele topou! Não, não foi dessa vez que chegamos a Santiago de carro, infelizmente. Afinal, tínhamos só uma semana entre o Natal e o Ano Novo para o percurso completo! Mas essa foi uma viagem muito parecida com a viagem que fiz com meus avós quando pequena e, por isso, ela ganhou um significado muito especial, já que eles viraram estrela no céu.

Cruzamos o Paraná e Santa Catarina. Visitamos a tão-distante São Borja (curiosamente, terra de dois presidentes do Brasil!) e descemos rumo a Uruguaiana. Compartilhamos a estrada com grupos de motoqueiros que – descobrimos depois – estavam fazendo o mesmo percurso que a gente. Cruzamos a fronteira, mais algumas centenas de quilômetros e lá estava a bela Buenos Aires!

Por que viajar para Buenos Aires?

Buenos Aires é uma das capitais mais vibrantes da América do Sul e exala cultura por todo canto. Não é por acaso que uma pesquisa – não tão nova assim… – revelou que o Brasil tem menos livrarias do que a capital porteña. Dá para acreditar?

Triste para nós, motivo de orgulho para os porteños.

Buenos Aires é uma cidade dominada por livrarias e sebos – e elas certamente farão parte do seu roteiro turístico em algum momento, mesmo que seja só para dar uma espiadinha.

A paixão dos argentinos é tão grande pelos livros que eles separam uma noite por ano para celebrar  visitar as livrarias da cidade a ‘Noche de las Librerías’. E você aí achando que quase morar na Livraria Cultura fosse motivo de orgulho, né?

Também não faltam museus, apresentações de teatro, shows de tango, charmosas cafeterias… É o tipo de cidade que eu moraria facilmente – se o preço dos alugueis não fossem tão altos, kkk.

Onde se hospedar em Buenos Aires?

Dormimos duas noites na capital argentina em um hotelzinho super simples, mas com boa localização (em Balvanera) e preço justo: o Hotel Nuevo Camino, por US$ 20,80 a diária em quarto duplo com ar condicionado em alta temporada. Atendimento simpático, quarto OK e bem no centro de Buenos Aires. Melhor: preço de hostel.

Não poderia ter escolhido melhor! Prenotei  o quarto via  Booking quando meu celular ainda pegava 3G no Brasil e problema resolvido!  :)

Um caso sério: transporte público na capital porteña

Chegamos em Buenos Aires pela manhã, deixamos o carro em um estacionamento ao lado do hotel e de lá só o tiramos quando pegamos estrada rumo a Montevidéu. Por causa do trânsito caótico e da falta de vagas, é muito mais fácil andar de transporte público em Buenos Aires do que com o seu próprio carro.

O transporte público em Buenos Aires, no entanto, não é tão amigável.  Para usar o metrô e o ônibus, por exemplo, é preciso comprar o SUBE, um cartão tipo o Bilhete Único de São Paulo.  Ele dá acesso ao subte (metrô) e ônibus. No caso do metrô, também é possível comprar bilhetes separados.

E quanto custa? Bem, o valor da passagem era de 4,50 pesos argentinos e o preço do cartão SUBE foi de 15 pesos.

O problema é que nem sempre é possível achar os pontos de venda desse cartão  – quando procuramos,  ele quase sempre já estava esgotado nas vendinhas de rua. E o sistema, assim como nosso bilhete único paulistano, fica fora do ar constantemente.

48 horas em Buenos Aires: o que fazer?

Buenos Aires é a cidade perfeita para boas caminhadas – há tesouros escondidos em cada esquina. Por isso, escolha um sapato confortável e… Hora de explorar!

Primeira parada em Buenos Aires: Caminito!

E já que ficamos só 48 horas em Buenos Aires, começamos pelo começo: o passeio Caminito, talvez o lugar mais famoso da cidade. Pegamos um ônibus e descemos pertinho desse lugar colorido, vibrante e inspirador!

Os cortiços do Caminito e suas paredes pintadas de cores vibrantes são um convite à paixão à primeira vista. Localizado no bairro La Boca (bem pertinho do estádio do Boca!), o lugar foi batizado de Caminito em homenagem ao tango de Juan de Dios Filiberto e Gabino Coria Peñaloza. Então, morra de amores – assim como eu morri.

Frida Kahlo - Bonecas - Caminito
Fridinhas: a mexicana virou patrimônio das Américas <3
Caminito - Fachada de Casa - Buenos Aires
Ah, essas fachadas coloridas do Caminito…
Postais - Caminito - Buenos Aires
Até os postais são charmosos

É no Caminito que acontece a Feria de Artistas Plásticos de Caminito, onde artistas contemporâneos vendem suas obras inspiradas no colorido do lugar e, claro, no sentimento tangueiro.  A feira funciona diariamente das 11h às 18h (no inverno) e das 11h às 20h (no verão).

É o meu passeio preferido!

Caminito - Buenos Aires - Argentina
Tesouro escondido em uma das galerias do Caminito
Rio próximo ao Caminito, em Buenos Aires, na Argentina
Um rio sujo. Porém bonito.
Caminito - Papa Argentino
Passando pra lembrar que o Papa é argentino
Caminito - Paralelepipedos
Mais paralelepípedos.

 

Museo de Cera - Caminito
E mais fachadas!

San Telmo: a joia porteña

Hora de pegar o ônibus de volta. Próxima parada: San Telmo. O bairro mais antigo de Buenos Aires foi povoado por estivadores e oleiros no século 17. Hoje, também abriga poços e poços de achados! Não faltarão arte, tango e comida de rua por ali. Por isso, o bairro que estagnou no tempo pode ser a parada perfeita para o almoço ou para um passeio de fim de tarde, com direito à parada para descanso em um dos seus charmosos cafés. Ali, encante-se com os caminhos coloniais e ruas que ainda esbanjam casarões e paralelepípedos. Boemia pura!

Decadente, porém elegante: assim é San Telmo. Aos domingos, uma feirinha de pulgas na Praça Dorrego enche de vida o lugar. Inaugurado em 1897, o mercado de San Telmo, com suas banquinhas de frutas, antiguidades e artesanatos também é um dos lugares para mergulhar no clima do bairro.

Ali também está o Museu Histórico Nacional, com acervo que conta a história do país e com referências à Guerra da Independência, por exemplo.

Anote aí: os aficcionados por livros não podem deixar de visitar a Librería de Avila, a mais antiga livraria da cidade. Ali, ela existe e resiste desde 1785. Incrível, não?

Shows de tango: para turista ver e se encantar!

Se até agora você não se apaixonou por Buenos Aires, então é aqui que você vai cair de amores.

É certo que alguns shows de tango são um passeio clássico para turista ver, mas definitivamente eles valem a pena. É aquele gostinho de drama que a gente espera, sabe?

Há lugares tradicionais, onde o tango sempre existiu, e lugares criados para reproduzir grandes espetáculos, no melhor estilo Broadway de ser. Optamos pela segunda opção (já disse que amo musicais?) e, UAU, não me arrependo nenhum pouquinho.

Nosso critério foi o seguinte: estávamos caminhando do centro rumo a Balvanera e lá estava o Tango Porteño. Ali mesmo, compramos ingressos para a noite e não pesquisamos sobre outros shows.

Era possível comprar o combo jantar + show ou apenas o jantar. Eles também incluíam o traslado de alguns hotéis, mas como estávamos perto – e a Avenida Corrientes é super agitada à noite – decidimos ficar só com o show e jantamos em uma pizzaria na pedra que fomos com meus avós ali na região. E, posso dizer? Foi incrível! O espetáculo é mesmo muito emocionante.

Balvanera e centro: explorando a região!

No segundo dia, partimos para descobrir os tesouros dos arredores. Seguimos andando até a Avenida Corrientes, que por si só já é um ponto turístico com seus infinitos teatros e livrarias.

Buenos Aires

Parada obrigatória: a livraria El Ateneo

Falando em livrarias, é ali pertinho, na Avenida Santa Fé, que está uma das mais famosas livrarias de Buenos Aires: El Ateneo Gran Splendid.

Tanto burburinho em torno do lugar pode ser explicado facilmente: em 2008 ela foi eleita como a segunda melhor livraria do mundo pelo The Guardian, perdendo apenas para a incrível Boekhandel Selexyz Dominicanen, na Holanda, que está em uma antiga igreja de mais de 800 anos.

El Ateneo - Livraria - Buenos Aires
Livraria El Ateneo mostrando como é que faz pra ser bonita

A explicação para tanta beleza é simples: o lugar foi inaugurado como teatro em 1919. Com o nome de Gran Splendid, abrigou espetáculos de tango memoráveis. Depois, o teatro foi convertido em cinema. Nos anos 2000, foi comprado por uma das maiores redes de livrarias argentinas que, ao que parece, fez um ótimo negócio. Quando estiver lá, não deixe de reparar no afresco da cúpula, pintado pelo artista italiano Nazareno Orlandi. Belíssimo!

48 horas em Buenos Aires: pique-nique na Casa Rosada _ou quase isso_

Então, seguimos rumo à Casa Rosada. Paramos em um mercadinho no caminho, compramos Quilmes e apetitosas empanadas e já estávamos preparados para um pique-nique na Plaza de Mayo, em frente à sede da presidência argentina.

Piquenique em Buenos Aires 2
#Selfie com meu pai, um ser humano versátil, que gosta de road trips, Quilmes e piqueniques <3

 

Empanada - Casa Rosada, 48 horas em Buenos Aires
Empanadas x Casa Rosada: foco no que interessa

De Buenos Aires a Montevidéu: a travessia

Hora de atravessar o Rio de La Plata e pegar estrada para Montevidéu. Tentamos fazer o trajeto via balsa e não conseguimos – por causa da alta temporada, já não haviam mais vagas disponíveis. Partimos para o plano B: seguir até Montevidéu via terra – e ultrapassar a ponte em Fray Bentos. Tivemos que passar direto por Colonia del Sacramento, infelizmente, porque o tempo e o GPS não eram nossos amigos. O caminho é longo e quase todo o percurso da estrada era em pista simples.

Menos de 24 horas em Montevidéu (ou:onde NÃO se hospedar em Montevidéu)

Bem, já posso adiantar que nossa experiência em Montevidéu não foi tão agradável assim. Prenotei um hostel via Booking e quando chegamos no lugar já era quase 1 hora da manhã. O hostel Posada del Gaucho era bem avaliado. Mas, bem, a localização no centro da cidade também contava com muitos viciados rondando o lugar. O lugar não era tão bom quanto parecia.

O Booking ainda dizia que a diária do quarto custava 18 dólares.  Veja bem: pagamos 20 dólares em um quarto bem localizado em alta temporada em Buenos Aires. 18 dólares em Montevidéu parecia plausível. Chegando lá, o atendente do hostel disse que, na verdade, esse valor era por pessoa em um quarto compartilhado e que o site estava dando a informação errada. Nos deixaram até duas horas da manhã esperando uma posição do hostel, enquanto o arrogante atendente questionava a dona do lugar por telefone.

Enfim, pagamos o dobro e fomos mal atendidos no hostel Posada del Gaucho.

Pior, quando acordamos às 6 da manhã, percebemos que o carro de um dos hóspedes, que estava parado em frente ao nosso, havia sido furtado pela madrugada. Ali, em frente ao hostel. Poderia ter sido o nosso…

O desânimo foi tanto que demos uma voltinha no centro da cidade e então decidimos deixar a cara e nem tão bonita assim Montevidéu.

Montevideo

Ano Novo badalado em Punta del Este

Ah, Punta del Este foi um respiro de alívio no Uruguai. Chegamos lá sem lugar para ficar durante o feriado de Ano Novo enquanto a cidade pipocava de turistas. Sim, foi um pouco desesperador. Os hotéis com melhor custo-benefício e ainda com vagas estavam a pelo menos 100 quilômetros da praia… Nada de hotel, hostel ou guesthouse.

Missão: acampar em Punta del Este no Ano Novo

Foi então que veio a ideia de procurar um camping. O camping San Rafael estava localizado bem próximo à cidade e também oferecia ótimo preço para alta temporada.

Então, decidimos que o melhor a ser feito era comprar uma barraca de camping para chamar de nossa.

Incrivelmente o maior supermercado da cidade, o Tienda Inglesa, oferece todo equipamento para camping e vários esportes. Aproveitamos e compramos também nossa ceia de Ano Novo, muitos alfajores e partimos rumo ao camping sem saber ainda se encontraríamos vaga no lugar.

Chegando lá, não haviam vagas. Mas, felizmente, encontraram um espaço onde poderíamos montar nossa barraca! Ficamos lá por dois dias e a experiência foi demais! Ofereciam wi-fi na área comum, mercadinho, banheiros compartilhados com chuveiro de água quente e o lugar era limpo e agradável, apesar de lotado de barracas e campervans. Um lugar simples, porém cortês.

A clássica paradinha na Casa Batló

E, como não poderia deixar de ser, viajar para Punta del Este é ticar dois lugares da bucket list: a Casa Batló e a famosa escultura A Mão, do artista chileno Mario Irarrázabal.

Casa Batló

Punta del Este - Uruguai - Praia

Mar - Punta del Este - Uruguay
Por que viajar para Punta vale a pena? Olha esse mar!


Conchas - Punta del Este

A festa de Ano Novo em Punta del Este foi linda, linda. Com muitos fogos na praia. E, para os baladeiros, há ainda as animadíssimas festas nos clubes da cidade. Quero voltar várias e várias vezes! Punta que me aguarde. :)

Como é fazer um safári na África do Sul?

Addo Elephant Park - Safári

Enfim, o último post sobre a viagem para a África do Sul (apesar de termos continuado a viagem rumo a Joanesburgo e Limpopo depois do safári)!

Recapitulando: Port Elizabeth foi a nossa parada final na Garden Route e também o ponto de partida para o tão esperado safári na África do Sul. E ali, a 72km de Port Elizabeth, está o Addo Elephant Park – que, como o nome diz, é praticamente um santuário de elefantes!

Seguimos para o parque com o carro que alugamos na Cidade do Cabo e, durante o dia, fizemos safári com ele mesmo – ponto forte: a autonomia é muito maior do que um passeio de 4×4, por exemplo.

O safári com carro próprio, no entanto, não substitui a versão feita com carro 4×4 oferecida pelo parque – e daqui a pouco eu conto o porquê. Abaixo, separei os momentos mais incríveis dessa jornada pela vida selvagem africana. Vem comigo!

1. Safári na África: os elefantes são protagonistas

Criado em 1931 para salvar 11 elefantes da extinção, o Addo Elephant Park é o terceiro maior parque da África do Sul. Quanto aos elefantes… Bem, eles se multiplicaram e hoje já são mais de 350. Sinal de que o trabalho está sendo bem feito em um país que, infelizmente, ainda sofre com a caça ilegal de elefantes para a venda de marfim.

Safari - Elefantes do Addo Elephant Park
O Addo é deles!

É por isso mesmo que esses animais são um dos pontos altos do passeio: os elefantes podem ser vistos em grupo, sozinhos e, muitas vezes, compartilhando um water hole com outros animais. Em alguns momentos, os elefantes até se aproximam do carro – e a sensação, juro, é indescritível. Mas, melhor manter distância… Apesar de acostumados com a presença humana, eles ainda são animais selvagens, certo?

2. A expectativa é um tempero especial

Safári é o tipo de passeio temperado com incertezas. Você nunca sabe o que encontrará no caminho e tudo depende da equação tempo + sorte. Viajamos em outubro e, quando fizemos o safári, o dia estava quente e nublado. Quanto aos animais, do BIG 5 (os cinco animais mais difíceis de serem caçados pelo homem) apenas não avistamos o leopardo! O rinoceronte negro foi tímido e marcou sua presença bem, beeem de longe – por isso, binóculos, câmeras superzoom ou SLR com lentes 75-300mm devem estar na bolsa para o passeio.

zebras no Addo Elephant Park -Safári
Elas estão em todo o lugar!

Acordamos cedinho, antes do nascer do sol, e partimos rumo a entrada do parque. São 75km de estradas em área protegida – que também abriga algumas paradas de descanso para pique-nique. O horário é fator importante em um safári: é no pôr-do-sol ou à noite, por exemplo, quando o rinoceronte preto e os búfalos são mais facilmente avistados. Cada espécie possui seus próprios hábitos e, por isso, para uma experiência mais completa inclua passeios em diferentes faixas de horário – pela manhã beeem cedo, no pôr do sol e à noite.

Safári no Addo Elephant Park
Spotted: animal de chifres torcidos (a.k.a. cudo) se alimenta na savana

Pretende visitar o parque em veículo próprio? Então será necessária uma autorização que custa pouco mais de 15 dólares. Autorização ok e com o mapa das estradas em mãos, percorremos o parque por quase oito horas. Tarefa fácil quando há tanto o que ver! O tempo passou voando e eu me sentia uma criança na espera do próximo animal incrível que apareceria em nossa frente. Assim como os elefantes, as zebras são onipresentes na maior parte do parque e tem lá seu charme.

Timão - Safári na África - Addo Park
Hakuna Matata!

Os olhos devem estar sempre atentos a qualquer movimento! Encantada mesmo eu fiquei com os suricates. Simpáticos, eles são pequeninos e discretos. Para avistá-los enquanto sobem e descem no meio da vegetação rasteira é preciso ter olhos de lince. Entre hienas, leões e javalis você perceberá que existe muito de O Rei Leão em um safári – sério! É o tipo de experiência para se ter em diferentes fases da vida. Uma viagem para ser feita com amigos, família estilo caravana, com o namorado… Já disse que a África do Sul é apaixonante, né? Então.

3. Os animais estão em seu habitat natural

Toda viagem carrega um tanto de responsabilidade social. Sempre é bom lembrar que o turismo influencia diretamente na cultura, economia e natureza de um lugar. E assim como o nosso lindo-porém-problemático Brasil, a África do Sul é um país que sofre com suas inúmeras questões sociais e ambientais.

Pumba - Safári na África - Addo Park
Nice to see ya, Pumba

Por isso, quando você inclui em seu roteiro um passeio no Zoo Lujan, na Argentina, por exemplo, você está escolhendo financiar um tipo de turismo que explora animais deixando-os em jaulas e, ao que tudo indica, dopa animais selvagens para que os visitantes possam tirar suas  ~corajosas~ (porém covardes, vamos combinar) selfies. O quão descolado isso é? Você decide. Mas quando o assunto é vida animal, eu prefiro que meu rico dinheirinho vá para instituições de preservação ou santuários.

Beware of Lions - Addo Park
Beware of lions: coragem, tem que ter corageeeem!

Como disse, o Addo é um parque que funciona como santuário de elefantes e tem cumprido muito bem sua tarefa de proteger essas espécies. Como visitante, o bônus também é alto! Diferentemente de um zoo onde os animais estão fora de contexto, no safári os animais estão em seu habitat natural e, por isso, suas relações dentro da natureza também são uma atração à parte. Ser atacado por um leão, claro, é uma possibilidade.

4. O safári noturno é um espetáculo a parte

No safári noturno, que só pode ser realizado em veículos do parque e com guias, essas relações animais ficaram mais evidentes para nós.

Durante o dia, por exemplo, vimos um avestruz fêmea chocando um ovo. À noite, o ovo estava abandonado. Oportunidade perfeita para que um chacal rolasse pela vegetação tentando quebrá-lo! Mas o animal não teve êxito e, no dia seguinte, a avestruz fêmea já estava novamente cumprindo seu papel. É bom ressaltar que: 1. a avestruz fêmea costuma chocar o ovo durante o dia e o macho durante a noite; 2. o comportamento animal pode ser muito parecido com o comportamento humano, né?

Também avistamos uma lebre, um leão rodeado por fêmeas e uma in-fi-ni-da-de de búfalos.

5. Onde se hospedar no Addo Park: os lodges dentro do parque são incríveis

Churrasco na África do Sul
braai + vinho tinto é muito amor

Nos hospedamos dentro do parque, em uma forest cabin. A casinha de madeira abrigava duas camas de solteiro, banheiro com chuveiro quente (<3), forninho elétrico, utensílios domésticos (como panela, pratos e talheres) e uma churrasqueira do lado de fora. Há diversas opções de hospedagem dentro do parque: cottages, chalets, guest houses, áreas para motorhome e camping, por exemplo.

Você pode fazer a reserva online acessando o site dos Parques Nacionais da África do Sul. Aqui você terá uma lista completinha dos tipos de hospedagem disponíveis e preços dentro do Addo Park.

A nossa estada de dois dias no parque foi uma delícia! Apesar de o Addo possuir um bom restaurante, havíamos levado carne de avestruz para o braai (churrasco ao ar livre tradicional entre os sul-africanos), vegetais para uma saladinha grega e vinho tinto diretamente de Stellenbosch para regar belamente a refeição.

zebra - addo elephant park

Uma das coisas mais legais de se hospedar dentro do parque é que, durante a noite, os animais fazem barulho e você fica ali, refletindo sobre imensidão, beleza e sorte… Dormir com o som dos animais da savana é uma experiência maravilhosa e, na minha breve história de vida, só pode ser comparada a dormir ao lado da cachoeira aos pés de Machu Picchu, em Águas Calientes.

Se você tiver a chance, eu recomendo de olhos fechados e coração aberto: vá!

Veja também outros posts sobre a viagem para a África do Sul:
+Cidade do Cabo para visitar e se encantar!
Garden Route, a road trip inesquecível pela África do Sul

Garden Route, a road trip inesquecível pela África do Sul

Uma road trip pela Garden Route, na África do Sul

Voltei, gente! Estou passando uma temporada no Brasil tentando arrumar minha vida. Nesse meio tempo percebi que a coisa funciona mais ou menos assim: dance enquanto o caos está instalado, porque o relógio não pára. Então, dancemos! O que a Garden Route tem a ver com isso? Bem…

Desde que cheguei ao Brasil fiz algumas viagens legais: uma road trip de São Paulo a Buenos Aires com direito a ano novo em Punta del Este e uma viagem à Floripa com uma passadinha nos cânions que fazem a divisa do RS e Santa Catarina. Para finalizar, carnaval no Rio de Janeiro. Bons tempos na estrada! Mas, hoje vou falar sobre  esse pedacinho tão especial do planeta que habitamos… a Garden Route, na África do Sul!

Vocês vão ver que não faltam adjetivos para caracterizar o país. A natureza sul africana é mágica, exuberante, única. Não tem como não se apaixonar pela África do Sul!

Garden Route: por que tão especial?

Você pode estar preparado para muitas coisas na sua vida, mas não está preparado para a beleza desse lugar – aposto! A Garden Route (ou Rota Jardim, no idioma de Camões) é uma rota que liga Cape Town (ou Cidade do Cabo) a Port Elizabeth (ou Porto Elizabete). Repleta de campos de golfe e natureza abundante, ela possui a fauna e flora única da África do Sul e só isso já vale um passeio que todo ser humano deveria fazer uma vez na vida.

Já aviso: esse é um post com poucas informações na prática. Isso porque fizemos essa viagem há mais de um ano e eu não anotei no meu diário os preços e nomes de hospedagem. Sorry! Mas tem muita inspiração para quem quer encher o coraçãozinho de amor. [Prometo voltar um dia e reescrever o post direito!]

Tudo começou em Cape Town…

Depois de alugar um carro em Cape Town (lembra?), saímos com destino a Port Elizabeth, onde fizemos safári no Addo Elephant National Park. Essa rota é popularmente conhecida como Garden Route e conta com cenários dignos de filme. E não é exagero. Entre os lugares que eu já fui, a Garden Route é, juntamente com a road trip do Peru ao Atacama, um dos melhores lugares para se fazer viagem de carro.

Vrede en Lust Wine Estate - South Africa
Mas antes, uma paradinha em um wine estate…

A viagem é longa: são quase 800 quilômetros. A distância compensa e cada parada guarda seus esportes de aventura, histórias e, claro, paisagens incríveis. Você poderá avistar baleias, fazer canyoning, visitar as focas de caiaque, nadar com tubarões brancos e até pular do maior bungee jump em uma ponte do mundo!

Para entrar no clima da viagem-delicinha, uma boa pedida é investir em um caprichado brunch em um dos belos wine estates na região de Stellenbosch. Uma amiga nos levou para conhecer o Vrede en Lust Wine Estate e tivemos uma ótima manhã por lá! E o que falar da paisagem? É até redundante dizer mas… Sim, era de tirar o fôlego!

Para um delicioso brunch!
para um delicioso brunch! :)
Cape Town - Cabo da Boa Esperança
até logo, Cabo da Boa Esperança!

Ah, Cape Town das belas paisagens. Deixou saudades.

Próxima parada: Betty’s Bay & Hermanus

Garden Route, na África do Sul
hit the road, babe!

A primeira parada foi em Betty’s Bay. Em Stony Poiny há outra colônia de pinguins. Mas, sinceramente, não chega aos pés da colônia de Boulders Beach, com suas águas azuis e onde é possível até nadar com os animais.

Stony Point - Bettys Bay - Garden Route
acesso livre aos pinguins de Stony Point, em Betty’s Bay <3
pinguim garden route
hello, friend!
Stony Point Tarsier Babies - Bettys Bay - Garden Route
já ouviu falar em dassie? eis uma amostrinha dos bebês fofos desse animal africano <3

Depois, seguimos rumo a Hermanus, onde é possível fazer o avistamento de baleias. Mas, não avistamos baleia nenhuma. Viajamos em novembro e as baleias fracas-austrais podem ser avistadas entre julho e dezembro. Enfim, não tivemos sorte. Mas o centrinho da cidade é uma graça e vale uma parada para saborear frutos do mar em um dos vários restaurantes do lugar.

É a vez de Oudtshoorn!

Saímos do litoral e seguimos até Oudtshoorn, no interior. No meio do caminho, paramos no ilustre Ronnies Sex Shop, ponto famoso entre os road trippers que passam pela região. Lá dentro, nada de brinquedinhos eróticos… Apenas muitos homens bebendo cerveja e sutiãs pendurados no teto (?).

O lugar surgiu como uma brincadeira entre amigos. Ronnie pintou em uma placa “Ronnies Shop” para divulgar a venda dos produtos de sua fazenda. Os amigos de Ronnie então pintavam a palavra SEX no mural e só prometiam parar a brincadeira quando Ronnie oferecesse uma cerveja. O Ronnies Sex Shop virou pub e ficou famoso na região. Esquisito, porém divertido!

Ronnies Sex Shop - Garden Route
na rota de Outshoorn: o famoso Ronnies Sex Shop!

Finalmente, Oudtshoorn! A cidade ficou mundialmente famosa por causa das fazendas de criação de avestruz. De 1865 a 1870 e 1900 a 1914 ocorreu o boom de exportação de penas e couro de avestruz. A moda passou, o glamour acabou e o lugar ainda guarda construções dessa época de ouro. Visitamos uma dessas fazendas, conhecemos o fofo avestruz anão e o namorado até montou em um desses animais.

Ostrich Farm - Oudtshoorn - Garden Route
a melhor foto que eu consegui sem que um avestruz saísse correndo :)

As Cango Caves também deram fama a Oudtshoorn. A cerca de 30 quilômetros da cidade estão essas incríveis cavernas, uma das maravilhas naturais sul-africanas.

Cango Caves - Oudtshoorn - Garden Route
as incríveis Cango Caves, em Oudtshoorn

Wilderness, Knysna e Plettenberg Bay

Passamos rápido por Wilderness, um vilarejo muito gracinha que vale a pena descobrir mais a fundo se você tiver tempo. Chegamos em Knysna que UAU é bonita demais. Essas fotos do alto de um rochedo à beira-mar não me deixam mentir! A cidade abriga uma lagoa e possui um waterfront mega charmoso. Fizemos uma trilha na região, não bem sucedida. Infelizmente, o que encontramos foi desmatamento e animais mortos.

Knysna Natureza - Garden Route - South Africa
ô knysna, larga de ser bonita

Knysna - Garden Route - South Africa

Para os amantes de frutos do mar Knysna é o paraíso. Knysna, essa cidade simpática e arrumada, não é só bonitinha como é também a capital das ostras da África do Sul e o que não faltam são ótimos restaurantes para apreciar a iguaria. Ponto para Knysna!

Ostras - Garden Route - South Africa
alô, alô oyster lovers: Knysna é o seu lugar no mundo
Knysna Casas - Garden Route - South Africa
casinhas charmosas na beira do precipício

Mais adiante, Plettenberg Bay abriga muitos santuários naturais: aves, macacos, elefantes, cobras… Não deixe de fazer a trilha por Robberg Nature Reserve. A natureza… Ah, a natureza! Do alto você verá centenas de leões-marinhos repousando nas pedras. As praias também valem o descanso e um pique-nique. São cerca de 11 quilômetros em uma trilha que dura menos de quatro horas e é uma delícia de ser feita.

Beach at Robberg Nature Reserve - Plettenberg Bay - South Africa
parece o Algarve mas é a África do Sul
Namorado - Plattenberg Bay South Africa
o príncipe e o mapa (sou fofa, fazer o quê)
Robberg Nature Reserve - Plettenberg Bay - South Africa
centenas de leões-marinhos de buenas
Robberg Nature Reserve - Plettenberg Bay - South Africa - Adrian
alguém feliz porque chegou na praia :)

Enfim, Tsitsikamma National Park!

No caminho de Plettenberg a Tsitsikamma uma ponte te chamará a atenção. Não pela altura impressionante (são 216 metros!), mas porque ali está um dos bungee jumps mais famosos do mundo: o Bloukrans Bungy. Não tive coragem de me aventurar ali… Tenho medo de altura. Mas, quem sabe na próxima? :)

Tsitsikamma é um parque especial. Alojado entre as montanhas e o mar, o parque tem esse nome porque a palavra Tsitsikamma significa “lugar de água abundante” em Khoi. É também o ponto ideal para esportes de aventura. No agitado Storms River é possível fazer tubing (atividade que a pessoa desce um rio ou a neve sobre uma bóia). Se preferir, você pode descer o rio de caiaque. Fãs de aventura ainda podem fazer mountain biking ou desbravar a região de cavalo. As trilhas também são um passeio bem procurado – mas é preciso se planejar, porque são longas. Então, chegue cedo!

Mariana - South Africa
tomb raider feelings kkk
Storms River - Africa do Sul
na Garden Route, o rio não chama ‘storms’ por acaso

Então depois de aproveitar tudo o que o Tsitsikamma pode oferecer (difícil, hein) é hora de seguir viagem. Uma paradinha em Jeffrey’s Bay para curtir as belas praias e então você está quase lá. Finalmente, Port Elizabeth!

Preparado para uma experiência única em um safári?

Veja também outros posts sobre a viagem para a África do Sul:
+Cidade do Cabo para visitar e se encantar!
+ Como é fazer um safári na África do Sul?

Encantada, Pueblos Blancos!

Medina Sidonia, Andaluzia, Espanha

Por aqui, as duas últimas semanas foram intensas. E essas últimas semanas são o motivo pelo qual eu vou para o Brasil em breve e ficarei até janeiro por lá – plantando e regando minhas sementinhas mais queridas. E também atualizando meus posts de viagem. Mas, ah, isso é assunto para outro dia. Falemos de coisa boa: os Pueblos Blancos! :) Então, segue um pequeno roteiro de viagem por essa maravilhosa região da Andaluzia.

E a coisa boa que aconteceu nesse mês foi o casamento de um amigo espanhol do Namorado. O amigo se casou em Sevilha e essa foi a justificativa perfeita para uma pequena road trip pela Andaluzia – que é um dos meus lugares preferidos no Velho Continente. Quer dizer, olha só para essas paisagens e me diz se não dá para sentir um caminhão de coisas boas? Impossível. E ainda tem comida gostosa, gente como a gente que vive de um jeito de dar inveja e é um lugar nada caro para se estar. A Andaluzia parece que tem alma pulsante!

Rota dos pueblos blancos, na Andaluzia, Espanha
Porque toda boa road trip é feita de paisagens incríveis.

De Sevilha a Cádis: na rota dos pueblos blancos

Pegamos o carro reservado no aeroporto e seguimos rumo a Bolonia, porque queríamos praias de encher os olhos. O plano era ir até Bolonia passando por alguns pueblos blancos no caminho. Depois de Bolonia, nosso plano era passar por Conil de La Frontera (outra praia), mas isso não deu certo e você vai saber o porquê daqui a pouco. À noite, iríamos para Cádis, onde dormiríamos e passaríamos o dia seguinte explorando. E assim seguimos.

A pacata Arcos de La Frontera

As cidadezinhas do interior da Andaluzia ficaram famosas porque as casas tem fachada pintada de branco. E é demais enxergar esses pequenos povoados no alto de uma colina (ou precipício!) à medida que nos aproximamos de carro. Mas a cor branquinha das casas não é um luxo, não. É que nessa região a temperatura pode ultrapassar 40 graus e a pintura em cal, toda branquinha, combate o calor.

Arcos de La Frontera, Pueblos Blancos, Espanha
Pueblos Blancos: a simpática cidadezinha de Arcos de La Frontera vista da estrada.

Arcos de La Frontera, um dos pueblos blancos, é pequena, simpática e boa para dar umas voltinhas. Estacionamos o carro e saímos para passear pelas ruelas de paralelepípedos. Paramos para tomar um café com leche, comer um montadito de jamón, algumas azeitonas e suco de laranja tudo isso por só 3 euros. Perto da igreja no alto da cidade é possível ver o precipício ao lado de onde a cidade foi construída. Frio na barriga.

Arcos de La Frontera, Ruta Pueblos Blancos, Andaluzia
Cores no varal. <3

Medina Sedônia: vale a pena?

Pegamos estrada de novo e paramos em Medina Sedonia. A cidade ventava de maneira surreal e tinha pouca gente na rua. Tomamos mais um suco de laranja e comemos mais azeitonas. Risos. Medina Sidonia parecia uma cidade fantasma. Será por causa do vento? Fica a dúvida.

Medina Sidonia, Andaluzia, Espanha
Vento ventania (me leve para qualquer lugar, para qualquer canto do mundo!) em Medina Sidonia.

Rumo a Bolonia: a trilha em Zahara de Los Atunes

Agora sim, hora de praia! Analisamos o GPS e vimos que existia um caminho que iria pela costa, apesar de mais longo. Chegando em Zahara de Los Atunes, a estrada estava interditada. Acontece. Então, duas opções: 1. voltar e fazer o caminho seguro ou 2. seguir por uma trilha que aparecia discretamente no mapa. Optamos pela trilha! Colocamos tênis e partimos rumo à felicidade! Algumas vacas com cara de poucos amigos no caminho fizeram a gente subir um morro de pedras, mas tudo certo. A trilha continuou por alguns quilômetros até a gente chegar na pista e perceber que a entrada para a cidade era muito depois. The perrengue never ends.

Zahara de Los Atunes - Andaluzia
Zahara de Los Atunes: vista da trilha para Bolonia.

Já em Bolonia, decidimos visitar o Baelo Claudia. Um dos pontos altos da viagem, o Baelo Claudia é uma antiga cidade romana bem pertinho do mar e que foi construída sobre um assentamento fenício (alô, Líbano! <3). Foi também o principal porto que negociava com o Marrocos e possivelmente as primeiras cidades dessa região da Europa surgiram aqui. A paisagem é de tirar o fôlego e essas cidades romanas são sempre boas para lembrar que a nossa história não começa nem acaba.  Sobre o preço? Bem, não pagamos nada porque temos ID europeia, mas o valor da entrada é simbólico (apenas 1,50 euro).

Baelo Claudia, em Bolonia, na Espanha
Baelo Claudia: uma cidade romana na Andaluzia.
Placa na África para a Espanha
É pra lá que eu vou

Depois, passeamos pela praia e procuramos algum lugar para almoçar. Mas, como estamos em baixa temporada, todos os restaurantes estavam fechados.  Uma pena, porque a região tem fama pelo atum vermelho que é pescado nesse mar lindimais.

Praia de Bolonia, na Espanha
Uma belezinha essa praia de Bolonia, não?

A volta pela trilha era só subida e o sol já estava baixinho, baixinho quando decidimos ir embora. Achamos melhor pedir carona. Por isso, ficamos felizes quando uma campervan com dois rapazes que estavam aprendendo windsurf em Tarifa e – estava na estrada sem destino – nos salvou.

Decidimos deixar Conil de La Frontera para uma próxima vez. A saga continua agora em Cádis!

Alugar quarto em Berlim, uma missão quase impossível

Alugar quarto em Berlim

Em setembro comemoro mesversário de três meses em Berlim! Seria lindo se não fosse trágico: chegou ao fim meu contrato nesse apartamento. Em outras palavras: em outubro ficarei sem casa para morar! E o meu desânimo está no fato de que alugar quarto em Berlim é uma saga por si só.

Enquanto preparo as malas (uma de 32kg, uma de 15kg, um mochilão, a mochila do notebook e uma bolsa para a câmera – enumerar o peso faz parte do #drama), escrevo esse texto que mistura um pouco de desilusão e ansiedade. Porque é muito ruim não saber onde você vai morar mês que vem.

Pode ser que eu encontre um quarto espaçoso, iluminado, com boa localização e flatmates gente boa, como foi esse quarto de agora. Pode ser que eu volte para um hostel enquanto a busca continua – o que eu, confesso, já estou acostumada mas me faz muito infeliz. Pode ser que eu vá para a Polônia. Pode ser que <insira aqui qualquer coisa>.

Charlottenburg, em Berlim
Vista da janela do meu quarto em Charlottenburg

Alugar quarto em Berlim: por que não Airbnb?

Aqui em Berlim não existe Airbnb. A prefeitura da cidade proibiu e a razão é simples: a demanda por apartamentos é altíssima e a possibilidade de ter Airbnb significaria que os donos de apartamentos poderiam ganhar mais alugando quartos para turistas enquanto os habitantes da cidade se digladiariam para encontrar um quartinho decente. Os preços iriam às alturas. E também tem a história dos impostos. Então a prefeitura achou melhor não. Então, não existe Airbnb e… Eu acho isso ótimo. Nunca pensei que diria algo do tipo, mas é verdade.

Alugar quarto em Berlim ficou mais fácil porque não tem Airbnb.

Em Berlim, para anunciar o imóvel no Airbnb, o proprietário deve fazer um cadastro na prefeitura e aguardar uma autorização. Mais: os donos só podem disponibilizar até 50% da área do apê.

Mas, de qualquer forma, grande parte dos quartos são alugados para curta temporada: de um mês a seis meses. E isso também significa que pessoas como eu ficam mudando e mudando sempre. Há uma certa rotatividade entre os habitantes não-alemães – o que permite que você viva em bairros distintos e em diferentes Berlins. Há a Berlim dos baladeiros, vegetarianos, coxinhas, do pessoal de tecnologia, a Berlim artística… Há muitas Berlins!

E como cada bairro possui um meio ambiente próprio, dificilmente as pessoas saem da região onde moram. Como nada é perfeito, em quartos de curta temporada dificilmente os landlords oferecem a possibilidade de registro no município. E sem registro no município você é só um turista.

Como alugar quarto em Berlim
Em Berlim aprendi que essas araras a la Pinterest fazem sucesso porque são baratas na Ikea. Quem é que compra móveis de verdade quando está de mudança o tempo todo?

Como alugar quarto em Berlim: sites e grupos no Facebook

Há alguns sites que facilitam a tarefa de encontrar um quarto em Berlim. O mais famoso deles é o Wg-Gesucht. Lá, você vai encontrar quartos, lofts e apartamentos inteiros para alugar. Mas, como eu disse, a disputa é acirrada. Então, não se apegue a nenhum quarto com anúncio interessante.

Escreva um mini perfil com suas qualidades, o que você está fazendo em Berlim, quanto tempo pretende ficar, se é baladeiro ou não, vegetariano ou não, fuma ou não (as pessoas levam a sério isso por aqui) e envie para o maior número de anúncios possível. Quase nunca eles respondem, mas pode ser que você dê sorte.

Dicas para morar na Alemanha - Alugar quarto em Berlim
Dicas para morar na Alemanha: como alugar quarto em Berlim

Na minha opinião, a melhor maneira para encontrar um quarto para alugar é por meio dos grupos de Facebook. Estou em três muito bons: WG-Zimmer & Wohnungen Berlin, Zimmer in Berlin, Zwischenmiete e Short-term accommodation Berlin: WG, Zwischenmiete, flat-share, Zimmerbörse. Foi lá que encontrei esse apê que estou deixando, aliás.

Nesses grupos, a disputa é clara: é comum você ver 50 pessoas enviando mensagens interessadas em cada anúncio. Os primeiros a enviarem a mensagem inbox para o autor do anúncio tem prioridade. Quem visita e diz que fica com o quarto primeiro ganha.

Seleção natural pura.

Um final de semana com as bruxas de Bamberg

Poço - Castelo em Bamberg

Bamberg, essa cidade alemã tão especial, surgiu em nosso caminho quase sem querer. Uma vez que o namorado mora em Munique e eu em Berlim (são mais de 500km de distância, gente!), passar os dias de folga em um lugar no meio do caminho parecia uma boa ideia. Por isso, quando a prima dele que mora lá sugeriu um final de semana na cidade, a ideia pareceu perfeita. Como a gente não perde tempo, na semana seguinte já estávamos no centro de Bamberg arrastando a mala de rodinhas pelas ruas e procurando a casa dela!

As encantadoras casas de tons pastel
As encantadoras casas de tons pastel um pouco mais afastadas do centro da cidade

Para começar, é bom saber: Bamberg é uma cidadezinha do estado da Baviera encantadora e cheia de história. E isso é tão verdade que em 1993 ela foi eleita patrimônio mundial pela Unesco. Mas você não precisa ler guias de viagem ou a Wikipedia para perceber isso. Enquanto anda pelo centro histórico você tem certeza de que está em uma cidade histórica medieval. E aí mora toda a magia do lugar.

Cidade medieval de Bamberg, na Alemanha
Cidade medieval de Bamberg: de repente, você você está em um outro século

Era uma vez uma catedral…

Como muitas cidades europeias, a cidade de Bamberg cresceu ao redor de um castelo – o castelo da família Babenberg, daí o nome da cidade. O castelo, no entanto, deu lugar à catedral da cidade em meados do ano 1000. Então Bamberg virou sede de uma diocese e até foi centro do Império Sacro Romano – por pouco tempo, mas foi.

Catedral de São Pedro e São Jorge em Bamberg, na Alemanha
Um pedacinho da torre da catedral de São Pedro e São Jorge

A catedral de São Pedro e São Jorge, construída no ano de 1002, é um dos pontos altos da visita à cidade. Nela, você encontrará os túmulos de um imperador e sua esposa, o túmulo do único papa ao norte dos Alpes, uma estátua misteriosa de um cavaleiro – o Cavaleiro de Bamberg – que ninguém sabe explicar quem é até hoje, mas todo mundo só desconfia (como todo bom boato milenar de uma cidade de interior deve ser, risos).  Poetas alemães, inclusive, se inspiraram na estátua em suas obras  e muita gente acredita que o cavaleiro poderia representar um rei antigo ou messias.

Bamberg - Jardim de rosas
Jardim de rosas da nova residência dos bispos

Na praça da catedral você também encontra a nova residência dos bispos, construída em 1802. Para conhecer alguns dos quarenta luxuosos quartos e as galerias de arte do lugar você deve pagar 4,50 euro. Pulamos essa parte e fomos para o jardim de rosas da residência, que é gratuito e possui uma vista incrível da cidade. Não tínhamos muito tempo, afinal.

Postcards - Bamberg
Postais engraçadinhos… E fora de contexto

Bamberg: ponto de encontro de bruxas?

Se você conhece um pouco da história da caça às bruxas, também já deve ter ouvido falar de Bamberg. Entre os anos de 1626 e 1631 a cidade foi palco de julgamentos e mortes da inquisição promovida pela igreja católica. Foi nesse período também que, não por acaso, o príncipe bispo Johann Georg II Fuchs de Dornheim ficou conhecido como “o queimador de bruxas”.

Pequeninos detalhes
Pequeninos  e delicados detalhes

A igreja perseguiu toda a população indiscriminadamente, inclusive gente que era contra a bruxaria. Um dos casos mais famosos é o do prefeito da cidade: acusado de bruxaria em 1628, o prefeito Johannes Junius escreveu uma carta para sua filha Veronika defendendo a sua inocência e contando detalhes sobre como os carrascos o torturavam na prisão. Decapitado e queimado, ele virou mártir.

A casa amaldiçoada

Enquanto passeia pelo centro, uma casa pode chamar sua atenção. Bonita por fora, ela esconde uma história não tão bela assim em seu interior. Conhecida como Maleficent, a casa de porta adornada com símbolos cristãos e letras de ouro estampadas no portão principal ficou conhecida por ser o local onde os pagãos eram torturados até confessar crimes de bruxaria – depois, eram queimados na fogueira.

Muitas vezes, a igreja fazia pagar com a vida crimes que as pessoas não haviam cometido. Os carrascos torturavam os perseguidos até que eles citassem nomes de pessoas da cidade, por isso o terror espalhou-se facilmente. Dizem que em Bamberg a igreja católica matou três vezes mais pessoas do que a Espanha toda – um país que também ficou conhecido pela dureza dessa tal de “Santa” Inquisição. Por esse passado triste, a cidade recentemente construiu uma instalação em memória dos mais de mil homens, mulheres e crianças torturados e mortos pela igreja católica na cidade.

Bamberg, Germany
A sede da antiga Câmara Municipal foi construída no meio de um rio!

As melhores cervejas estão aqui!

As cervejarias de Bamberg também são um passeio imperdível – são nove no total. À noite, não deixe de visitar a Schlenkerla, uma taverna de 1405, onde você encontra a Rauchbier, famosa cerveja defumada, com sabor tão especial quanto aquela de Český Krumlov, na República Tcheca. A taverna, aliás, tomou o lugar de um monastério, que existiu ali até 1310.

Beer Bamberg
Ops. Deu sede. Que tal uma weissbier?

Sempre lotada, pode ser difícil achar um lugar para sentar dentro do lugar. Mas quem se importa? Se é noite de verão, é só se juntar aos grupos que bebem cerveja do lado de fora do estabelecimento, em pé mesmo, enquanto papos animados tomam conta de toda a gente, que também repara no movimento de vai e vem das pessoas.

Lá no alto, o castelo de Altenburg

Residência nos séculos 14 e 15 dos bispos de Bamberg, o castelo de Altenburg também é imperdível. Lá, por apenas um euro, você pode subir na torre mais alta e ter uma vista panorâmica da cidade. Vale a pena! Demos sorte e no vão do castelo acontecia uma peça teatral para crianças. Fofo, vai.

Poço - Castelo em Bamberg
Um poço no castelo de Altenburg, em Bamberg
Teatro no castelo em Bamberg, na Alemanha
Teatro no poço do castelo <3

E, bem, uma vez na Alemanha, os biergartens são lugares perfeitos para descansar da caminhada pelo centro. Então, paramos para almoçar comida bávara em um deles e, claro, tomar mais cerveja. Enfim, Bamberg definitivamente vale a visita! E viva o chucrute.

Absolute Vintage: o brechó mais famoso de Londres!

Absolute Vintage London Brechó Absolute Vintage London Brechó Absolute Vintage Brechó Absolute Vintage, em Londres Absolute Vintage London

(Não sei se vocês concordam, mas) Para um brechó ser realmente bom ele precisa ter um combo de variedade + organização + preço amigo. Boa curadoria também, claro. Por isso, minhas expectativas eram altas para conhecer o Absolute Vintage. É que o brechó é super recomendado e está em Londres, uma das cidades mais ecléticas do mundo e berço de grandes estilistas. De lá só poderiam sair coisas maravilhosas e ótimas barganhas, certo? Ah, a história não é bem assim…

Hello, Absolute Vintage!

O galpão localizado em uma ruazinha pacata é lotado de roupas e acessórios do chão ao teto – mesmo. À primeira vista, o ambiente pode parecer meio perturbador: a impressão que se tem é de que é preciso uma vida inteira para fazer um bom achado. Acredite nos feelings garimpadores, porque essa impressão não é completamente errada.

É uma delícia se perder entre os vestidos separados por estampas (o ponto forte do lugar). Por lá, não faltavam opções de botas, vestidos e bolsas. E lenços, luvas e alguns chapéus.

Como é de se esperar, a grande variedade é de roupas femininas. Mas isso não impede que se faça bons achados na pequena área reservada aos homens. Por lá, as jaquetas jeans (55 pounds, em média) tinham um espaço especial. Mas, veja bem, precisamos falar desses preços…

Preço: o vilão número 1 do brechó

Os valores das peças vendidas no Absolute Vintage me deixaram um pouco chateada, confesso. As jaquetas jeans masculinas, por exemplo, custavam cerca de R$ 250. E, convenhamos, esse não é um preço nada bom. A grande parte das roupas também não era propriamente vintage e possuía qualidade duvidosa. Seda? Algodão? Linho? Nada disso. Alguns vestidos de poliéster custavam atrevidos 30 pounds. É poliéster, é roupa usada e, veja bem, está caro.

Na verdade, eu gostei mesmo foi das gravatas. Dava até vontade de começar uma coleção de gravatas borboleta estampadas! Mas, falando em preços, uma satchel bag roxa (Cambridge Satchel original!) voltou dos anos 2010 e estava dando pinta por lá. Uma belezinha. <3 O valor? 55 pounds (uma nova custa 125p no site da marca). As botas de couro custavam, em média, 35 pounds. Já as bolsas do mesmo material custavam cerca de 20 pounds – e muitas delas também estava em mal estado, com o couro esfarelando, sabe?

Mas, ah, eles possuíam uma seção muito amor: a SALE, claro. Nela, duas meninas norueguesas davam gritinhos de euforia a cada vestido preto liso e de comprimento mídi que achavam por cinco pounds. Quer dizer: temos muito o que aprender com o minimalismo nórdico, né não?

A lição que fica…

Para resumir bem, acho que se você tem curiosidade vale a visita. Mas, na minha opinião, temos melhores opções em São Paulo, onde é possível achar sandálias da Schutz por menos de R$ 40. Em Londres, talvez os bazares e outlets valham mais a pena. Ou então as charity shops espalhadas por toda a cidade e que possuem preços maravilhosos (já achei uma penteadeira art deco por 50 pounds!!!). Enfim, na próxima visita à cidade darei chance a outros brechós. The garimpo never ends, babe!

Serviço Absolute Vintage

Hanbury Street, 15
Londres, E1 6QR, Reino Unido

Aberto todos os dias, das 11h às 19h

4 pensamentos sobre um fim de semana no Líbano

Rosa dos ventos, no Líbano

A:— Mariana, existe algum país que você não visitaria?
M: — Não! :)

E foi assim que começou a programação feita pelo namorado para meu aniversário, em junho. Ele decidiu que faríamos uma viagem surpresa – e que eu só descobriria o destino no aeroporto! No portão de embarque, descobri que iríamos para o Líbano. Mas, bem, o que eu sabia sobre esse país?

1. Que o Líbano é o lar de muitos refugiados sírios.
2. O país convive com a guerra ali do lado e, muitas vezes, dentro de casa.
3. Que a comida é uma das melhores que existe.

Em outras palavras, tudo o que eu sabia sobre o Líbano eu havia visto na televisão, lido em jornais ou provado em restaurantes árabes.

Comida libanesa
O típico e saboroso banquete libanês

Sem a (minha) leitura prévia de guias de viagem, chegamos (ele, três amigos e eu) às 3 horas da manhã em Beirute. No aeroporto, esperavam por nós dois rapazes do Rotaract (clube em que jovens se reúnem para fazer atividades sociais). Descobri que íamos, enfim, para um encontro do Rotaract dos países do Oriente Médio. Por lá, gente da Turquia, Líbano, Síria, Jordânia, Egito… Esse contato rápido proporcionou algumas situações interessantes que marcaram a viagem.

Grand Hills Hotel
Tentativa de foto conceitual: a piscina, o namorado, os montes e, lá atrás, a Síria

1. Viajar no Líbano é seguro?

Durante o trajeto até o hotel, perguntei para o rapaz libanês se Beirute era uma cidade perigosa – afinal, eu sou paulistana e toda vez que o carro pára no semáforo de madrugada lá vem o medo de uma arma apontada na cabeça. Ele respondeu:
— Não! O país vive uma relativa paz desde 2012.
— Ah, não foi isso que quis dizer, respondi. Na verdade, minha pergunta era sobre assaltos à noite!
— Não, não. É muito seguro andar à noite pelas ruas. É claro que acontecem casos de roubo e outros tipos de violência, mas são casos isolados.

E aí eu me coloquei em meu lugar. Essa violência que matou um amigo com um tiro na cabeça e deixou meu primo tetraplégico não faz parte do dia a dia de quem vive ali, a 50 quilômetros da guerra. Foi o primeiro tapa na cara que o Líbano me deu.

Alguns dias após nossa partida, houve um atentado no centro de Beirute. Mas o mesmo tem acontecido em alguns lugares da Europa. Semana passada foi em Nice, hoje foi aqui na Alemanha. Não devemos abaixar a cabeça para a violência, deixar de viajar ou de sair de casa por causa do medo. E, sinceramente: se você é brasileiro a violência não é um motivo para você deixar de visitar o Líbano (em tempos de paz, claro). Se você não vive em uma bolha, infelizmente está acostumado com coisas muito piores.

Pigeon Rock, em Beirute, no Líbano
Pigeon Rock, um dos pontos turísticos de Beirute

2. A liberdade é uma criança

As pessoas que moram no Líbano são extremamente gentis e orgulhosas do próprio país. O Líbano… Tão pequeno e tão cheio de vida! E com tantas histórias. Em um passeio, conheci um antigo colega do meu namorado que levava a sua filha de poucos meses no colo. Perguntei o nome da criança e ele respondeu “Azadî“. “É um nome árabe?”, questionei. “Não. Significa liberdade em curdo“, disse ele. Uma criança chamada liberdade. Não pode existir nada mais bonito que isso. Pode?

As histórias interessantes não paravam aí. Muitas pessoas do grupo trabalhavam na fronteira, outras viajavam diariamente para a Síria. Alguns eram refugiados sírios. Se aproximar de pessoas que vivenciam a situação é a melhor maneira de entender o tamanho do problema e perceber que uma guerra não é sobre estatísticas, mas sim sobre vidas como a minha e a sua. Sobre amigos que você faz no caminho.

3. Vida noturna de dar inveja

Quando descobri que viajaríamos para o Líbano, a primeira referência que me veio foi o Egito. Afinal, os países tem muito em comum, certo? Errado. O Líbano é um país extremamente ocidentalizado. Muitas pessoas falam três línguas: árabe, inglês e francês – o sistema de ensino deles, aliás, é americano ou francês. As mulheres são muito ligadas às tendências de moda e maquiagem e as festas são animadíssimas. Em Beirute, além das baladas, há muitos beach clubs, com pool parties que duram o verão todo. Uma delícia!

Rai Beach, no L;ibano
Rai Beach, um dos beach clubs libaneses, onde passei meu aniversário!

4. Custo-benefício de viajar no Líbano

Se você pretende viajar no Líbano, prepare o seu bolso. O país não é barato, mas os problemas não páram por aí. O Líbano é conhecido pelas suas montanhas e morros e isso interfere muito no tempo que você passa em trânsito de um lugar para outro. Não é raro você demorar três horas para chegar em um ponto turístico que fica há alguns poucos quilômetros de onde você está. Isso porque praticamente todas as ruas de Beirute, por exemplo, estão em morros com estradas cheias de curvas.

Grand Hills Broumana, no Líbano
O Grand Hills possui a maior suíte de hotel do mundo. Olha. Isso.

É bom saber: o transporte público é praticamente inexistente. Os motoristas de táxi preferem deixar para depois a amizade com os turistas e podem cobrar até três vezes o valor da mesma corrida que cobrariam normalmente. Assim como no Egito, a regra número 1 é dizer “moço, você poderia ligar o meter, por favor?” assim que entrar em um táxi. Se o motorista não quiser, bem, tem quem queira! Uma boa solução para a falta de transporte público no Líbano é alugar a diária de um taxista – dependendo do seu roteiro e do número de pessoas que fará o passeio, pode sair mais barato.

Ah, os serviços são tão caros quanto os serviços oferecidos em cidades européias. Quer ver? As comidas em uma feirinha de rua que fomos no centro da cidade custavam cerca de dez euros (ou quarenta reais), por exemplo. Resumindo: viajar com orçamento limitado no Líbano pode ser bem complicado.

É bom estar preparada!